Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
PORTO VELHO

Trabalhadores do transporte coletivo pedem demissão em massa em Porto Velho

Decisão foi tomada na tarde deste sábado (26) durante assembleia com o Sitetuperon. Cerca de 98% dos funcionários marcaram presença na reunião.

29 janeiro 2019 - 13h10

Por unanimidade, os trabalhadores do transporte coletivo de Porto Velho decidiram pedir demissão na tarde deste sábado (26). A decisão foi tomada durante assembleia no Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Coletivo (Sitetuperon).

A informação sobre o caso foi confirmada pelo presidente do Sitetuperon, Francinei Oliveira. "A partir de hoje esses trabalhadores não fazem mais parte do Consórcio SIM. Não existe mais ônibus".

"De tudo foi feito por essa diretoria desse sindicato para que não acontecesse isso que aconteceu hoje", complementou Francinei Oliveira. Cerca de 98% trabalhadores do transporte coletivo da cidade marcaram presença na assembleia.

Francinei informou por telefone ao G1 que, agora, os funcionários devem procurar a Justiça do Trabalho. "O que eu não posso é enganá-los (trabalhadores). Eles e nem a população merecem isso", complementou o presidente do sindicato.

A categoria disse ainda aguardar um posicionamento por parte do chefe do executivo municipal, Hildon Chaves, nos próximos dias.

Greve e falta de combustível
Ainda segundo Francinei, a empresa responsável pelos ônibus, o Consócio SIM, disse não ter verba para abastecer os veículos.

Na última sexta-feira (25), os funcionários precisaram retornar para a garagem alegando falta de combustível. Apenas 23 carros percorreram as ruas da capital das 5h30 as 8h do dia.

A categoria entrou em greve no início desta semana e cobrava o pagamento de salários atrasados e o retorno de benefícios cortados pelo Consórcio SIM. Entretanto, o movimento foi finalizado três dias depois devido a multa diária imposta pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

Grevistas na frente do sindicato em Porto Velho no dia que a paralisação foi declarada.  — Foto: Cícero Moura/ Rede Amazônica

Grevistas na frente do sindicato em Porto Velho no dia que a paralisação foi declarada. — Foto: Cícero Moura/ Rede Amazônica

 

O G1 conversou brevemente com o Consórcio SIM, que informou que irá se manifestar sobre o impasse por meio de comunicado. Porém, até o fechamento desta publicação, a assessoria não havia emitido a nota.

Na manhã deste sábado, a representante do consórcio, Elizabeth Barofaldi, confirmou que a empresa passa por uma instabilidade financeira, mas negou que os ônibus estavam sem combustível.

Elizabeth disse ainda que o sindicato convocou os trabalhadores e apenas oito motoristas se apresentaram pela manhã ao serviço.

O problema financeiro já havia sido pontuado pelo consórcio no último dia 23 de janeiro durante reunião no TRT para uma tentativa de acordo com os trabalhadores.

"Os próprios representantes já informaram que não tem mais condições de manter o sistema", explicou o presidente do Sitetuperon, Francinei Oliveira.

 

Como a situação chegou a esse ponto?

- No dia 21 de janeiro, os trabalhadores de transporte coletivo resolveram paralisar as atividades. O motivo foi salários atrasados e benefícios cortados pelo Consórcio SIM.
 

- No dia que a greve foi declarada, o TRT disse que o movimento era ilegal. Foi determinado que pelo menos 90% dos ônibus funcionassem nos horários de pico e mínimo de 70% nos outros horários.

- Em 23 de janeiro, os funcionários suspenderam a greve e retornaram aos postos para trabalhar. O motivo foi pela não penalização imposta pelo TRT.
 

- No mesmo dia que a greve terminou, o Sitetuperon e representantes do Consórcio SIM se reuniam no TRT, mas a conversa terminou sem acordo. A empresa declarou problemas financeiros.
 

- Dois dias depois, o transporte coletivo foi suspenso novamente, mas por falta de combustível. No dia, apenas 23 carros percorreram as ruas da capital das 5h30 as 8h, segundo o Sitetuperon. O Consórcio SIM negou falta de combustível e ressaltou novamente problema financeiro.
 

- Neste sábado, o Sitetuperon se reuniu com a maioria dos funcionários e explicou o cenário atual do caso. Em resposta, os trabalhadores decidiram pela demissão em massa.

 

 

fonte:g1ms

vacina sim

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana