Menu
Busca Qua, 24 de abril de 2019
(67) 9.9928-2002
MUNDO DIGITAL

Alemanha restringe coleta de dados de usuários do Facebook no país

08 fevereiro 2019 - 16h21

A autoridade alemã para a promoção da concorrência (Bundeskartellamt) anunciou uma decisão que deverá ter impacto na forma como o Facebook (FB) coleta dados de usuários no país. Informações obtidas em outros aplicativos do grupo (como Instagram e Whatsapp), bem como de parceiros (como aplicações nas quais o usuário entra com sua conta no FB), só poderão ser coletadas e centralizadas pelo Facebook se houver consentimento do usuário.

Essa coleta em outras aplicações que não apenas o Facebook é uma precondição para o uso do próprio FB, prevista nas normas internas da plataforma, os chamados “termos e condições”. Assim, para instalar o aplicativo no celular ou para ter uma conta, o usuário acaba dando consentimento no “atacado” para que a empresa possa acessar todos esses registros.

Foi isso o que a autoridade alemã questionou. A decisão determina que, em cada um desses outros aplicativos, haja novos pedidos de autorização ao usuário. Ou seja, ao usar o Instagram, deverá aparecer uma solicitação de consentimento para que os dados coletados daquela pessoa no aplicativo possam ser usados para as atividades no Facebook.

Os registros obtidos por outros aplicativos, como o WhatsApp, terão de ficar restritos ao processamento no âmbito do próprio programa, sem repasse ao Facebook. Isso valerá também para aplicações de terceiros com os quais a empresa tenha acordos comerciais ou parcerias.

“A combinação de fontes de dados contribuiu substantivamente para o fato de o Facebook ter conseguido construir uma base de dados única para cada usuário e, assim, ter ganhado poder de mercado. No futuro, consumidores podem evitar que o Facebook colete e use seus dados de forma irrestrita”, afirmou o presidente da autoridade, Andreas Mundt.

 

Nota do Facebook

O Facebook divulgou nota em que discorda da decisão e informa que irá recorrer “para que as pessoas da Alemanha continuem a beneficiar-se plenamente de todos os seus serviços”. Na avaliação da empresa, a autoridade alemã aplica de forma errada a legislação nacional sobre concorrência e define regras diferentes voltadas para uma empresa.

“O Bundeskartellamt subestima a concorrência acirrada que enfrentamos na Alemanha, interpreta incorretamente nossa conformidade com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) e subestima os mecanismos que a legislação europeia fornece para garantir padrões consistentes de proteção de dados em toda a União Europeia”, acrescenta o comunicado da companhia.

 

fonte:agênciabrasil

Reforma da Previdencia

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
'Bioinvasão' com aproximadamente 200 mil javalis causa prejuízos e reação de caçadores em SC
POLICIA
Homem é preso após fazer compras usando nome de major do Exército assassinado a facada em MS
Estudantes brasileiros presos com álcool e drogas em festa serão expulsos do PY
ECONOMIA
Etanol deve alcançar recorde de produção com 33,14 bilhões de litros
GOLPISTAS
Dourados: Jovem cai em golpe pela internet e perde mais de R$ 4 mil em assalto, por uma agiota
POLÍTICA
CAOS BOLSONARISTA FAZ DESEMPREGO CRESCER EM MARÇO
POLÍTICA
Maia cobra participação de Bolsonaro em esforço pela reforma da Previdência
SORTUDO!
Homem se torna mais rico do Brasil após erro da Caixa
JUSTIÇA
Advogado pede que CNJ instale ponto eletrônico para juízes em fóruns
SAÚDE
Hematoma que surge espontaneamente pode ser sinal de doenças