Menu
Busca Sáb, 24 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
IMPASSE

Rússia, Irã, China e outros quatro países declaram apoio a Nicolás Maduro

24 janeiro 2019 - 14h10

Presidentes de sete países declararam apoio ao ditador venezuelano, Nicolás Maduro, nesta quinta-feira (24), depois que o presidente do Parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, anunciou na última quarta-feira que assumiu a presidência do país de forma interina, até a realização de novas eleições. São eles: Irã, Rússia, China, Turquia, China, Cuba e Bolívia.

“Hoje, 23 de janeiro de 2019, na minha condição de presidente da Assembleia Nacional, invocando os artigos da Constituição (…), diante de Deus todo-poderoso e da Venezuela(…), juro assumir formalmente as competências do Executivo Nacional como presidente em exercício da Venezuela”, disse Guaidó, durante uma manifestação de opositores ao governo de Maduro, em Caracas, que reuniu centenas de milhares de pessoas.

Segundo Guaidó, isso é necessário para devolver a democracia ao país. “Sabemos que isso terá consequências, sabemos o que é necessário para nos manter nas ruas da Venezuela até conseguir a democracia. Não vamos permitir que desinfle este grande movimento de esperança e força nacional”, afirmou. “Vamos insistir até a democracia, até a liberdade, até que cada venezuelano tenha pão na mesa, até que retornem a água e o gás às casas da Venezuela, até que nossos filhos voltem ao território nacional, até que consigamos definitivamente a prosperidade”, discursou.

 

Irã

As autoridades iranianas afirmaram que são contra a “a ilegítima ingerência estrangeira”, depois que os Estados Unidos e outros páises reconheceram Guaidó como legítimo. “A República Islâmica do Irã apoia o governo e a nação da Venezuela contra qualquer intervenção estrangeira em seus assuntos internos ou qualquer outra medida ilegal como um golpe de Estado”, afirmou o porta-voz da Chancelaria iraniana, Bahram Qasemi.

Segundo o Irã, os problemas políticos da Venezuela devem ser resolvidos em breve pelo povo e pelo governo do país, “utilizando mecanismos legais e pacíficos”. As relações entre o Irã e a Venezuela são muito estreitas desde a época do falecido presidente Hugo Chávez, fortalecidas por sua oposição mútua aos EUA.

Rússia

Aliado da Venezuela, o governo russo avaliou que há “sinais de um golpe de estado” na atitude de Guaido de se autoproclamar presidente, conforme escreveu o presidente do Comitê de Relações Exteriores, Konstantin Kosachev nas redes sociais.

A Rússia alertou sobre a possibilidade de agravamento da crise no país, se o processo de transição for comandado por Guaidó.

Turquia

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan licou para Nicolás Maduro para expressar seu apoio. “Maduro, irmão! Te mantnha firme, estamos com você”, escreveu o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin, no Twitter.

“A Turquia manterá os princípios contra a tentativa golpista sob a liderança do nosso presidente Erdogan”, acrescentou Kalin, encerrando a mensagem com a hashtag #WeAreMADURO.

 

Cumhurbaşkanımız, Venezuela Devlet Başkanı Nicolas Maduro’yu arayarak Türkiye’nin desteğini ifade etti ve “Maduro kardeşim! Dik dur, yanındayız” dedi.
Türkiye, CB’mız Erdoğan’ın liderliğinde bütün darbe girişimlerine karşı ilkeli duruşunu koruyacaktır.

 

O país é um importante abastecedor de alimentos e outros bens para a Venezuela. Recentemente, começou a refinar e certificar ouro venezuelano. Ambos países anunciaram no ano passado projetos de cooperação para a exploração de carvão e ouro.

Além disso, eles negociam investimentos turcos na indústria petrolífera da Venezuela, o país com maiores reservas petrolíferas do planeta.

China

A China mostrou nesta quinta-feira apoio ao Governo da Venezuela presidido por Nicolás Maduro e censurou a “intrusão em assuntos internos” dos EUA no país sul-americano.

 

“A China apoia os esforços do Governo da Venezuela para manter a sua soberania, independência e estabilidade”, afirmou hoje na entrevista coletiva diária a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying.

“Em 10 de janeiro, a China e muitos outros países e organizações internacionais enviaram representantes à cerimônia de posse do presidente Maduro”, acrescentou a porta-voz da chancelaria, em resposta a uma pergunta sobre se Pequim segue apoiando o citado líder.

Cuba

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, classificou os útlimos acontecimentos na Venezuela como “tentativas imperialistas” com o objetivo de “desacreditar e desestabilizar a Revolução Bolivariana”. Ele também maniofestou “apoio e solidariedade” a Nicolás Maduro.

O ministro de Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, por sua vez, qualificou como “tentativa golpista” a autoproclamação de Guaidó como presidente em exercício da Venezuela e garantiu que a “vontade soberana do povo prevalecerá frente à intervenção imperialista”, em referência aos Estados Unidos. “A história julgará quem encoraja e reconhece a usurpação golpista”, acrescentou o chanceler cubano na sua publicação, também no Twitter.

 

Firme apoyo y solidaridad de con el Presidente constitucional @NicolasMaduro ante intento golpista. La voluntad soberana del pueblo de Venezuela prevalecerá frente a la intervención imperialista. La historia juzgará a quienes alientan y reconocen la usurpación golpista.

 

O posicionamento de Cuba – que tem a Venezuela como principal aliada política e econômica na América Latina – foi anunciado depois que o governo americano reconheceu Guaidó como presidente interino da Venezuela, assim como Brasil, Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guatemala, Panamá, Paraguai e Peru.

Bolívia

Assim como Miguel Díaz-Canel, o presidente da Bolívia, Evo Morales, também chamou de tentativa de “imperialismo”, a fim de “ferir mortalmente” a democracia na América do Sul, o fato de o chefe do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, ter assumido as competências do Executivo.

“Nossa solidariedade com o povo venezuelano e o irmão @NicolasMaduro, nestas horas decisivas em que as garras do imperialismo buscam novamente ferir mortalmente a democracia e a autodeterminação dos povos da América do Sul”, escreveu o presidente boliviano em sua conta no Twitter.

 

Nuestro apoyo y solidaridad al Presidente Nicolás Maduro ante los intentos imperialistas para desacreditar y desestabilizar a la Revolución Bolivariana

 

Morales, que é aliado político de Maduro, acrescentou que a região “nunca mais” será “pátio traseiro” dos Estados Unidos.

*Com informações da Agência EFE

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana
Saúde
Covid-19: Brasil soma 541,2 mil mortes e vai a 19,3 milhões de casos
Violência
Em vídeo exclusivo, DJ Ivis pede perdão a Pamella e a todas mulheres
Tempo
Ela vem: frente fria vai derrubar temperaturas para menos de 3ºC e causar geada em MS, diz previsão