Menu
Busca Qua, 22 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasil e Mundo

Missouri processará China por "pandemia desnecessária e evitável"

22 abril 2020 - 09h22Por Plantão de notícias

O estado norte-americano do Missouri vai processar o governo chinês e outras instituições de relevo por considerar que o papel que desempenharam na pandemia no novo coronavírus prejudicou fortemente essa região dos Estados Unidos (EUA). Entre a lista de acusações, o Missouri alega que a potência asiática poderia ter evitado a pandemia.

“As autoridades chinesas enganaram o público, suprimiram informação crucial, detiveram denunciadores, negaram que a transmissão acontecesse de pessoa para pessoa apesar das provas, destruíram investigações médicas, permitiram que milhões de pessoas fossem expostas ao vírus e monopolizaram equipamento de proteção pessoal”, diz o processo lançado pelo Missouri.

Tudo isso causou “uma pandemia global que era desnecessária e evitável”, afirma o documento, citado pela CNN. A decisão de avançar com o processo foi anunciada nessa terça-feira (21) pelo procurador-geral do Missouri, Eric Schmitt.

O estado norte-americano alega que, no momento em que a comunidade médica chinesa já sabia que o vírus se transmitia entre humanos, a China não informou a Organização Mundial da Saúde. Especialistas da área jurídica acreditam que o processo lançado pelo Missouri não terá muita possibilidade de avançar, uma vez que a China se encontra protegida por imunidade soberana.

O processo diz ainda que os líderes chineses fizeram pouco para impedir a propagação da covid-19, tendo permitido que milhares de pessoas viajassem de e para a cidade de Wuhan, onde teve início o surto, em um momento em que já havia muitos infectados.

“Por volta do dia 16 de janeiro, e apesar de saberem dos riscos, os líderes de Wuhan organizaram um jantar festivo para 40 mil habitantes, aumentando o potencial alastramento do vírus. Os réus permitiram eventos públicos em massa e entradas e saídas de Wuhan, apesar de conhecerem os riscos da covid-19, incluindo o da transmissão entre pessoas”, afirma o texto.

Partilha de material “defeituoso”

O Missouri alega ainda que as autoridades chinesas inicialmente reprimiram os profissionais de saúde que divulgaram informação sobre o novo coronavírus, incluindo o médico Li Wenliang, considerado o primeiro a alertar o público sobre o surto, que foi acusado pela polícia de Wuhan de lançar comentários falsos na internet. Wenliang acabou por morrer com covid-19.

A China é também acusada de ter monopolizado equipamentos de proteção individual numa fase em que ainda ocultava a dimensão do surto. O “pouco material” que o país asiático partilhou tem sido “defeituoso”, acusa o Missouri.

O estado conclui que todas essas ações originaram “enormes” danos econômicos em todo o mundo, algo que não se deve deixar passar em branco. No Missouri, "literalmente todas as pessoas" foram afetadas por essa crise pandêmica, diz o documento assinado pelo procurador-geral.

“Antes da pandemia, o Missouri tinha uma das mais baixas taxas de desemprego da última década, mas agora tem a mais alta desde a Grande Depressão”, afirma o processo. “A resposta à pandemia exigiu o encerramento de negócios, a interrupção da produção e do comércio e o deslocamento de trabalhadores”.

No Missouri há mais de 6 mil casos confirmados de covid-19 e 229 pessoas morreram da doença, de acordo com os dados da Universidade Johns Hopkins.

*Emissora pública de televisão de Portugal

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasília
CPI termina com sessão em briga, agressão verbal entre senadores e Ministro da CGU.
CPI no Senado Federal
A diferença de pensamento entre os Ministros do STF, Carmen, Nunes Marques e Rosa Weber.
Ministros divergem sobre obrigação de convocados à CPI da Covid
Justiça
Cármen Lúcia determina que CPI da Covid mantenha sigilo sobre dados de Ricardo Barros
Apenas o presidente da comissão, senador Omar Aziz, pode ter acesso aos dados do líder do governo na Câmara. Outros senadores membros da comissão terão acesso via requerimento
Policia Federal
Inquérito apura fraude na venda de medicamentos para o Ministério da Saúde entre 2016 e 2018; agentes também cumprem mandados na Precisa e na Global
PF investiga gestão Ricardo Barros e faz buscas em endereços de Max e secretário ligado a Ciro Nogueira
Paraná
PF desarticula quadrilha especializada em defensivos agrícolas ilegais
ONU
Presidente faz discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas
Abertura do evento é feita tradicionalmente pelo presidente do Brasil
Brasília
Senador quer convocar filho de Bolsonaro após provocação à CPI
Mato Grosso do Sul
Inverno se despede com temperaturas acima dos 40°C e umidade do ar em níveis críticos
Política
Transferência de pagamento de perícias médicas aos segurados do INSS é criticada em debare do Senado Federal.
Política
Deputados cassados por corrupção recebem aposentadoria de até R$ 23,3 mil pela Câmara