Menu
Busca Sáb, 24 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
REDE SOCIAIS

Facebook é acusado de recolher dado até de quem não está na rede social

O acesso as informações seria através de outros aplicativos, como os de saúde

24 fevereiro 2019 - 12h30

O Facebook estaria tendo acesso a informações pessoais, sensível e íntima, como a relativa à saúde, que são provenientes de outros aplicativos. A recolha de dados acontece mesmo que o usuário não tenha conta na rede social, noticiou nesta sexta-feira (22) o Wall Street Journal (WSJ).

A empresa admitiu que recolhe dados através de aplicativos (app) externos, mas bloqueia que sejam passadas informações sensíveis relativas aos usuários.

De acordo com a publicação, que afirma ter realizado diversos testes, alguns aplicativos nos smartphones usam um instrumento de análise da atividade do usuário, designado App Events, desenvolvido pelo Facebook, que capta a informação e a envia para esta empresa.

E isto acontece mesmo sem o usuário do app estar ligado ao Facebook ou até sem ter conta na rede social, e sem que isto seja assinalado explicitamente ao usuário, afirmou o jornal, que identificou a prática em uma dezena de aplicativos "populares".

Entre os dados coletados estão informações muito pessoais, detalhou o título, que deu o exemplo de um aplicativo que serve para vigiar os períodos de ovulação e nas quais a usuária indica as datas dos seus ciclos menstruais.

Segundo os testes do WSJ, esta informação, mas também o peso ou os hábitos de consumo, são enviados para o Facebook, sem conhecimento de quem usa o app. 

Base do modelo econômico do Facebook ou do Google, esta informação pessoal é aspirada e tratada por estas empresas através de pequenos programas informáticos de análise. O seu objetivo é dirigir a publicidade.

"Compartilhar as informações através dos aplicativos no seu iPhone ou no seu aparelho Android [o sistema móvel do Google] corresponde à maneira como funciona a publicidade móvel e é uma prática habitual neste setor", reagiu uma porta-voz do Facebook, questionada pela AFP.

"A questão é como os 'app' utilizam estas informações para a publicidade em linha. No Facebook, exigimos aos que desenvolvem estes 'app' que sejam transparentes com os seus usuários a propósito das informações que partilham conosco e os proibimos de nos enviarem informação sensível", prosseguiu, garantindo: "Também tomamos medidas para identificar e apagar dados que não nos devem ser enviados", acrescentou ainda a fonte da rede social.

O Facebook, que tem 2,3 bilhões de usuários ativos, tem sido criticado há mais de um ano pela sua gestão, considerada opaca e até enganosa, da informação pessoal dos inscritos na rede social. Com informações da Lusa. Com informações, Notícias ao Minuto.

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana
Saúde
Covid-19: Brasil soma 541,2 mil mortes e vai a 19,3 milhões de casos
Violência
Em vídeo exclusivo, DJ Ivis pede perdão a Pamella e a todas mulheres
Tempo
Ela vem: frente fria vai derrubar temperaturas para menos de 3ºC e causar geada em MS, diz previsão