Menu
Busca Ter, 13 de abril de 2021
(67) 9.9928-2002
Transformação

Primeira cirurgia de mudança de sexo completa 20 anos

11 abril 2018 - 22h22Por Redação Notícias VIP
A primeira cirurgia de mudança de sexo realizada no Espírito Santo completa duas décadas neste ano. De lá pra cá, muitos pontos do complexo processo evoluíram. O procedimento, por exemplo, que antes durava sete horas, hoje é concluído em três horas e meia, o período de internação foi reduzido para três dias, no máximo, e a idade mínima para ser submetido à operação passou de 21 para 18 anos.

O cirurgião plástico Ariosto Santos, precursor da técnica no Estado, ressalta também que, anteriormente, a pessoa só ficava liberada para ter a primeira relação sexual dois a três meses depois do procedimento. Hoje, com 30 dias de cirurgia, já é possível retomar a vida sexual.

?A técnica foi, inclusive, premiada e passou a ser referência no País. Houve um aperfeiçoamento do procedimento e dos profissionais envolvidos, permitindo a evolução de todos esses pontos ao longo dos anos?, destaca o médico, que desenvolveu a primeira cirurgia ao lado do urologista Jhonson Gouvêa.

De 1998 até hoje, cerca de 60 pessoas foram beneficiadas com a cirurgia de mudança de sexo no Estado. Por ano, são realizados de dois a três procedimentos. As operações pela rede privada são feitas no Vitória Apart Hospital, na Serra, e pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam), da Ufes. Somente na rede privada, duas pessoas estão sendo acompanhadas para serem submetidas à cirurgia no momento. No sistema público, há 75 pessoas.

Em todo o Brasil, cinco instituições estão autorizadas a realizar a cirurgia de mudança de sexo. No entanto, Ariosto Santos ressalta que a falta de infraestrutura da saúde pública tem atrapalhado o trabalho. ?O Hospital do Fundão, no Rio de Janeiro, por exemplo, já não faz mais o procedimento. É uma cirurgia que envolve muitas áreas e exige a participação de uma equipe multidisciplinar. Sabemos que a rede pública está sucateada e isso é algo que desestimula os profissionais?, explica o médico.

A maioria das cirurgias é feita para transformar ?o homem em mulher?, com o órgão sexual masculino sendo modificado para vagina. Para isso, todo o pênis é aproveitado de alguma forma. Só os testículos são retirados.

De acordo com o Dr. Ariosto Santos, o contrário é realizado apenas em caráter experimental. ?A cirurgia para beneficiar o transexual feminino só pode ser feita em hospital universitário, de forma gratuita. A construção peniana é um procedimento complexo e que ainda não é aceito pela literatura médica. O que fazemos é retirar os seios e órgãos como útero e ovários?, afirma.

Para serem submetidos à operação os pacientes passam por uma rigorosa avaliação que tem duração de, no mínimo, dois anos. ?É um procedimento irreversível. Exatamente por isso a pessoa precisa ter certeza sobre essa decisão?, diz o médico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Jovem morre em acidente na Av. Mato Grosso com Rua Bahia, na capital.
Covid 19 em MS
Novas variantes P1 e P2 em circulação no MS tem maiores índices de contaminação
Campo Grande
Eletricista leva carro recheado de drogas para transportadora na capital.
OMS
Pandemia de covid-19 "está longe de terminar", diz chefe da OMS
Pandemia
Índia passa o Brasil e é 2º país com mais casos de covid-19 no mundo
Brasil e Mundo
Mais de 70% dos japoneses querem Jogos de Tóquio cancelados ou adiados
Brasil
Covid-19: país tem 13,4 milhões de casos acumulados e 353,1 mil mortes
Esporte
Flamengo bate Palmeiras nos pênaltis e leva Supercopa do Brasil
Interior
Estado instala dez leitos de UTI’S no Hospital da Vida, em Dourados
Campo Grande
Praças da PM e CBM realizam prova de Processo Seletivo Interno neste domingo