Menu
Busca Sáb, 24 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002

Moradores de Brumadinho negam ter recebido orientações de evacuação

02 fevereiro 2019 - 17h50

O empresário afirma que nunca tinha se preocupado com a possibilidade de acidentes. “A Vale fez estudo de topografia da região, cadastro socioeconômico, colocou sistema de alarmes. Tudo isso leva a ter certeza de que isso [rompimento] poderia acontecer, mas nunca tinha parado para pensar nisso. Nunca deixei de dormir pensando que essa barragem ia estourar”, destacou.

Em nota, a Vale informou que a barragem tinha sistema de vídeo-monitoramento e alerta por meio de sirenes e cadastramento da população à jusante. "Também foi realizado o simulado externo de emergência em 16 de junho de 2018, sob coordenação das Defesas civis e com apoio da Vale, e o treinamento interno com os funcionários em 23 de outubro de 2018".

Interdição

O empresário é o dono da única casa da rua que não está interditada pelo Corpo de Bombeiros por ficar em um lugar mais alto. No fundo da casa, passava um riacho de aproximadamente 3 metros de largura que deságua no Rio Paraopeba. O mar de lama comeu praticamente tudo ao redor. Segundo ele, até o momento, cinco corpos foram resgatados na área. Do local onde a barragem estourou até a propriedade são cerca de 8 quilômetros tomados pelos rejeitos.

“Não tem maneira de restaurar o ecossistema e o que tinha aí embaixo”, lamenta, apontando para o local onde viu as filhas crescer e brincar.

O casal que mora na região há 35 anos tem vários amigos desaparecidos e afirma que viu a lama tomar conta de grande parte da história de vida da família.

 

Momento do desastre

Sandra Maria afirma que estava em casa no momento em que a barragem estourou. Ela diz que ouviu um barulho de árvores caindo como se tivesse passando um trator e correu para a janela. “Eu vi a lama subindo em uma velocidade absurda, arrancando tudo. Pedaços enormes de barranco. Ouvi um estrondo quando, provavelmente, a lama atingiu a casa dos meus vizinhos em uma parte mais baixa da rua”, conta Sandra afirmando que ficou três dias afastada do local por orientação da Defesa Civil e dos bombeiros.

Já Mário Lúcio estava voltando de Belo Horizonte com uma das filhas que tinha ido ao médico quando ficou sabendo do rompimento da barragem. Ele conta que dirigiu pelo alto da serra, desviando da estrada convencional que estava interditada.

“Foram 30, 40 minutos de terror, pensando na minha mulher, no meu neto que estavam em casa e sem saber se a lama tinha atingido o local.”

 

 

 

fonte:agênciabrasil

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana
Saúde
Covid-19: Brasil soma 541,2 mil mortes e vai a 19,3 milhões de casos
Violência
Em vídeo exclusivo, DJ Ivis pede perdão a Pamella e a todas mulheres
Tempo
Ela vem: frente fria vai derrubar temperaturas para menos de 3ºC e causar geada em MS, diz previsão