Menu
Busca Qua, 13 de novembro de 2019
(67) 9.9928-2002
TV ESTATAL

Chega a 257 o número de mortos em queda de avião na Argélia

11 abril 2018 - 08h14Por Redação Notícias VIP
Chegam a 257 os mortos em queda de um avião militar na Argélia, nesta quarta-feira (11). A informação acaba de ser divulgada pela TV Estatal do país, conforme a Reuters. Mais cedo, o Ministério da Defesa do país admitiu que pelo menos 100 militares morreram no colapso do Ilyushin76 da Força Aérea. A aeronave caiu pouco depois da decolagem em Boufarik, na cidade de Blida, a 30 km ao Norte da capital Argel. De acordo com a agência Asharq Al-Awsat, havia 200 pessoas a bordo. 

A aeronave de fabricação soviética seguia para uma outra base aérea militar em Bechar, no Sudoeste da Argélia. No caminho, faria uma parada em Tinduf, cidade do Sul do país que abriga milhares de refugiados do Saara Ocidental. 

Cerca de 14 ambulâncias foram enviadas ao local, além de dez viaturas do Corpo de Bombeiros. Dezenas de corpos já foram retirados das ferragens. 

"Há mais de 100 mortos. Mas não temos certeza, neste momento", explicou Mohammed Achour, porta-voz da agência de proteção civil argelina, citado pela agência Associated Press (AP). A tripulação e os passageiros eram todos militares. A queda do avião ocorreu por volta das 8h locais (4h da madrugada em Brasília).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Capital tem muitas pessoas em situações gravíssimas de miséria
Corrupção no lixo na capital
Esse lixo "fede" demais ...
Campo Grande
Saúde pública pede socorro em Campo Grande
CPI da ENERGISA
Depois que Loester chamou-o de "bunda-mole" e a população se revoltou com os estaduais eles mudam de opinião.
ENERGISA
ENERGISA ligada na sua energia, toma seu dinheiro, sua dignidade e até a vida.
Campo Grande
Uma mãe cuida de dez filhos, nem sempre dez filhos cuidam da mãe.
Campo Grande
Quem conhecer ou souber informar, favor avisar.
Bolívia
Bolívia vive convulsão social
CNJ
A justiça usada para prejudicar a parte que aguarda por uma solução judicial.
Brasil
Brasil precisa de Presidente que faca gestão pública