Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
CAPITAL

Assassino de artesã será levado a Deam para prestar novo depoimento

Contradições sobre o tempo em que autor e vítima se relacionaram chamaram atenção da polícia. Caso é tratado como feminicídio

28 janeiro 2019 - 15h30

O assassino confesso da artesã Eronilda Gabriel Mendonça, de 34 anos, deve voltar a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) para prestar um novo depoimento. Isso porque a polícia encontrou contradições entre a versão contada por ele e os depoimentos de testemunhas do caso.

Ao Campo Grande News, a delegada Joilce Silveira Ramos – responsável pelo caso – lembrou que em depoimento Nicolas de Jesus Batista contou ter conhecido a vítima como garota de programa. Mas com o tempo, ela teria se apaixonado e parou de cobrar pelos encontros.

Segundo ele, por cerca de um ano os dois se relacionaram “informalmente” e ficavam juntos sempre que se viam. Nicolas contou que horas antes do crime estava em um bar em frente à casa de Eronilda e que ela chegou a ir ao encontro dele, mas por ciúmes se envolveu em briga com outras três mulheres.

Na versão dele, durante a confusão Eronilda sacou uma faca do bolso e o dono do bar interviu. Foi depois dessa cena que ele deixou o bar com ela. Dentro do carro os dois continuaram a discussão, a vítima o chamou de “viado e frouxo” por ele se negar a fazer sexo, e ele parou o veículo em uma rua que não conhecida. “Ele a mandou descer, e atirou nela”, detalhou a delegada.

Ferida na perna de raspão, no peito e próximo à boca, a mulher ainda caminhou alguns metros e ligou para a polícia. Foi Santa Casa onde passou por dois procedimentos cirúrgicos pela ortopedia e pela cirurgia geral. Ficou internada em coma induzido por dois dias e morreu na quinta-feira (24).

O que chamou atenção da polícia, no entanto, é o tempo de relacionamento entre vítima e autor. Em depoimento, o dono do bar em que a briga aconteceu contou que Nicolas é cliente do estabelecimento e vai frequentemente ao local, mas que nunca o viu com a artesã.

A irmã de Eronilda também afirmou a polícia que não conhecia o suspeito e nunca viu a artesã com ele. “Por isso vamos buscá-lo no presídio entre hoje e amanhã para esclarecer esse ponto”, afirmou à delegada. As três mulheres envolvidas na briga também já foram ouvidas na delegacia.

Primeira versão – Após ser preso Nicolas disse a polícia que estava bebendo em um bar no Bairro Guanandi e a vítima, que mora próximo do local, teria o chamado para sair.


Os dois então entraram no veículo dele, um Corsa de cor prata, e seguiram para beber em outro bar já no Bairro Tijuca, mas no meio do caminho começaram a discutir. O suspeito teria afirmado que a vítima pediu para ambos terem relações sexuais, mas ele teria negado, afirmando que queria apenas beber.

A mulher então teria rebatido o chamando de ‘viado e frouxo’, momento este que ele sacou a arma, de calibre .38, a mandou descer do carro e com a vítima ainda de costas, fez os disparos e saiu. Eronilda foi ferida na bochecha esquerda, virilha, ombro esquerdo e panturrilha direita.

 

 

 

fonte:campograndenews

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana