Menu
Busca Qua, 16 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
Pensando no próximo

Dono de ferro velho recupera cadeiras de rodas enferrujadas e doa para deficientes carentes

A única preocupação de Tide é proporcionar um mínimo de mobilidade a quem enfrenta tantos obstáculos na luta diária para exercer o legítimo direito de ir e vir.

17 setembro 2019 - 17h30

Apesar de ser um equipamento relativamente simples e absolutamente essencial para a autonomia e mobilidade de pessoas com deficiência, as cadeiras de rodas não são baratas. Uma família com dificuldades financeiras que necessita do equipamento precisa batalhar muito para consegui-lo.

No município de Conselheiro Lafaiete, no interior de Minas Gerais, pessoas com deficiência e usuários temporários da cadeira contam com o apoio de um grande aliado nesta batalha.

Verotides Jorge Teixeira, o ‘Tide’, dono de um ferro velho da cidade, auxilia essas pessoas comprando cadeiras de rodas usadas, que ele reforma e doa para usuários que não têm condições de adquiri-las com recursos próprios.

Tide também auxilia essas pessoas de outras formas. “Compro sucata e latinhas dentro de Lafaiete e também nas localidades rurais. Hoje em dia está até mais fácil pra trabalhar, pois ganho muito material. Agora mesmo estou com um estoque de tinta, graças ao pedido que minha irmã fez na internet. Trabalho a semana inteira no meu ferro velho e faço este serviço aos fins de semana; quando pinto uma cadeira, leva três, quatro dias pra secar. Os vídeos que a gente divulga na internet é pra chamar a atenção, por exemplo, de alguma empresa que se interesse em colaborar”, conta.

dono de ferro conserta e doa cadeiras de rodas em MG

Tide faz o trabalho solidário ao lado da filha e da irmã, Janaína. Eles começaram tal iniciativa muito antes de ganharem qualquer visibilidade nas redes sociais: “Antes de começar a fazer esses vídeos, eu comprava cadeiras que não serviam mais nas sucatas, por 20, 50 reais, e recuperava. Hoje em dia a gente ganha; agora mesmo fui buscar duas cadeiras sem condições de uso. Elas chegam em estado precário e toda a reforma corre por minha conta. Desmonto ela toda, troco os rolamentos, passo graxa e mando fazer os forros em um tapeceiro nosso conhecido”.

 

Simplesmente fazer o bem

O proprietário do ferro velho afirma faz o trabalho solidário por amor, sem qualquer outra pretensão. Sua única preocupação é proporcionar um mínimo de mobilidade a quem enfrenta tantos obstáculos na luta diária para exercer o legítimo direito de ir e vir.

“Levo uma vida comum, igual à de qualquer pessoa lutadora. Sempre que doo uma cadeira, a recompensa que ganho é a alegria estampada no rosto de quem a recebe; não existe coisa mais gostosa e bonita de se ver. Só queria que as pessoas se dispusessem a doar mais, pois existe muita gente precisando. O pouquinho que posso, estou fazendo; imagina se outras pessoas também fizessem o seu pouquinho, a diferença que isso faria! O mundo ficaria muito melhor”, ponderou.

dono de ferro conserta e doa cadeiras de rodas em MG

 

Doações de cadeiras de rodas

Aqueles que possuem uma cadeira de rodas inutilizada em casa pode doá-la para Tide. Você pode contatá-lo através do telefone (31) 98950-2062. Em seu trabalho solidário, Verotides também recebe peças, engrenagens e estofados que ele próprio retifica para a reforma das cadeiras de rodas.

Fonte: Fato Real/Fotos: Reprodução e Razões Para Acreditar.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Vacina contra o câncer de mama e de ovário deve ficar pronta em oito anos
Nordeste e suas praias
Barreiras instaladas para conter óleo são levadas pelo mar em SE
Ceará
Fortalezenses dão lição de solidariedade em resgate de vítimas de prédio que desabou
Internacional
Hong Kong: protestos obrigam presidente a discursar a portas fechadas
Campo Grande
Marcos Trad deixa escola rodeada de lixo
Coreia do Norte
Kim Jong-un passeia a cavalo em local sagrado e gera boatos sobre mudanças políticas
Politicagem
"Não tem lado A ou lado B", diz Bolsonaro sobre situação do PSL
Brasil e mundo
Vídeo mostra assaltante beijando idosa durante roubo no Piauí: ‘não quero seu dinheiro’
Após vacilo, turma se consolida como implacável e mantém chefes de milícia atrás das grades
STF
Lula, Zé Dirceu, Eduardo Cunha soltos… O que está em jogo no julgamento do STF