Menu
Busca Qui, 21 de novembro de 2019
(67) 9.9928-2002
tabaco

Proibidos no Brasil, cigarros eletrônicos serão tema de debate público na Anvisa

06 abril 2018 - 16h10Por Redação Notícias VIP
Cercados por controvérsias no mundo, os cigarros eletrônicos são a aposta das indústrias para um futuro sem fumaça ou pelo menos bem menos - diante de um número menor de fumantes a cada ano. Empresas do setor trabalham para que a substituição gradual aconteça. O argumento é de que são menos prejudiciais à saúde, por aquecer o tabaco em vez de queimá-lo. Proibidos no Brasil desde 2009, os chamados vaporizadores terão o debate público no país pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Na próxima quarta-feira, em Brasília, a agência sediará um seminário com a participação de pesquisadores, indústrias e entidades antitabagistas.

"O objetivo é ouvir de todos os atores interessados no tema, sejam da indústria, sejam do setor de saúde, posições e estudos sobre os dispositivos eletrônicos para fumar", informa a Anvisa. 

Os vaporizadores e o tabaco aquecido vêm ganhando espaço nos últimos anos em mercados como o dos Estados Unidos, do Japão e do Reino Unido. No Brasil, esses produtos são contrabandeados e vendidos ilegalmente - na internet e em feiras de importados. Na tentativa de regularizar o comércio e promover a substituição gradual, indústrias vêm pressionando para que a Anvisa revise a resolução 46/2009 - que proibiu a comercialização, importação e propaganda desses produtos no Brasil.

" Ao postergar essa discussão, acaba-se indiretamente protegendo o cigarro convencional e impedindo que milhões de brasileiros que fumam possam ter informações e acesso a produtos melhores do que o cigarro " argumenta o presidente da Philip Morris Brasil, Wagner Erne.

Maior fabricante de cigarros do mundo, a Philip Morris International (PMI) anunciou no começo deste ano que deixará de vender cigarros tradicionais no Reino Unido para substituí-los por produtos sem combustão - hoje a indústria tem quatro variedades em seu portfólio. Os modelos de vaporizadores e de tabaco aquecido representam aproximadamente 13% da receita líquida global da companhia, contra 3% em 2006.

"Hoje, temos ciência e tecnologia que nos permitem oferecer alternativas melhores do que o cigarro para adultos fumantes " completa Erne.

O argumento de ameaça menor à saúde é propagado também pela British American Tobacco, holding da Souza Cruz, empresa líder no mercado de cigarros no Brasil e que está introduzindo novos produtos no mercado mundial. 

" O conflito entre a satisfação e a preocupação com os riscos do produto é uma questão global. Quando o mercado brasileiro puder disponibilizar diferentes níveis de riscos, os consumidores poderão optar " afirma Liel Miranda, presidente da Souza Cruz. 

Evidências científicas ainda são divergentes

Para a marca, os dispositivos eletrônicos de fumar representam apenas 2% do faturamento global. Em cinco anos, a perspectiva é de que saltem para 20% de participação, chegando a 50% em 2050.

" Nossa estratégia é transformar a indústria de tabaco " completa o executivo, ponderando que a regulamentação no Brasil deve ocorrer de forma responsável, com normas específicas sobre fabricação, tecnologia e qualidade. 

As indústrias alegam, com base em estudos científicos independentes, que os vaporizadores são 95% menos danosos à saúde do que os cigarros convencionais - por não gerarem combustão e terem menos substâncias tóxicas. Em contrapartida, os produtos de tabaco aquecido, diferentemente dos vaporizadores, enfrentam resistência. Recentemente, o comitê consultivo da Food and Drug Administration (FDA), agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, rejeitou a comercialização no país de um dos dispositivos de tabaco aquecido por representar risco elevado à saúde. Para a Anvisa, é preciso ter cautela com afirmações do tipo "menos prejudicial do que um cigarro".

"O potencial tóxico é tão elevado que tecnicamente não é difícil criar um produto 'mais seguro' que os cigarros. A questão é se este produto desenvolvido possui nível de risco aceitável para a saúde pública", alerta a agência reguladora, em resposta a ZH.

A médica Jaqueline Scholz, coordenadora da área de cardiologia do Programa de Tratamento ao Tabagismo do Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Incor/USP), está desenvolvendo uma das primeiras pesquisas brasileiras com pacientes para avaliar o impacto do produto eletrônico na saúde. A avaliação dos primeiros voluntários revelou que os usuários destes novos cigarros continuam consumindo quantidades de nicotina semelhantes às que absorviam quando usavam o tradicional:

Eles só substituem uma forma pela outra. É uma falsa ilusão, que manterá a dependência dos fumantes que, em grande maioria, desejam parar de fumar.

Segundo a médica, o fato de os cigarros eletrônicos terem combustão menos elevada e menos substâncias tóxicas não significa que estejam em padrões de segurança para consumo.

"A nicotina continua presente em alta concentração, causando dependência e problemas cardiovasculares. É uma estratégia ardilosa da indústria " diz a cardiologista, acrescentando o risco do apelo à tecnologia atrair novos fumantes entre os jovens.

 Adesão da indústria ao cigarro eletrônico impactará na produção brasileira de tabaco 
 
Mesmo que os cigarros eletrônicos não sejam aprovados no país a curto prazo, a transformação protagonizada pelas indústrias inevitavelmente chegará ao campo brasileiro, que produz mais de 30% do tabaco consumido no mundo. Embora os dispositivos eletrônicos usem a matéria-prima do cigarro, tanto na nicotina líquida quanto no tabaco aquecido, a quantidade é menor em relação ao tradicional. 

"As informações que temos dão conta do uso de 30% a 35% do que é utilizado no convencional " afirma Benício Werner, presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra).

A produção de fumo hoje envolve 163 mil famílias em todo o país, das quais quase 150 mil estão situadas na Região Sul. Apesar de confirmar a necessidade menor de tabaco na fabricação desses novos produtos, por questões estratégicas as indústrias não informam o percentual de diferença. 

"O fato é que a produção terá de ser ajustada à demanda, e isso preocupa muito" informa Werner.

Presidente da Câmara Setorial do Tabaco, Romeu Schneider vê  transformação gradual e lenta:

" Não é algo que acontecerá da noite para o dia. Estamos falando em décadas, período em que o cigarro convencional continuará sendo consumido. 

Além do volume menor, a produção brasileira terá de se adequar à qualidade superior do tabaco exigida pelos novos dispositivos, semelhante à dos cigarros premium. Nesse processamento, é usada praticamente a folha - excluindo os talos das plantas, hoje processados na indústria.

Maior exportador mundial, com 90% da produção vendida para outros países, o Brasil está preparado para a mudança, na avaliação do presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), Iro Schünke:

O sistema integrado de produção, que neste ano completou cem anos no Brasil, facilitará a adaptação. O clima e a sustentabilidade da produção também serão fatores positivos nessa transição.  





Deixe seu Comentário

Leia Também

Terenos
Vereador acusa colegas de receber propina
Campo Grande
Estão fechando delegacia de polícia na capital
Campo Grande
Trad não retira sujeira das ruas da capital
Famosos
Zezé está hospitalizado
Campo Grande
Apesar dos protestos, Trad sufoucou CPI, que nem foi ventilada na Câmara municipal
Energisa
A falta da cara energia de todos os dias
Brasil
Caminhoneiros podem fazer greve
Porto Murtinho
Barragem está desmoronando desde 28 de outubro e não fazem nada
Bolívia
Traidor, general que deu voz de prisão a Evo vai para USA
Judiciário
Quando o judiciário é usado por supostos bandidos