Menu
Busca Dom, 17 de fevereiro de 2019
(67) 9.9928-2002
POLÍTICA

Deputado diz que Bolsonaro "está para morrer"; PSL rebate

Edmilson Rodrigues, do PSOL, afirma que o presidente foi 'constrangido' a reassumir cargo por suposta desconfiança em relação a Mourão

09 fevereiro 2019 - 15h40

O deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL-PA) disse nesta quinta-feira, 7, em entrevista à TV Câmara que o presidente Jair Bolsonaro "está para morrer", e que pessoas próximas o obrigaram a reassumir o cargo por supostas desconfianças em relação ao vice-presidente, Hamilton Mourão. Aliados do governo repudiaram o comentário do deputado e prometeram acionar o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

"Olha, eu acho que o governo deve definir a sua estratégia, mas não se entende. Nem vice... O presidente está para morrer, mas a sua assessoria mais direta praticamente o obrigou, o constrangeu a reassumir o cargo, porque ele não tem confiança no vice, que é um general de carreira", respondeu Rodrigues.

O psolista disse ainda que seu partido buscará "inviabilizar na medida do possível" as medidas que considerarem "contrárias ao interesse nacional e ao interesse público". Mais cedo, o Estado mostrou há uma resistência especialmente dos filhos de Bolsonaro para que ele, ainda internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, permita que Mourão assuma temporariamente o governo. No Palácio, os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno, se posicionam também contrários a uma interinidade do vice.

Em sua conta no Faceboook, o deputado estadual Delegado Francischini (PSL-PR) disse que a executiva nacional do PSL vai acionar o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados contra Rodrigues. "Deputado do PSOL diz em entrevista que Bolsonaro está para morrer! Intenções criminosas deste partido. Com certeza, a executiva nacional do PSL vai encaminhar este caso, através de nossos Deputados, para o Conselho de Ética!", escreveu.

Procurado para comentar o episódio, o deputado Edmilson Rodrigues não atendeu as ligações da reportagem.

Recuperação
Bolsonaro está internado há 12 dias no hospital Albert Einstein, onde deu entrada para ser submetido à cirurgia de reconstrução do fluxo intestinal. Em razão do diagnóstico de uma pneumonia, ele ficará internado por, pelo menos, mais cinco a sete dias.

Nesta sexta-feira (12), o presidente publicou uma foto em sua conta no Twitter na qual aparece sorrindo e comendo gelatina. Segundo o presidente, hoje, 8, ele voltou a ingerir alimentos. "Nas últimas horas tive o prazer de voltar a comer. Ontem pela noite um caldo de carne e hoje uma boa gelatina", escreveu.

Ele ainda fez piada com a alimentação. "Estou feliz, apesar de não ser aquele pão com leite condensado", tuitou.

Bolsonaro foi esfaqueado no abdome no dia 6 de setembro, quando participava de ato de campanha na região central de Juiz de Fora. O então candidato foi levado para um hospital local, passou por cirurgia e depois foi transferido para São Paulo. O autor do atentado, Adélio Bispo de Oliveira, que já foi filiado ao Psol, foi preso e confessou o crime. Com informações, Terra.

Buraco das Araras

Deixe seu Comentário

Leia Também

Em Campo Grande
Árvore no meio do caminho impede passagem de pedestres e ciclistas
Em Campo Grande
Guarda Municipal é preso por fazer confusão e dar tiros para cima em estado de embriaguez
Homem é executado na frente da mulher em Dourados
Encontrado
Corpo do jogador Emiliano Sala será cremado na Argentina
Vaticano
Cardeal é expulso pelo Papa depois de acusações de abusos sexuais contra seminaristas
Sujeira na capital
Moradores realizam mutirão de limpeza em bairro da Capital
Interior
Jovem de 19 anos é morto a tiros em confronto com policiais militares
Mundo
Eleição na Nigéria é adiada horas antes do início da votação
Ataque Internacional
Ataque jihadista em Burkina Faso deixa pelo menos seis mortos
OPERAÇÃO DOLOS
Em operação policiais prendem quatro em flagrante delito por tráfico de drogas.