Menu
Busca Qui, 18 de julho de 2019
(67) 9.9928-2002
tabaco

Proibidos no Brasil, cigarros eletrônicos serão tema de debate público na Anvisa

06 abril 2018 - 16h10Por Redação Notícias VIP
Cercados por controvérsias no mundo, os cigarros eletrônicos são a aposta das indústrias para um futuro sem fumaça ou pelo menos bem menos - diante de um número menor de fumantes a cada ano. Empresas do setor trabalham para que a substituição gradual aconteça. O argumento é de que são menos prejudiciais à saúde, por aquecer o tabaco em vez de queimá-lo. Proibidos no Brasil desde 2009, os chamados vaporizadores terão o debate público no país pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Na próxima quarta-feira, em Brasília, a agência sediará um seminário com a participação de pesquisadores, indústrias e entidades antitabagistas.

"O objetivo é ouvir de todos os atores interessados no tema, sejam da indústria, sejam do setor de saúde, posições e estudos sobre os dispositivos eletrônicos para fumar", informa a Anvisa. 

Os vaporizadores e o tabaco aquecido vêm ganhando espaço nos últimos anos em mercados como o dos Estados Unidos, do Japão e do Reino Unido. No Brasil, esses produtos são contrabandeados e vendidos ilegalmente - na internet e em feiras de importados. Na tentativa de regularizar o comércio e promover a substituição gradual, indústrias vêm pressionando para que a Anvisa revise a resolução 46/2009 - que proibiu a comercialização, importação e propaganda desses produtos no Brasil.

" Ao postergar essa discussão, acaba-se indiretamente protegendo o cigarro convencional e impedindo que milhões de brasileiros que fumam possam ter informações e acesso a produtos melhores do que o cigarro " argumenta o presidente da Philip Morris Brasil, Wagner Erne.

Maior fabricante de cigarros do mundo, a Philip Morris International (PMI) anunciou no começo deste ano que deixará de vender cigarros tradicionais no Reino Unido para substituí-los por produtos sem combustão - hoje a indústria tem quatro variedades em seu portfólio. Os modelos de vaporizadores e de tabaco aquecido representam aproximadamente 13% da receita líquida global da companhia, contra 3% em 2006.

"Hoje, temos ciência e tecnologia que nos permitem oferecer alternativas melhores do que o cigarro para adultos fumantes " completa Erne.

O argumento de ameaça menor à saúde é propagado também pela British American Tobacco, holding da Souza Cruz, empresa líder no mercado de cigarros no Brasil e que está introduzindo novos produtos no mercado mundial. 

" O conflito entre a satisfação e a preocupação com os riscos do produto é uma questão global. Quando o mercado brasileiro puder disponibilizar diferentes níveis de riscos, os consumidores poderão optar " afirma Liel Miranda, presidente da Souza Cruz. 

Evidências científicas ainda são divergentes

Para a marca, os dispositivos eletrônicos de fumar representam apenas 2% do faturamento global. Em cinco anos, a perspectiva é de que saltem para 20% de participação, chegando a 50% em 2050.

" Nossa estratégia é transformar a indústria de tabaco " completa o executivo, ponderando que a regulamentação no Brasil deve ocorrer de forma responsável, com normas específicas sobre fabricação, tecnologia e qualidade. 

As indústrias alegam, com base em estudos científicos independentes, que os vaporizadores são 95% menos danosos à saúde do que os cigarros convencionais - por não gerarem combustão e terem menos substâncias tóxicas. Em contrapartida, os produtos de tabaco aquecido, diferentemente dos vaporizadores, enfrentam resistência. Recentemente, o comitê consultivo da Food and Drug Administration (FDA), agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, rejeitou a comercialização no país de um dos dispositivos de tabaco aquecido por representar risco elevado à saúde. Para a Anvisa, é preciso ter cautela com afirmações do tipo "menos prejudicial do que um cigarro".

"O potencial tóxico é tão elevado que tecnicamente não é difícil criar um produto 'mais seguro' que os cigarros. A questão é se este produto desenvolvido possui nível de risco aceitável para a saúde pública", alerta a agência reguladora, em resposta a ZH.

A médica Jaqueline Scholz, coordenadora da área de cardiologia do Programa de Tratamento ao Tabagismo do Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Incor/USP), está desenvolvendo uma das primeiras pesquisas brasileiras com pacientes para avaliar o impacto do produto eletrônico na saúde. A avaliação dos primeiros voluntários revelou que os usuários destes novos cigarros continuam consumindo quantidades de nicotina semelhantes às que absorviam quando usavam o tradicional:

Eles só substituem uma forma pela outra. É uma falsa ilusão, que manterá a dependência dos fumantes que, em grande maioria, desejam parar de fumar.

Segundo a médica, o fato de os cigarros eletrônicos terem combustão menos elevada e menos substâncias tóxicas não significa que estejam em padrões de segurança para consumo.

"A nicotina continua presente em alta concentração, causando dependência e problemas cardiovasculares. É uma estratégia ardilosa da indústria " diz a cardiologista, acrescentando o risco do apelo à tecnologia atrair novos fumantes entre os jovens.

 Adesão da indústria ao cigarro eletrônico impactará na produção brasileira de tabaco 
 
Mesmo que os cigarros eletrônicos não sejam aprovados no país a curto prazo, a transformação protagonizada pelas indústrias inevitavelmente chegará ao campo brasileiro, que produz mais de 30% do tabaco consumido no mundo. Embora os dispositivos eletrônicos usem a matéria-prima do cigarro, tanto na nicotina líquida quanto no tabaco aquecido, a quantidade é menor em relação ao tradicional. 

"As informações que temos dão conta do uso de 30% a 35% do que é utilizado no convencional " afirma Benício Werner, presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra).

A produção de fumo hoje envolve 163 mil famílias em todo o país, das quais quase 150 mil estão situadas na Região Sul. Apesar de confirmar a necessidade menor de tabaco na fabricação desses novos produtos, por questões estratégicas as indústrias não informam o percentual de diferença. 

"O fato é que a produção terá de ser ajustada à demanda, e isso preocupa muito" informa Werner.

Presidente da Câmara Setorial do Tabaco, Romeu Schneider vê  transformação gradual e lenta:

" Não é algo que acontecerá da noite para o dia. Estamos falando em décadas, período em que o cigarro convencional continuará sendo consumido. 

Além do volume menor, a produção brasileira terá de se adequar à qualidade superior do tabaco exigida pelos novos dispositivos, semelhante à dos cigarros premium. Nesse processamento, é usada praticamente a folha - excluindo os talos das plantas, hoje processados na indústria.

Maior exportador mundial, com 90% da produção vendida para outros países, o Brasil está preparado para a mudança, na avaliação do presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco), Iro Schünke:

O sistema integrado de produção, que neste ano completou cem anos no Brasil, facilitará a adaptação. O clima e a sustentabilidade da produção também serão fatores positivos nessa transição.  





Liberdade de expressão

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Ladrões se dão mal ao cair da moto
Mega-Sena
Resultado do sorteio do concurso n. 2170
JUSTIÇA
Registro de crimes cai no primeiro trimestre do ano
JUSTIÇA
Em MS, homem é preso em casa com arma, munições e R$ 21 mil
MILICIA
PF investiga suposta 'milícia' que com ameaças, extorsões e violência estaria tentando controlar aldeia urbana em Campo Grande
JUSTIÇA
Professor pesquisado por acusado de matar Marielle renuncia à direção após ameaças
Exemplo
PREFEITO MEXICANO SE DISFARÇA DE DEFICIENTE PARA TESTAR FUNCIONÁRIOS E FOI ISSO QUE ELE DESCOBRIU
Pai ridiculariza filha publicamente por ela não apoiar o atual governo
INVESTIGAÇÃO
Arma achada na casa de Flordelis foi usada para matar pastor
INTERIOR
Esposa de defensor público é encontrada morta em residência em MS