Menu
Busca Sáb, 19 de setembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Artigo

A Pós-verdade e as 'Fake news'

12 abril 2018 - 17h37Por Redação Notícias VIP
Em 1948, o cientista político estadunidense Harold Lasswell comparava os veículos noticiosos a células nervosas que transmitiam rapidamente informações dentro do corpo humano, representado, neste caso, pelo social. Com a terceira Revolução Industrial e o advento da tecnologia, houve uma intensificação no processo de difusão da cultura de massa e da globalização, enraizando na sociedade conceitos como a instantaneidade. Ocorre, portanto, uma inversão nos valores até então vigentes e uma supervalorização de objetivos pessoais, sobretudo profícuos, vivenciando o que chamamos de "Pós-verdade".

Irrefutavelmente, com o maior alcance das redes sociais houve um crescimento exponencial na disseminação das contemporâneas 'Fake news', mas a propagação de boatos é bíblica.

No Brasil, por exemplo, foi fundamental para a proclamação da República em 1889 ou para o Golpe Civil Militar de 1964, com a suposta ameaça comunista, mas a deturpação da realidade atual se dá, porém, de forma distinta. Atrelando uma sociedade polarizada aos meios de comunicação, ocorre a difamação de personalidades ou assuntos em evidência, usando-se de fontes e canais duvidosos, com discrepância entre dados e acontecimentos nem sempre facilmente identificáveis.

A "imprensa marrom" traz em seu conteúdo, além de informações não checadas, manchetes chamativas, o que facilita sua circulação, impulsionada muitas vezes por propostas específicas de alguns órgãos, que variam desde alastrar vírus a atravancar campanhas eleitorais, como tentou evitar a possível candidata à presidência Marina Silva [VIDEO], ou como já ocorreu com o presidente norteamericano Donald Trump em 2016.

A proporção tomada pela questão invade ainda o facebook [VIDEO], que com mais de dois bilhões de usuários ativos trouxe em suas resoluções para 2018 a responsabilidade de controlar o partilhamento de notícias mentirosas, adotando medidas polêmicas como um novo algoritmo, que infere diretamente na distribuição das postagens, priorizando perfis pessoais a páginas empresariais e aprimorando a interação entre amigos mais próximos.

Assim, as mídias sociais acabam assumindo um papel cada vez mais estrutural e influente na vida pública e a credibilidade do jornalismo é questionada constantemente, o que afasta as 'Fake news' de simples mentiras. Nesse contexto, ademais do compromisso das linhas editoriais em assegurarem-se cada vez mais do que é publicado, torna-se responsabilidade do leitor consultar sempre fontes seguras e não acreditar nem repassar tudo o que lhe é divulgado, uma vez que se não há consumo, não há produção. 
RACISMO NÃO!

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Brasil acumula 4,4 milhões de casos e 135 mil mortes por covid-19
Meio Ambiente
Nuvem de fumaça provocada por queimadas no Pantanal chega ao céu de São Paulo
Brasil
Fumaça do Pantanal faz avião de Bolsonaro arremeter em MT
Três Lagoas
Fogo destrói vegetação, floresta de eucalipto e interdita rodovia em MS
Brasil
Tite convoca a Seleção Brasileira para a estreia nas Eliminatórias
Geral
Do outro lado do balcão De ex-juiz Federal a ex-ministro da Justiça, agora Sergio Moro é o mais "jovem" advogado do Brasil.
Saúde
Uma de 7 infecções de Covid-19 relatadas ocorre em profissionais de saúde, diz OMS
Brasíl
Marco Aurélio suspende inquérito que apura suposta interferência na PF
Brasíl
829 mortos por Covid 19 e 36.330 novos casos de contaminados
STF
COVID NOS PRESÍDIOS Fux renova Recomendação 62 por 6 meses e restringe alcance