Menu
Busca Dom, 17 de fevereiro de 2019
(67) 9.9928-2002
POLITICA

Suplente de deputado preso no RJ também está na cadeia e não poderia assumir

Anderson Alexandre (SD), o titular, e Coronel Jairo (SD), o reserva estão atrás das grades. Segundo suplente virou prefeito de Niterói depois que Rodrigo Neves também foi detido e não anunciou se vai para a Alerj.

12 fevereiro 2019 - 10h50

Nesta terça-feira (12), a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) discute a aprovação de um projeto de lei que permitiria a posse imediata de suplentes no lugar dos deputados presos. Em um dos casos, no entanto, nem o suplente pode assumir. O reserva de Anderson Alexandre (SD), preso por suspeita de corrupção e fraude em licitações, é Coronel Jairo (SD), que também está atrás das grades.

Coronel Jairo era deputado estadual e foi preso no exercício do mandato na Operação Furna da Onça. Ele é suspeito de receber uma mesada de R$ 50 mil da organização criminosa liderada pelo ex-governador Sérgio Cabral (MDB), mas nega com "veemência" as acusações.

Anderson, o titular do mandato, é suspeito de receber propina de empresários em obras públicas. O G1 pediu um posicionamento da defesa, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

Os dois parlamentares são do Solidariedade. Em nota, o partido disse confiar na Justiça e respeitar o "devido processo legal e a ampla defesa".

 

O reserva do reserva

Com Anderson Alexandre e Coronel Jairo de fora, a vaga deveria ser ocupada pelo atual prefeito de Niterói, Paulo Bagueira, que concorreu nas eleições de outubro como deputado. Ele é o segundo suplente da coligação.

O vereador Bagueira era presidente da Câmara Municipal de Niterói e assumiu o Executivo após a prisão do prefeito Rodrigo Neves, já que Niterói não tinha um vice. Quando vereador, Bagueira foi citado em uma escuta investigada pelo Ministério Público do Rio (MPRJ).

Nas gravações telefônicas, ele é apontado como responsável por negociar compra de votos no Morro do Cavalão, em 2016. Segundo o MP, "inúmeras" conversas entre traficantes apontam para pagamentos em espécie de votos feitos por ele.

Em nota, Bagueira não adiantou se vai assumir a vaga na Alerj e negou qualquer irregularidade.

"Paulo Bagueira afirma que no momento está centrado no trabalho de administrar o município de Niterói e que qualquer decisão será tomada no momento oportuno, de acordo com o que prevê a legislação. Bagueira ressalta que nunca foi convidado ou convocado para prestar esclarecimentos sobre a denúncia e que não é alvo de inquérito".


Seis deputados a menos

Atualmente, a Alerj trabalha com apenas 64 dos 70 deputados. Seis estão presos e três pediram para serem empossados mesmo detidos.

As regras da Casa determinam que os eleitos podem tomar posse até 60 dias depois da solenidade. Para não ficar com seis deputados a menos por esses dois meses, a Alerj quer antecipar a convocação dos substitutos.

De acordo com o projeto discutido nesta terça (12), os presos seriam empossados, mas ficariam licenciados e sem receber salários.

O que dizem os citados
O advogado de Coronel Jairo, André França Barreto, afirma que o cliente declara a inocência com veemência e diz que a denúncia "se sustenta apenas na palavra de delatores confessadamente criminosos, atuantes há mais de 30 anos no nosso Estado".

Com um problema no coração, diz a defesa, Coronel Jairo está impedido de exercer a atividade parlamentar. Com informações, G1.

Praça Ary Coelho

Deixe seu Comentário

Leia Também

Em Campo Grande
Árvore no meio do caminho impede passagem de pedestres e ciclistas
Em Campo Grande
Guarda Municipal é preso por fazer confusão e dar tiros para cima em estado de embriaguez
Homem é executado na frente da mulher em Dourados
Encontrado
Corpo do jogador Emiliano Sala será cremado na Argentina
Vaticano
Cardeal é expulso pelo Papa depois de acusações de abusos sexuais contra seminaristas
Sujeira na capital
Moradores realizam mutirão de limpeza em bairro da Capital
Interior
Jovem de 19 anos é morto a tiros em confronto com policiais militares
Mundo
Eleição na Nigéria é adiada horas antes do início da votação
Ataque Internacional
Ataque jihadista em Burkina Faso deixa pelo menos seis mortos
OPERAÇÃO DOLOS
Em operação policiais prendem quatro em flagrante delito por tráfico de drogas.