Menu
Busca Sáb, 08 de agosto de 2020
(67) 9.9928-2002
Internacional

Premiê da Nova Zelândia lança campanha com promessa de empregos e financiamento

05 julho 2020 - 11h12Por Lídia Kelli/Reuters

 

(Reuters) - Com promessas de financiamento extra para pequenas empresas e mais empregos conforme uma grave crise econômica se avizinha, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, lançou neste domingo a campanha de seu partido antes das eleições gerais de setembro.

A ascensão de Ardern ao posto de primeira-ministra mais popular da Nova Zelândia em um século —impulsionada por sua resposta à pandemia de Covid-19, que deixou o país praticamente ileso— aumentou suas chances nas eleições de 19 de setembro.

 
 

O Partido Trabalhista —o qual Ardern integra e que governa uma coalizão com os Verdes e o Nova Zelândia Primeiro (primeiro partido nacionalista do país)— enfrentará o Partido Nacional, no que se espera ser uma campanha dominada pela pandemia.

 

Se os altos índices de aprovação da primeira-ministra forem refletidos nos resultados das eleições, os trabalhistas governariam sem necessidade de coalizão.

As restrições duras e iniciais do governo ao coronavírus, que paralisaram a atividade econômica, colocaram o país em recessão técnica pela primeira vez em uma década.

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Covid 19 está matando no Brasil e no mundo
Brasíl
PGR recorre de decisão que impediu acesso a dados da Lava Jato
Meio Ambiente
Mourão defende avanços nos sistemas de monitoramento da Amazônia Para ele, também é preciso tratar do problema fundiário da região
Esporte
Vai Mercedes
Meio Ambiente
Prossegue combate a incêndio florestal na Serra dos Órgãos
Brasíl
Anac autoriza táxi-aéreo a vender assento individual Medida, em caráter emergencial, terá validade de dois anos
Bandido
Pistoleiro pede mais dinheiro para vítima e deixá-la em paz.
Campo Grande
Ameaça de demissão em massa do Transporte Público da capital
Brasíl e Mundo
OMS: recuperação econômica global pode ser mais rápida com vacina
Economia
Guedes diz que anunciará três ou quatro privatizações em até 60 dias