Menu
Busca Dom, 07 de março de 2021
(67) 9.9928-2002
BRASIL E MUNDO

Paraguai rompe relações com a Venezuela após posse de Maduro

11 janeiro 2019 - 11h46

O Paraguai anunciou nesta quinta-feira (10) o rompimento de suas relações diplomáticas com Venezuela após a posse de Nicolás Maduro para um novo mandato, anunciou o presidente paraguaio, Mario Abdo em uma declaração oficial. Ele determinou ainda o fechamento da embaixada e a retirada imediata dos diplomatas do país de Caracas.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro prestou juramento nesta quinta-feira para um segundo mandato de seis anos, desafiando os Estados Unidos e grande parte da comunidade internacional, que ameaça aumentar a pressão sobre seu governo considerado ilegítimo.

O chefe de Estado paraguaio pediu a outros países que também se expressem "com fatos concretos a favor do povo venezuelano". "Não há consequências negativas quando se defendem causas justas", disse Abdo em discurso televisionado. "A causa da liberdade e da democracia é uma causa justa", disse Abdo. 

O presidente paraguaio ressaltou que a decisão é baseada no não-reconhecimento do novo mandato de Maduro, que considera "resultado de um processo eleitoral ilegítimo".

Para Mario Abdo, os líderes políticos devem adotar medidas que protejam a população venezuelana e a democracia: "a causa da liberdade, da democracia, a causa da Venezuela é uma causa justa". "Que Deus proteja a Venezuela e abençoe o Paraguai", concluiu o presidente paraguaio. 

Mario Abdo esclareceu que esta decisão não implica falta do Paraguai a seu compromisso com a Venezuela em dívida pela empresa petrolífera estatal Petropar com a PDVSA da Venezuela, de acordo com o Acordo de Caracas em 2004. "Essa dívida, que está agora no processo de litígio, será homenageada pelo Estado paraguaio em forma e tempo, e esse dinheiro servirá para a reconstrução da democracia na Venezuela ", disse Abdo. 

O governo dos Estados Unidos também reconhecerão a "posse ilegítima da ditadura" de Maduro, e manterão sua pressão sobre esse "regime corrupto", afirmou nesta quinta-feira John Bolton, assessor de Segurança Nacional da Casa Branca."Os Estados Unidos não reconhecerão a posse ilegítima da ditadura de Maduro", assegurou Bolton em mensagem na sua conta no Twitter, em referência à cerimônia de posse do presidente venezuelano para seu novo mandato, que o manterá no poder até 2025.

Bolton ressaltou que os EUA "continuarão aumentando sua pressão sobre o regime corrupto, respaldando a Assembleia Nacional democrática, e exigindo democracia e liberdade na Venezuela".

 

Maduro chama Bolsonaro de fascista

Em seu discurso de posse, Nicolás Maduro voltou a chamar o Grupo de Lima, com países da região que não reconhecem o seu novo mandato, como um "cartel" que usa o "direito internacional" contra a Venezuela. "Querem nos dar ordens sobre o que deve ser feito na Venezuela", disse Maduro. Em sua fala, o venezuelano chamou o presidente Jair Bolsonaro de "fascista".

"A direita venezuelana infectou a direita latino-americana com seu fascismo. Vamos ver o caso do Brasil com a ascensão de um fascista como Jair Bolsonaro", disse Maduro.

 

 

 

 

 

 

 

fonte:UolNoticias

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Família deixa ração para cães, mas abandona idosa trancada e só com arroz azedo
Justiça
Após denúncia de suposto pagamento de propina a desembargadores, juíza encaminha autos envolvendo padre Robson para o STJ
Brasil e Mundo
Ministério decreta situação de emergência ambiental prévia
Meio Ambiente
FundturMS faz visita técnica à Estrada Parque de Piraputanga e identifica potencialidades da região
Meio Ambiente
Temporada de pesca começa com alto índice de conscientização ambiental
Interior
Ribas do Rio Pardo receberá Seção Comunitária de Bombeiros
Mato Grosso do Sul
Já faltam leitos nos hospitais da macrorregião de Campo Grande
Campo Grande
Hemosul de Campo Grande abre o dia todo neste sábado; unidade precisa de sangue O- e O+
Interior
Agesul interdita parcialmente ponte na MS-243, no Nabileque
Mortes por Coronavirus no Brasil
Brasil virou referência de bagunça de politicos, vírus, infeção, falta de estrutura e mortes.