Menu
Busca Qui, 05 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002
Vacina

Anvisa diz que é viável adequar fábricas de vacinas veterinárias para produção contra covid-19

Brasil conta com 22 plantas de produção de vacinas para animais, disse Antonio Torres

08 abril 2021 - 19h44Por Valor Econômico / Por Rafael Bitencourt, Valor — Brasília

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, considera “factível” e “exequível” adequar fábricas de vacinas de uso veterinário para produzir imunizantes contra a covid-19. Segundo ele, o Brasil conta com 22 plantas de produção de vacinas para uso em animais.


Durante a audiência pública da Comissão Temporária da Covid-19 do Senado, Torres disse que, apesar da viabilidade da estratégia em estudo, seria necessário fazer investimentos para elevar o nível de segurança biológica. “Não é algo a ser descartado, pelo contrário”, comentou.

Leia mais: Tribunal derruba aval para compra de vacina por entidades privadas
O presidente da Anvisa informou que tratou do assunto com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. Ele ressaltou que nem todas as fábricas teriam a capacidade de “dominar todos os ciclos” de produção de vacinas contra covid-19 e, por isso, precisariam operar de forma coordenada.

Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa — Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado
Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa — Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Além da adequação de fábricas de vacinas de uso veterinário, Torres também considerou a possibilidade de quebra de patente de imunizantes, o que já foi feito no passado em relação ao medicamento contra a aids. Ele disse que, pessoalmente, do seu ponto de vista como médico, é favorável.

Leia também: Em Manaus, imunização tem 50% de efetividade
O presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), Delair Ângelo Bolis, garantiu que a indústria brasileira envolvida na fabricação de produtos farmacêuticos para animais é capaz de adaptar suas estruturas para iniciar a produção de insumos farmacêuticos ativos (IFAs) de vacinas contra a covid-19 no prazo máximo de 90 dias.

“Tudo vai depender dessa conversa, que já está acontecendo [com laboratórios da Fiocruz e Butantan], sobre qual tecnologia e qual processo será utilizado. Basicamente, pode ser fermentação, suspensão ou pode ser cultivo celular, se é produção em ovo ou não. Com base nisso, definem-se quais insumos serão necessários, e o instrumento de adaptação dessas plantas”, afirmou Bolis.

Veja essa: Hospitais veem cenário de ‘escassez grave’ de insumos
Na audiência, foi mencionado que o setor iniciará, em maio, campanha de combate à febre aftosa contando com o estoque de 200 milhões de doses já produzidas. “É importante destacar que, no Brasil, no que diz respeito à saúde animal, somos 100% independentes com relação à produção de IFA. O parque fabril montado pelas indústrias farmacêuticas aqui instaladas produz o IFA 100% nacional. Nós não importamos IFA”, destacou Bolis.


O representante do setor frisou ainda que o sistema de logística detido pelo segmento é capaz de entregar os insumos em todo território nacional no prazo de até dez dias.

Leia mais: Efeito raro não deveria parar vacina da AstraZeneca, diz cientista
“As vacinas de saúde animal hoje no Brasil são transportadas e regulamentadas, algumas delas, inclusive, controladas pelo Ministério da Agricultura. Elas são transportadas refrigeradas ou em nitrogênio líquido”, afirmou o presidente do Sindan.

Pandemia longe do fim
Torres alertou os parlamentares para o risco de piora do atual quadro da pandemia no Brasil, dois dias depois de o país ter rompido a marca de 4.000 mortes de covid-19 registradas em um dia. A média móvel de mortes diárias dos últimos sete dias está em 2.744.

Leia também: Vacina e apoio fiscal criam mundo a duas velocidades
“O entendimento que temos aqui na agência, e não é um entendimento dos mais felizes, é que essa situação que atravessamos está longe do seu fim. Não há entre nós a convicção de que a fase pior tenha passado. Nós temos tido uma série de sinalizações de possibilidades ainda mais desafiadoras no porvir no curto e no médio prazo”, afirmou.


A declaração do presidente da Anvisa foi dada ao defender que nenhuma estratégia pode ser descartada para reforçar a mobilização de enfrentamento da pandemia.

Veja mais: Com vacinação acelerada, EUA podem ser o 2º maior exportador de vacinas
“Temos que olhar para um futuro até mesmo mais distante. Já tomamos providências há algum tempo em relação a isso aqui na Anvisa, inclusive com a criação de um grupo de análise estratégica desse quadro, com visão prospectiva, focando nos próximos anos inclusive”, disse.

violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana