Menu
Busca Seg, 27 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002
Má Gestão ou Irresponsabilidade?

Caos na saúde da Capital deixa pacientes sem atendimento médico

28 março 2018 - 10h36Por Redação Notícias VIP
O prefeito Marquinhos Trad foi eleito sob a promessa de reerguer o sistema de saúde da Capital. Nas emergências e corredores das Unidades de Saúde, no entanto, o que se vê são problemas graves de atendimento e falta generalizada de médicos, medicamentos e enfermeiros.

A reportagem do Site Notícias Vip conversou com algumas pessoas e constatou que o tempo de espera para conseguir consultas médicas e marcação de exames pode durar mais de um mês.

Fila, demora no atendimento, falta de médicos, medicamentos e de investimentos na saúde pública para atender a demanda. Essas são as barreiras enfrentadas pelos usuários do SUS, em Campo Grande. 

C. S, paga R$ 300,00 de INSS. Ela diz que há 8 dias vem passando muito nervosismo para conseguir um atendimento. "Cheguei 4:00 Horas da manhã na Unidade Básica de Saúde do Bairro Paulo Coelho Machado para esperar a Unidade abrir, e tinha apenas quatro pessoas na minha frente, quando a Unidade abriu não tinha vaga. A secretária me disse que não faz encaixe e que a Dr. Isabela só realizava 3 atendimentos diários, isso é vergonhoso", explica.

Ela disse ainda que a situação tem sido preocupante, diante da crescente demanda de pessoas que morrem e ficam sem atendimento nas Unidades Básicas de Saúde da Capital. 

"Procurei atendimento no Posto de Saúde do Bairro Cidade Morena e como eu não moro na região, não consegui me consultar, porque a ordem do prefeito é que as Unidades Básicas de Saúde atendam somente pessoas que residem no Bairro. O que vai ser da gente? Vamos morrer à míngua, não pode. A gente é ser humano", desabafou.

De acordo com uma funcionária da Unidade Básica de Saúde do Bairro Paulo Coelho Machado, que preferiu não se identificar, a superlotação é constante. E a falta de profissionais também.  "A culpa não é dos profissionais, é da insuficiência do número de médicos na rede básica. A gente atua sem a menor condição de trabalho, tendo que dividir sala, sem medicamento, com dificuldade de conseguir exame, então só com muito amor para continuar nessa rotina", diz.

Tradicionalmente, o início do ano é um período no qual se verifica um aumento na procura por serviços de saúde. Na outra ponta, é também quando surgem mais problemas em relação à falta de atendimento. Desde o início da gestão do prefeito Marquinhos Trad, existe uma falta de capacidade para atender à demanda da população por tratamento médico.

A falta de médicos, medicamentos, será por escassez ou por irresponsabilidade profissional, ou problema  na gestão publica?

Deixe seu Comentário

Leia Também

Tributos
Dificuldade para aprovar reforma tributária
Economia
Redução do preço da energia solar tem sido vertiginosa, diz EPE
Brasil
Deportado do Paraguai, o líder de contrabando de cigarros
Economia
Pequenos negócios tem até o dia 31 para aderir ao Simples Nacional
Campo Grande
"Trad é uma decepção, como prefeito", disse moradora da capital
Esporte
Arbitras de futebol foram agredidas por jogadores
UFC
Curtis Blaydes aproveita falha e vence Junior Cigano por nocaute no segundo round no UFC Raleigh
Polícia
Deputado paraguaio acusa os irmãos Azevedo
Fronteira sem lei
Deputado por pouco se salvou, mas a casa e o carro ficaram crivados de bala
Internacional
Brasil e Índia assinam acordos em tecnologia, energia e segurança