Menu
Busca Ter, 19 de maro de 2019
(67) 9.9928-2002
INTERIOR

Vereadora e empresário presos em operação há 5 meses deixam a cadeia

Denize Portolann deixou penitenciária feminina em Rio Brilhante e Messias da Silva saiu da PED

16 março 2019 - 14h30

Denize Portolann (PR), ex-secretária de Educação e vereadora de Dourados –a 233 km de Campo Grande–, deixou na manhã deste sábado (16) o presídio feminino de Rio Brilhante, onde estava presa desde outubro de 2018, quando foi realizada a Operação Pregão, que apura fraudes em licitações. A soltura foi decretada na noite anterior pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), com o alvará sendo expedido pelo juiz Luiz Alberto Moura Filho, da 1ª Vara Criminal do município.

Além da vereadora, o empresário Messias José da Silva também deixou a cadeia. A liberação de Denize foi confirmada por sua assessoria, a partir de informações do advogado Alexsander Niedack.

Os dois foram beneficiados com um habeas corpus concedido no STJ ao ex-chefe de Licitação da Prefeitura de Dourados, Anilton Garcia de Souza, que continua preso em razão de outra ordem de detenção. O ex-secretário de Fazenda do município, João Fava Neto, também segue preso.

“O habeas corpus do Anilton Garcia no Superior Tribunal de Justiça foi julgado na última terça-feira e, com isso, levando em consideração que os fatos e a situação da prisão serem as mesmas, o benefício da liberdade foi estendido à Denize, que ainda não teve o seu habeas corpus julgado', explicou Niedack.

A vereadora deixou a prisão na manhã de hoje, acompanhada do advogado e do marido. A nota de sua assessoria finaliza com passagem do Livro de João. “Escrevemos isso para que a nossa alegria seja completa' (1 Jo: 1,4).

A defesa de Messias da Silva também confirmou ao Campo Grande News que o empresário deixou a PED (Penitenciária Estadual de Dourados), onde está Anilton Garcia. Fava Neto está no Centro de Triagem de Campo Grande.

Operação – A Pregão investigou um esquema de fraudes e dispensa ilegal de licitações em troca de propinas, a fim de beneficiar empresas terceirizadas junto a Secretaria Municipal de Fazenda.

O caso é apurado pelo Ministério Público Estadual, que apura a prática de organização criminosa citando, entre outros fatos, pagamento de R$ 60 mil a Fava Neto e Anilton, feito por Messias em três parcelas. Eles ainda são suspeitos de receberem “mesada' de R$ 30 mil. Com informações, MS News.

Deixe seu Comentário

Leia Também

A Dengue, Trad e o cúmulo
Prefeito joga a culpa no povo, chamando população de criminosa
EPIDEMIA
Saúde confirma quarta morte por dengue este ano em MS
CASO SUZANO
Suspeito de envolvimento em massacre de Suzano é levado para Fundação Casa
POLÍTICA
Senador protocola CPI para investigar ministros do Supremo
TROCA RIDICULA
Trump e Bolsonaro trocam camisas das seleções de futebol
INTERIOR
Polícia do Paraguai destrói três hectares de maconha na fronteira
ECONOMIA
Mais de 150 mil têm direito a desconto na conta de luz em MS
MISTÉRIO
3 adolescentes desaparecem a caminho da escola em Bataguassu
BRASIL E MUNDO
Ligação entre PCC e máfias envolvia neto de Jânio Quadros, aponta PF
VIAGEM AOS EUA
Deus, PT, mercado e piada com homofobia: a 1ª fala de Bolsonaro nos EUA