Menu
Busca Qui, 20 de junho de 2019
(67) 9.9928-2002
Tripla derrota do governo Bolsonaro

Perdeu Jair Bolsonaro, é o Judiciário,Câmara e Senado

13 junho 2019 - 07h00

Governo sofre tripla derrota: na Câmara, no Senado e no STF

Decreto de armas, extinção de órgãos colegiados e reforma da Previdência ficam ameaçadas após derrotas desta quarta-feira

O presidente Jair Bolsonaro viu três de suas principais medidas neste início de governo ameaçadas nesta quarta-feira, 12. No Senado, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou projetos para derrubar o decreto de armas.

Enquanto isso, no Supremo Tribunal Federal (STF), a maioria dos ministros decidiu suspender ao menos parte do decreto do governo Bolsonaro que prevê a extinção de órgãos colegiados como conselhos, da administração pública federal.

   

Também saiu perdendo na proposta da reforma da Previdência. O relator da PEC na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), retirou Estados e municípios do seu relatório, o que reduz a economia prevista pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Decreto de armas

A CCJ do Senado aprovou os projetos que anulam o decreto de armas assinado pelo presidente. Agora, o tema deverá passar pelo plenário do Senado e pela Câmara. Na votação, os senadores da CCJ rejeitaram, por 15 votos a nove, o relatório do senador Marcos do Val (Cidadania-ES), que era favorável ao ato presidencial por entender que o decreto foi feito dentro das balizas da lei e é eficaz à segurança pública.

Em maio, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto facilitando o porte de armas de fogo para uma série de 19 categorias, entre elas políticos, caminhoneiros e moradores de área rural. Leia o novo decreto na íntegra.

Reforma da Previdência

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o relatório da reforma da Previdência não vai incluir as regras para o funcionalismo público de Estados e municípios. O texto deve ser apresentado na quinta-feira, 13. "Mas temos até julho para construir acordo para que eles sejam reincluídos", disse.

Segundo ele, hoje não há votos para que o relator mantenha em seu texto o sistema de capitalização, como previsto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Maia sinalizou, no entanto, que esse tema ainda deve ser debatido e não está totalmente descartado.

Pela proposta enviada ao Congresso, as novas regras para os servidores públicos federais também valeriam para Estados e municípios - no caso de policiais militares e bombeiros, as exigências seriam atreladas às das Forças Armadas. Isso representa um alívio de R$ 330 bilhões em dez anos para os Estados e de R$ 170,8 bilhões para os municípios. / COLABORARAM CAMILA TURTELLI, MARIANA HAUBERT, IDIANA TOMAZELLI E DANIEL WETERMAN - TERRA

Liberdade de expressão

Deixe seu Comentário

Leia Também

Preocupação com segurança de dados é a maior em 10 anos
São e salvo
Piloto sequestrado durante roubo de avião é localizado em cidade de MT
COPA AMÉRICA
Messi faz de pênalti, mas Argentina só empata com o Paraguai e é lanterna
POLÍTICA
Moro: "Não tenho apego ao cargo, se houver irregularidades, eu saio"
POLÍTICA
A traição e a volta por cima de Alcides Bernal
POLÍTICA
Após tensão com a Câmara, Guedes 'perde' a Previdência para Maia
FAMOSOS
Morre Rubens Ewald Filho aos 74 anos
INTERIOR
Piloto sequestrado com avião em MS já foi preso pela PF por tráfico de drogas
SKOL testa carrinho de compras que auxilia pessoas cegas nos supermercados
BOM OU RUIM?
Facebook lança oficialmente a Libra, sua própria criptomoeda