Menu
Busca Sáb, 06 de junho de 2020
(67) 9.9928-2002
STF

A Constituição tem Cáusula Pétrea

Desrespeitar cláusula pétrea é rasgar a CF

08 novembro 2019 - 11h11Por Plantão de Notícias

Nesta quinta-feira, 7, o plenário do STF finalizou o polêmico julgamento da possibilidade de prisão após condenação em 2ª instância. Por 6 a 5, os ministros decidiram que não é possível a execução da pena depois de decisão condenatória confirmada em 2ª instância.

t

As ADCs 4344 e 54 foram ajuizadas pelo PEN - Partido Ecológico Nacional (atual Patriota), o Conselho Federal da OAB e o PCdoB - Partido Comunista do Brasil com o objetivo de examinar a constitucionalidade do artigo 283 do CPP, que prevê, entre as condições para a prisão, o trânsito em julgado da sentença condenatória.

No entanto, não é de hoje que o Supremo se debruça sobre em que momento o condenado à prisão deve iniciar o cumprimento de sua pena.

Após a Constituição de 88 estabelecer que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória", o Supremo, em 2009, assentou que era inconstitucional a execução antecipada da pena. À época, por 7 a 4, o plenário concedeu o HC 84.078 para permitir a um condenado pelo TJ/MG que recorresse em liberdade.

Em fevereiro de 2016, por sua vez, também em HC (126.292), e com o mesmo placar (7x4), mas com composição diversa, o plenário alterou a jurisprudência afirmando ser possível a prisão após 2ª instância. Na ocasião, a guinada jurisprudencial foi capitaneada pelo ministro Teori Zavascki. O entendimento foi firmado em um remédio heroico, quer dizer, só dizia respeito ao caso concreto. A mudança gerou insegurança jurídica: os próprios ministros da Corte passaram a decidir, monocraticamente, de formas distintas.

Em outubro de 2016, o novo posicionamento foi mantido, mas em julgamento de liminares das ADCs que agora foram finalmente julgadas.

Confira como ficou o placar:

t

Relator

No dia 23 de outubro, o ministro Marco Aurélio votou contra a prisão em 2ª instância.

"É impossível devolver a liberdade perdida ao cidadão".

O ministro manteve seu conhecido posicionamento contrário à possibilidade de execução antecipada da pena. Para ele, a CF é clara quanto ao princípio da presunção de inocência e não abre campo para controvérsias semânticas. 

Fonte: Migalhas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Polícia
Jamil Name estará de volta para o presídio de Campo Grande, MS.
Marquinhos Trad
Prefeito de Campo Grande realiza ato de incineração de 200 pipas e 280 carretéis de linha.
Campo Grande
Festas foram canceladas, aglomeração desfeita pela GCM
Acidente
Acidente com duas mortes ocorreu na noite desta sexta-feira na BR 376, em Vicentina.
Saúde Pública
Total de mortes por Covid-19 no Brasil ultrapassa 35 mil e casos vão a 645.771
Bolsonaro × Rede Globo
"Acabou matéria do Jornal Nacional", diz Bolsonaro sobre atraso em divulgação de casos de Covid-19
Saúde
Brasil pode ter prioridade no uso da vacina de Oxford contra covid-19
Campo Grande
Passageiros reclamam de espera por 4 horas em terminal do transporte coletivo
Fronteira
Carro roubado e drogas são apreendidos pela PM em Ponta Porã
Polícia
Dourados: PRF dá flagrante em irmãs traficantes.