Menu
Busca Ter, 14 de julho de 2020
(67) 9.9928-2002

A Prefeitura de Campo Grande está inoperante e contando com o final das chuvas

17 abril 2019 - 16h30

A Prefeitura está inoperante, mas as chuvas não. Como nada foi feito desde as enchentes ocorridas, a última em 26 de fevereiro deste ano, portanto há 48 dias, bastou 30 minutos de chuva forte para que a região do Itanhangá voltasse a sofrer com as águas que tomaram conta das ruas Chaadi Scaff e Joaquim Murtinho.

O trânsito voltou a ficar congestionado e os moradores e comerciantes da região apreensivos. Após a passagem das águas, apenas sujeira e destruição restaram nas calçadas e nas vias.

No entanto 48 dias para o início de qualquer providência seja um prazo muito curto para a ação da Prefeitura que, aparentemente, contou com a redução do volume das chuvas no intuito de ‘empurrar com a barriga’ as providências necessárias.

Contou com um ano de trégua e, caso voltassem a ocorrer os alagamentos, já no início do ano de 2020, teria a desculpa – comum, constante e desacreditada – de que não se esperava o volume de água além do previsto e das médias históricas.

 

Inoperância tem sido marca registrada

Não apenas no caso das enchentes, em outros setores se nota a mesma inoperância, ou pela escolha de pessoas não tão habilitadas para os cargos públicos que exercem, mas pela falta de comando do gestor.

A Educação que tanto foi alvo de críticas em outras gestões não conseguiu providenciar em tempo a compra dos uniformes e não tem logística de entrega, mas parece que para 2020 todos os alunos poderão contar com o kit de 2019.

A Saúde está entregue a uma epidemia de Dengue pela falta de prevenção, uma vez que os trabalhos foram mornos e lentos nas ações e, pior, as unidades de saúde não têm estrutura para atender a demanda (aliás, não tinha condições de, sequer, atender a demanda normal sem epidemia).

Acidentes e prejuízos são causados pelo excesso de crateras nas ruas centrais, vias de alto fluxo de veículos, e ostensivas nas periferias. Remendos estão sendo feitos, e levados pelas águas, ou pelo próprio fluxo de veículos.

O transporte público atropelou as promessas – ou como dizia o próprio prefeito em sua campanha - “compromissos”.

Mas a arrecadação vai bem, então nem tudo nessa gestão é incompetente ou inoperante.

 

Jornalista Dirceu Martins

RACISMO NÃO!

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl
Justiça determina quebra de sigilo bancário da Backer
Política
Governo vai enviar PL com penas mais rígidas para violência sexual
Saúde
Covid-19: Brasil chega a 72,8 mil óbitos e 1,88 milhão de casos
Brasília
Defesa aciona PGR contra Gilmar Mendes por ministro ter associado Exército a genocídio
Saúde
Crise do coronavírus pode ficar "pior e pior e pior", alerta OMS Reuters Staff
Brasíl e Mundo
Estudante de veterinária levou uma picada da terrível naja tinha outras cobras exóticas
Brasíl
Mulher de Queiroz se entrega e cumprirá prisão domiciliar com marido no Rio
Educação
Bolsonaro nomeia pastor Milton Ribeiro como ministro da Educação
Esporte
Natália Gaudio defende maior longevidade para atletas brasileiras
Bolsonaro e Coronavirus
Reabertura precoce transforma Brasília em epicentro da Covid-19