Menu
Busca Seg, 01 de março de 2021
(67) 9.9928-2002

Governador do Rio pede escolta armada para deputada e promete prisões

13 janeiro 2019 - 21h10

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, foi até a Delegacia de Homicídios para conversar com a deputada estadual e ex-chefe da Polícia Civil do Rio Martha Rocha, que teve o carro atingido por tiros na manhã deste domingo (13). Witzel disse que pediu à Secretaria de Polícia Civil o início imediato de escolta armada para a parlamentar e prometeu que haverá prisões. 

"Quero deixar bem claro que não teremos leniências na investigação contra quem quer que seja do crime organizado, os participantes do narcoterrorismo e os milicianos, que não deixam de ser parte desse tipo de organização terrorista que vem atingindo nosso estado", afirmou.

Apesar de não cravar a causa do ataque, Witzel afirmou que a Penha, onde ocorreu o crime, é um bairro com recorrentes tentativas de latrocínio e que existe uma possível identificação de envolvidos.

"A polícia vai solicitar um mandado de prisão dessas pessoas que vêm praticando crimes desse tipo naquela região."

A Penha é onde ocorre o baile funk mais famoso do Rio. Segundo a polícia, a área tem um histórico de assaltos no domingo pela manhã, na saída do baile, com ladrões encapuzados e de fuzil em mãos, como foi o caso de hoje.

Mais cedo, o secretário de Polícia Civil do Rio, Marcus Vinicius Braga, disse que nenhuma hipótese será descartada, mas que tentativa de assalto e tentativa de homicídio são as principais linhas de investigação.

 

Deputada relata ameaças da milícia 

Em entrevista coletiva no domingo à tarde, Martha Rocha disse que foi alvo de uma ameaça de morte em novembro. "Eu recebi uma notícia do disque-denúncia, precisamente três denúncias, de uma ameaça dirigida a mim, uma informação de que um segmento da milícia planejava atingir algumas autoridades. E o meu nome vinha especificado nesse disque-denúncia", afirmou. 

Ela disse que chegou a comprar um carro blindado, justamente o que usava hoje durante o ataque, para se sentir mais protegida, mas que não andava armanda. Também afirmou que, quando soube da ameaça, buscou pessoalmente Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil, e também o ex-interventor federal general Walter Braga Netto para tratar de sua segurança. 

Ela disse ter pedido à Polícia Civil uma análise de risco para saber se a ameaça era verdadeira ou não, e ter negado uma oferta de escolta por um mês.

 

Como foi o ataque 

O carro em que estava a deputada foi alvo de tiros, por volta das 9h deste domingo (13), no bairro da Penha, zona norte do Rio de Janeiro. Ela e sua mãe, de 88 anos, não foram atingidas, e o motorista, o subtenente reformado da PM (Polícia Militar) Geonisio Medeiros, foi atingido na perna, mas já foi liberado do hospital. 

Martha Rocha, que mora na Tijuca, também na zona norte, dirigiu-se à Penha para buscar a mãe para irem à igreja, localizada no mesmo bairro, como fazem costumeiramente aos domingos, segundo a assessoria da parlamentar. 

À imprensa, ela contou que notou a preocupação do motorista e perguntou o que estava acontecendo, descobrindo que seu carro estava sendo seguido e que havia um homem armado de fuzil, possivelmente modelo M-16. 

O carro dos criminosos emparelhou com o Toyota Corolla em que estavam, e o homem armado --com touca ninja e luvas pretas-- tirou o tronco para fora do carro, disparando várias vezes. O motorista da deputada estadual conseguiu deixar a avenida Brasil e entrar em uma via secundária, indo até as proximidades do Olaria Atlético Clube, onde parou, porque dois pneus haviam sido estourados por tiros. 

A deputada pediu a um motorista que parasse. Segundo ela, foi reconhecida e conseguiu uma carona até o Hospital Getúlio Vargas, onde o motorista recebeu atendimento.

 

2ª ocorrência com políticos no Rio em 2019

Esta é a segunda ocorrência policial envolvendo políticos no Rio somente neste ano. No último dia 4, o carro em que estava o prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis (MDB), foi atingido por tiros. A prefeitura classificou a ação como um atentado. 

Em março do ano passado, a vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes foram assassinados, na região central do Rio, quando o carro em que estavam foi alvejado por criminosos. As investigações ainda não foram concluídas. Com informações Uol Notícias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Mês de março tem Dia da Mulher, início do outono e Dia da Água
Brasíl
Sem acordo, Lira cria comissão especial para discutir PEC da imunidade
Leão
Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje
Campo Grande
A sujeira virou tradição em Campo Grande
Oportunidade
Evento on-line da Sedhast para os 79 municípios de MS começa nesta segunda-feira
Campo Grande
Prefeitura gasta muito recurso público, mas não consegue resolver problemas de semaforizacão, causando riscos e prejuízo à população.
Geral
Temporada de pesca começa com cota de 2020 valendo: um exemplar e cinco piranhas
Tempo
Março terá acumulados de chuva e calor acima da média em Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Presidente do TJ recebe visita do Cônsul da República do Líbano
Covid 19 em MS
SES inicia tratativas para evitar que nova variante do coronavírus chegue no Estado