Menu
Busca Qua, 28 de outubro de 2020
(67) 9.9928-2002
Lava jato

MTST deixa tríplex atribuído a Lula após 4h de ocupação

16 abril 2018 - 13h30Por Alcides Bernal
Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e do grupo Povo Sem Medo desocuparam no início da tarde desta segunda-feira o apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo que resultou na prisão do petista no início do mês.A desocupação pacífica do imóvel ocorreu cerca de quatro horas depois de o coordenador do MTST e pré-candidato à Presidência da República pelo PSOL, Guilherme Boulos, anunciar a entrada no tríplex.


Por meio das redes sociais, Boulos disse que a desocupação ocorreu depois de um ultimato dado pela Polícia Militar, que fora chamada pelos moradores do prédio após a invasão.

"Numa ação arbitrária, sem ordem judicial, polícia deu prazo para saída do MTST do tríplex, sob pena de prisão de todos os ocupantes. O tríplex foi desocupado, mas o recado ficou. É evidente que não tinham ordem: quem pediria a reintegração de posse?", disse o pré-candidato do PSOL em sua conta no Twitter.

Mais cedo, Boulos divulgou vídeo em suas redes sociais e disse que a ação era uma denúncia "à farsa judicial que levou Lula para a prisão"."Se o tríplex é do Lula então o povo está autorizado a ficar lá e vai se tornar o tríplex da resistência. Agora, se o tríplex não é do Lula, então o Sérgio Moro vai ter que mandar o alvará de soltura hoje mesmo, porque ele foi preso por algo que não é dele", acrescentou.

Os militantes estenderam faixas na varanda do apartamento com a frase "Se é do Lula é nosso" e "Se não é, por que prendeu?".

Lula, que lidera as pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de outubro, está preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal no Paraná, em Curitiba, onde começou a cumprir a pena de 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex.Lula foi condenado por, no entendimento do juiz Sérgio Moro e dos três desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), ter recebido o tríplex como propina paga pela empreiteira OAS em troca de contratos na Petrobras.

O petista, que é réu em outros seis processos, nega ser dono do imóvel e diz ser alvo de uma perseguição política promovida por setores do Judiciário, do Ministério Público, da Polícia Federal e da imprensa para impedi-lo de ser candidato à Presidência.

A Lei da Ficha Limpa prevê a inelegibilidade de condenados por órgãos colegiados do Judiciário, caso da 8ª Turma do TRF-4, o que deve inviabilizar a candidatura de Lula ao Planalto.
news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agências do INSS funcionam normalmente nesta quarta
Brasíl
Novo caça Gripen F-39E é apresentado a autoridades em Brasília
TSE
Deputado federal é cassado por abuso de poder econômico e propaganda indevida
Economia
Confira os fatores que devem mexer com o mercado do milho na próxima semana
Polícia
DOF apreende 3 toneladas de drogas, mais de 70 mil pacotes de cigarros e armas nos últimos dias
Polícia
Acusado de matar ator e pais em SP disse que morou em MS para obter RG falso
Polícia federal
Polícia Federal apreende 1,8 mil pacotes de cigarros ilegais no Paraná
Brasíl
Incêndio atinge hospital no Rio de Janeiro e duas pacientes com Covid-19 morrem
Fortaleza-CE
PF realiza operação contra suspeito de fraudar Auxílio Emergencial
Brasil
PF combate grupo criminoso que atuava com garimpo ilegal em Pernambuco