Menu
Busca Seg, 14 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
Capital

Americana vivia em bairro nobre de MS em meio a 'caminhão de sujeira' e mau cheiro: 'Condição sub-humana'

Cerca de 50 pessoas, entre agentes de saúde e policiais, entraram na casa nesta terça-feira (8) com mandado judicial. A idosa de 67 anos foi presa por poluição ambiental.

08 outubro 2019 - 12h30Por G1 MS

Uma americana de 67 anos foi presa na manhã desta terça-feira (8), em Campo Grande, suspeita de poluição ambiental, e ainda foi autuada pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) por manter condições sanitárias que "causam transtorno para a coletividade".

"As condições de mal-estar dos animais e as condições de higiene inadequadas causam transtorno para a coletividade. Então ela realmente vive em condição sub-humana. A condição higiênica-sanitária do imóvel é precarissíma, em péssimo estado, que exala mau cheiro", descreve Silvia Barbosa do Carmo, coordenadora de Vigilância Sanitária de Sesau.

A idosa mora de aluguel sozinha na residência, localizada em um bairro de classe média alta da capital sul-mato-grossense. Vizinhos denunciaram a situação do local e há algum tempo agentes de saúde tentam vistoriar o imóvel, porém, a moradora não autoriza a entrada.

A Delegacia Especializada de Proteção Ambiental e Atendimento ao Turista (Decat) foi acionada e conseguiu mandado judicial para entrar na casa. Cerca de 50 pessoas, entre funcionários da prefeitura e policiais participaram da ação que flagrou "um ambiente infestado de focos do mosquito Aedes aegypti, com muita sujeira muito grande e propício para a propagação de moscas, carrapatos", relatou o delegado de Polícia Civil, Maércio Barbosa.

versos recipientes abertos com água parada, alimentos para cachorros em pratos pelo chão, armários, pias e geladeira enferrujadas, com alimentos em meio a peças de roupas e sacolas plásticas; fogão e panelas sujos e também enferrujados, lixeira em meio a comida com vasilhas sujas, troncos de plantas, caixotes, entre outros resíduos que lotaram um caminhão caçamba ao serem retirados do local. O mau cheiro era forte e foi preciso utilizar máscaras.

"Tudo isso é vetor para a produção de doenças que causam problemas a toda a comunidade", resumiu o delegado. "Fizemos a limpeza para que o problema seja solucionado, mesmo que temporariamente".

A coordenadora de Vigilância Sanitária explica que a idosa "não é acumuladora". "Ela tem transtorno. No passado acumulava cães, mas não é a realidade hoje. Porém, falta de higiene, focos de dengue é notório". "Ela está sendo acompanhada por assistente social, no Caps", afirma Silvia.

A idosa mora de aluguel sozinha na residência, localizada em um bairro de classe média alta da capital sul-mato-grossense. Vizinhos denunciaram a situação do local e há algum tempo agentes de saúde tentam vistoriar o imóvel, porém, a moradora não autoriza a entrada.

A Delegacia Especializada de Proteção Ambiental e Atendimento ao Turista (Decat) foi acionada e conseguiu mandado judicial para entrar na casa. Cerca de 50 pessoas, entre funcionários da prefeitura e policiais participaram da ação que flagrou "um ambiente infestado de focos do mosquito Aedes aegypti, com muita sujeira muito grande e propício para a propagação de moscas, carrapatos", relatou o delegado de Polícia Civil, Maércio Barbosa.

 
Geladeira da idosa enferrujada e suja; recipientes cheios de água — Foto: Osvaldo Nóbrega/TV Morena

Geladeira da idosa enferrujada e suja; recipientes cheios de água — Foto: Osvaldo Nóbrega/TV Morena

Pela casa havia diversos recipientes abertos com água parada, alimentos para cachorros em pratos pelo chão, armários, pias e geladeira enferrujadas, com alimentos em meio a peças de roupas e sacolas plásticas; fogão e panelas sujos e também enferrujados, lixeira em meio a comida com vasilhas sujas, troncos de plantas, caixotes, entre outros resíduos que lotaram um caminhão caçamba ao serem retirados do local. O mau cheiro era forte e foi preciso utilizar máscaras.

"Tudo isso é vetor para a produção de doenças que causam problemas a toda a comunidade", resumiu o delegado. "Fizemos a limpeza para que o problema seja solucionado, mesmo que temporariamente".

 

A coordenadora de Vigilância Sanitária explica que a idosa "não é acumuladora". "Ela tem transtorno. No passado acumulava cães, mas não é a realidade hoje. Porém, falta de higiene, focos de dengue é notório". "Ela está sendo acompanhada por assistente social, no Caps", afirma Silvia. Com informações, G1.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Ciro Gomes sobre Luciano Huck: “Chega de mandar estagiário para a Presidência”
Capital
Homem é morto na frente de casa com seis tiros em bairro de Campo Grande
Internacional
Tufão Hagibis causa dezenas de mortes no Japão
Jogo de ontem
Zagueiro Marquinhos reconhece atuação ruim da seleção em Cingapura
Interior
Ao sair de festa, jovem é abordado por 10 rapazes e esfaqueado em Aquidauana
Polêmica nas redes sociais
Eduardo Bolsonaro ironiza sigla LGBT em camiseta
Caixa das laranjas
Notas fiscais reforçam a suspeita de caixa 2 na campanha do PSL de 2018
Campo Grande - sem efetividade
Trad não consegue evitar aumento de acidentes
Justiça
Justiça determina que governo contenha avanço de óleo em Sergipe
Interior
Três moradores em Guia Lopes são mortos e um é ferido na boca em possível tentativa de latrocínio em Corumbá