Menu
Busca Sex, 17 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasíl e Mundo

EUA avaliam possíveis ações retaliatórias contra a China por conta de pandemia, dizem fontes

30 abril 2020 - 21h01Por Reuters

 O presidente Donald Trump demonstrou frustração crescente com a China nas últimas semanas por conta da pandemia, que custa dezenas de milhares de vidas nos EUA, provocou uma recessão econômica e ameaçou as chances de reeleição de Trump.

Uma autoridade norte-americana, falando em condição de anonimato, confirmou que uma gama de opções estava sendo discutida, mas que a iniciativa ainda não chegou ao nível da principal equipe de segurança nacional ou levada ao presidente. 

Opções estão sendo discutidas, ainda informalmente, por autoridades em agências governamentais, incluindo o Departamento de Estado, o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, o Departamento do Tesouro e o Pentágono, disseram duas fontes. 

“Há uma discussão sobre o quão duro vamos bater na China e como calibrar isso apropriadamente”, disse uma fonte enquanto Washington age com cuidado em relação aos laços com o governo de Pequim, já que importa equipamentos de proteção individual do país asiático e ainda teme afetar um frágil acordo comercial. 

 

O jornal The Washington Post, citando duas pessoas com conhecimento de discussões, publicou que algumas autoridades do governo discutiram a ideia de cancelar dívidas detidas pela China como forma de atingir Pequim pelo que é visto como falta de sinceridade das autoridades chinesas em relação à pandemia. 

O principal conselheiro econômico de Trump negou as informações. “A fé completa e o crédito das obrigações de dívidas dos EUA são sagrados. Ponto final”, disse Larry Kudlow. “A matéria está completamente errada”. 

Trump disse à Reuters na quarta-feira que estava avaliando opções em termos de consequências para Pequim por conta do vírus. “Eu posso fazer muito”, disse. 

Entre as ideias consideradas estão sanções, uma nova rodada de tarifas e outras restrições comerciais, além de possivelmente suspender a imunidade soberana da China, disseram duas fontes. 

A pressão mais forte por medidas vem do Conselho de Segurança Nacional, incluindo do vice-conselheiro de segurança nacional Matthew Pottinger, enquanto autoridades do Tesouro aconselham cautela, disseram as fontes. 

 

((Tradução Redação São Paulo; + 55 11 5644-7712))

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rio de Janeiro
Apoiadores de Bolsonaro fazem ato em Copacabana, no Rio de Janeiro
São Paulo
Manifestantes fazem ato na Av. Paulista a favor de Bolsonaro
Brasília
PM informa que restabeleceu bloqueio na Esplanada dos Ministérios
Tribunal de Justiça
Fux manda retirar bandeira do Brasil Império hasteada na sede do TJ de Mato Grosso do Sul
Brasília
Esplanada terá esquema especial de segurança para protestos deste feriado
Brasíl
7/9: Moraes bloqueia contas de acusados de organizar atos antidemocráticos
MS já vacinou 50% dos jovens de 12 a 17 anos contra covid com a 1° dose – Feriado
MS
Secretaria de Estado de Saúde confirma três casos da variante Delta em Mato Grosso do Sul
STF
Urgente: Moraes determina prisão de ex-PM que o ameaçou de morte
Meio Ambiente
Ganhou prazo para resolver o problema, sob pena de multa e improbidade do prefeito