Menu
Busca Sex, 18 de setembro de 2020
(67) 9.9928-2002
MUDANÇA DE RUMO

França diz que está disposta a discutir um novo tratado com Irã

Por Carol Assis
O americano Donald Trump parece ter dobrado o presidente francês: nesta terça-feira (24), em meio à troca de abraços, elogios e calorosos tapinhas nas costas do republicano, o mandatário da França, Emmanuel Macron, declarou que está disposto a discutir um novo acordo nuclear com o Irã.

Nós queremos trabalhar a partir de agora em um novo acordo para o Irã, disse Macron, durante uma entrevista na Casa Branca.

É uma mudança completa de rumo, depois de o francês afirmar que "não havia plano B para o Irã e que a melhor opção era a atual.

"As pessoas podem facilmente mudar de opinião", disse Macron. "Nós discordamos em relação ao atual acordo, mas estamos superando essa diferença ao decidir trabalhar juntos rumo a um novo pacto."

Para ele, as novas negociações devem contemplar soluções para a estabilidade política do Oriente Médio, incluindo a situação da Síria, que vive uma guerra civil há sete anos e que deve precisar de esforços de reconstrução em breve.

O francês, porém, defende que o atual acordo continue de pé, e que um novo tratado contemple o período após 2025, quando a maior parte das atuais disposições expira.

Não é que vamos rasgar e começar do zero, mas vamos construir algo novo que contemple todas as nossas preocupações", afirmou Macron.

HISTÓRICO

O atual acordo, que impõe travas ao programa nuclear do Irã em troca de alívio nas sanções internacionais, foi costurado em 2015, pelo então presidente americano Barack Obama e pelos líderes do Irã, França, Reino Unido, Alemanha, China e Rússia.

Macron defende a importância do atual acordo e alertou nesta semana que, se os EUA ou outros países deixarem o pacto, pode haver repercussões na estabilidade política da região.

Mas o francês disse nesta terça que o país "não é ingênuo" em relação ao tema e que não quer cometer os mesmos erros do passado -pedindo que as negociações incluam o fim dos testes nucleares pelo Irã.

Trump, um dos principais críticos do acordo, abraçou Macron ao final do pronunciamento do francês e disse:Eu gosto muito dele.

Nós temos muito em comum. Nós podemos mudar, ser flexíveis. Na vida, é preciso ser flexível, declarou o republicano. "A França é um grande país, e será elevada a novas alturas com esse presidente."

O americano insistiu que outros países do Oriente Médio contribuam para uma eventual reconstrução da Síria, e voltou a criticar duramente a atual negociação com o Irã. Os EUA ameaçam deixar o acordo caso nada seja alterado.

Ele ainda afirmou que, se o Irã continuar a ameaçar os EUA, "vai pagar um preço que poucos países jamais pagaram.

Trump e Macron deixaram o salão abraçados, apoiando as mãos nas costas um do outro.

O francês faz a primeira visita de Estado de um líder estrangeiro nos EUA desde a eleição de Trump, em novembro de 2016. Ele ficará no país por três dias. Com informações da Folhapress.
news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Do outro lado do balcão De ex-juiz Federal a ex-ministro da Justiça, agora Sergio Moro é o mais "jovem" advogado do Brasil.
Saúde
Uma de 7 infecções de Covid-19 relatadas ocorre em profissionais de saúde, diz OMS
Brasíl
Marco Aurélio suspende inquérito que apura suposta interferência na PF
Brasíl
829 mortos por Covid 19 e 36.330 novos casos de contaminados
STF
COVID NOS PRESÍDIOS Fux renova Recomendação 62 por 6 meses e restringe alcance
Brasil
Os seis fatores que tornam incêndios no Pantanal difíceis de serem controlados
Religião e Judiciário na Política
Empresário preso afirma ter feito pagamentos a Witzel quando governador afastado ainda era juiz federal
Brasil
Flordelis, pastora e deputada federal pelo PSD soltou até bomba, diz testemunha.
Pastor Anderson vítima da "família do mal"
Brasil
Governo vai manter o Bolsa Família, diz Bolsonaro
Saúde
MS ultrapassa 60 mil casos confirmados e tem 1.106 mortes pelo novo coronavírus