Menu
Busca Ter, 19 de maro de 2019
(67) 9.9928-2002
BLOG O JACARÉ

Lama Asfáltica: juiz encaminha ação para UFMS decidir destino de filho de André Puccinelli

15 março 2019 - 10h30

A 3ª Vara Federal de Campo Grande encaminhou cópias da ação penal contra o professor e advogado André Puccinelli Júnior, preso duas vezes na Operação Lama Asfáltica, para a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). Ao ser comunicado, a instituição deverá abrir procedimento administrativo contra o filho do ex-governador André Puccinelli (MDB).

Preso há mais de dez meses, o ex-secretário estadual de Obras, Edson Giroto, não teve êxito nas manobras para postergar o julgamento da ação de ter ocultado uma fortuna junto com a esposa, Rachel Rosana de Jesus Portela Giroto.

Para completar a vitória da mini força-tarefa encarregada de investigar a suposta organização criminosa, que teria causado prejuízo de mais de R$ 430 milhões aos cofres estaduais, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região revogou os habeas corpus que suspendiam as ações penais contra o empresário João Amorim, dono da Proteco e também preso desde 8 de maio do ano passado.

Depois de passar uma temporada de cinco meses no Centro de Triagem Anísio Lima, de 20 de julho a 19 de dezembro do ano passado, Puccinelli Júnior voltou a dar aulas na UFMS. Concursado, ele recebe R$ 7.443,03 por mês, de acordo com o Campo Grande News.

Agora, a universidade será obrigada a abrir procedimento para apurar a conduta do professor universitário. No dia 19 do mês passado, o juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, da 3ª Vara Federal, determinou o envio de cópias da ação penal contra Puccinelli Júnior à UFMS.

De acordo com o despacho, a instituição deverá analisar as denúncias e tomar as providências que julgar mais adequada. Neste caso, ele poderá ser punido com advertência até demissão. Conforme o MPF (Ministério Público Federal), Júnior era o dono de fato do Instituto Ícone, usado para lavar dinheiro e definido como “banco de propinas”.

O professor foi preso na Operação Papiros de Lama, em 14 de novembro de 2017, e em julho do ano passado acusado de ocultar provas contra o pai da Polícia Federal e de usar dinheiro do Ícone para ajudar investigados na Operação Lama Asfáltica.

Nesta sexta-feira, o juiz publicou despacho em que negou todos os pedidos feitos por Giroto para postergar o andamento da denúncia de ocultação de dinheiro na construção da mansão cinematográfica no Residencial Damha I.

O advogado Valeriano Fontoura pediu a juntada de cópias integrais de vários inquéritos, das movimentações financeiras e bancárias do ex-secretário, do inquérito que apurou o lucro de R$ 1,2 milhão no salão da esposa Rachel Giroto e das 20 mil interceptações telefônicas.

“Ante o exposto, INDEFIRO os pedidos de juntada de cópia integral dos processos mencionados, ressaltando que todos os feitos mencionados pelo douto peticionante já lhe são amplamente acessíveis junto à Secretaria desta 3ª Vara Federal, sendo possível a transposição de qualquer documento que considere relevante para o exercício defensivo, ou a íntegra do procedimento respectivo, preferencialmente em meio digital, para não impossibilitar o manuseio dos autos”, destacou o juiz.

Preso desde 8 de maio do nao passado, Giroto caminha para enfrentar 3º julgamento na Justiça Federal (Foto: Arquivo)

Além disso, o desembargador Paulo Fontes, do TRF3, cassou a liminar que trancava todas as ações penais contra João Amorim em decorrência do empresário não ter acesso ao inquérito 398/2012, que apura a corrupção na licitação bilionária do lixo em Campo Grande.

A defesa do empresário teve acesso ao procedimento investigatório na íntegra. No entanto, em mais uma manobra para manter o andamento das ações suspenso, os advogados alegaram que não encontraram um “CD”. Desta vez, Fontes ignorou a lamúria e revogou o habeas corpus.

Embasado no novo despacho do desembargador, o juiz Bruno Cezar Teixeira reativou os prazos para as contestações na primeira ação contra o ex-governador André Puccinelli e do filho, que estava suspensa por determinação do TRF3.

Puccinelli começa a ser julgado na segunda ação penal em abril deste ano, quando o juiz começa a ouvir os depoimentos das testemunhas de acusação. Os delatores da JBS, incluindo os donos, serão os primeiros a serem ouvidos.

A Operação Lama Asfáltica começou, oficialmente, em julho de 2015 e já conta com dez ações na Justiça Federal, sendo que a última foi rejeitada pelo juiz. A Polícia Federal mantém a investigação, para desalento dos acusados de causar rombo milionário nos cofres públicos. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

A Dengue, Trad e o cúmulo
Prefeito joga a culpa no povo, chamando população de criminosa
EPIDEMIA
Saúde confirma quarta morte por dengue este ano em MS
CASO SUZANO
Suspeito de envolvimento em massacre de Suzano é levado para Fundação Casa
POLÍTICA
Senador protocola CPI para investigar ministros do Supremo
TROCA RIDICULA
Trump e Bolsonaro trocam camisas das seleções de futebol
INTERIOR
Polícia do Paraguai destrói três hectares de maconha na fronteira
ECONOMIA
Mais de 150 mil têm direito a desconto na conta de luz em MS
MISTÉRIO
3 adolescentes desaparecem a caminho da escola em Bataguassu
BRASIL E MUNDO
Ligação entre PCC e máfias envolvia neto de Jânio Quadros, aponta PF
VIAGEM AOS EUA
Deus, PT, mercado e piada com homofobia: a 1ª fala de Bolsonaro nos EUA