Menu
Busca Qui, 09 de abril de 2020
(67) 9.9928-2002
Transformação

Primeira cirurgia de mudança de sexo completa 20 anos

11 abril 2018 - 22h22Por Redação Notícias VIP
A primeira cirurgia de mudança de sexo realizada no Espírito Santo completa duas décadas neste ano. De lá pra cá, muitos pontos do complexo processo evoluíram. O procedimento, por exemplo, que antes durava sete horas, hoje é concluído em três horas e meia, o período de internação foi reduzido para três dias, no máximo, e a idade mínima para ser submetido à operação passou de 21 para 18 anos.

O cirurgião plástico Ariosto Santos, precursor da técnica no Estado, ressalta também que, anteriormente, a pessoa só ficava liberada para ter a primeira relação sexual dois a três meses depois do procedimento. Hoje, com 30 dias de cirurgia, já é possível retomar a vida sexual.

?A técnica foi, inclusive, premiada e passou a ser referência no País. Houve um aperfeiçoamento do procedimento e dos profissionais envolvidos, permitindo a evolução de todos esses pontos ao longo dos anos?, destaca o médico, que desenvolveu a primeira cirurgia ao lado do urologista Jhonson Gouvêa.

De 1998 até hoje, cerca de 60 pessoas foram beneficiadas com a cirurgia de mudança de sexo no Estado. Por ano, são realizados de dois a três procedimentos. As operações pela rede privada são feitas no Vitória Apart Hospital, na Serra, e pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam), da Ufes. Somente na rede privada, duas pessoas estão sendo acompanhadas para serem submetidas à cirurgia no momento. No sistema público, há 75 pessoas.

Em todo o Brasil, cinco instituições estão autorizadas a realizar a cirurgia de mudança de sexo. No entanto, Ariosto Santos ressalta que a falta de infraestrutura da saúde pública tem atrapalhado o trabalho. ?O Hospital do Fundão, no Rio de Janeiro, por exemplo, já não faz mais o procedimento. É uma cirurgia que envolve muitas áreas e exige a participação de uma equipe multidisciplinar. Sabemos que a rede pública está sucateada e isso é algo que desestimula os profissionais?, explica o médico.

A maioria das cirurgias é feita para transformar ?o homem em mulher?, com o órgão sexual masculino sendo modificado para vagina. Para isso, todo o pênis é aproveitado de alguma forma. Só os testículos são retirados.

De acordo com o Dr. Ariosto Santos, o contrário é realizado apenas em caráter experimental. ?A cirurgia para beneficiar o transexual feminino só pode ser feita em hospital universitário, de forma gratuita. A construção peniana é um procedimento complexo e que ainda não é aceito pela literatura médica. O que fazemos é retirar os seios e órgãos como útero e ovários?, afirma.

Para serem submetidos à operação os pacientes passam por uma rigorosa avaliação que tem duração de, no mínimo, dois anos. ?É um procedimento irreversível. Exatamente por isso a pessoa precisa ter certeza sobre essa decisão?, diz o médico.

CORONA 3

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Trad quebrou a região central de Campo Grande, nem árvore aguenta a paradeira do Trad.
Interior
Dourados: Polícia apreendeu " Del Rei maconhado" voando na pista.
Polícia
Casal é preso traficando drogas
Judiciário
Jamil Name não será solto, apesar de pertencer ao grupo de risco da COVID 19.
Corrupção no judiciário
Mais desembargadores estão com medo da Operação Faroeste, diz delator
Brasil
Mega-Sena, concurso 2250, acumulou e pagará 13 milhões
Polícia
Prisão de traficante, recuperação de veículo roubado e apreensão de drogas no interior do MS
Interior
DOF apreende veículo com cigarros contrabandeados do Paraguai
Brasil e Mundo
Falta de exames na Espanha impede número exato de mortes por covid-19
Brasil
Levantamento mostra desigualdade na distribuição de UTIs do SUS em SP