Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
CARNAVAL 2019

Confira a lista: Prefeitos justificam porque haverá ou não festa de Carnaval em cidades de MS

Saiba em quais cidades a festa já está confirmada e onde o evento foi cancelado

19 janeiro 2019 - 14h20

Sem recursos públicos para realizar o Carnaval de rua, muitas cidades de Mato Grosso do Sul resolveram deixar de lado a folia e se concentrar nas contas públicas, ou comprar ambulâncias novas. Porém, alguns administradores conseguiram equilibrar as contas públicas e oferecer a população os dias de festa.

Em levantamento feito pelo Jornal Midiamax nas maiores cidades do Estado ou naquelas onde a festa é tradicional, em pelo menos nove os prefeitos optaram por não fazer a festa, ou ainda vão bater o martelo sobre o assunto na próxima semana, porém, há grandes chances de passar pela data em branco.

A principal justificativa dos prefeitos para não realizar a festa popular é a crise econômica que tem afetado o Brasil inteiro nos últimos anos. Entretanto, os administradores que farão a festa dizem o contrário, e justificam a movimentação da economia.

 

Farão a festa:

Corumbá

O maior e mais tradicional Carnaval de Mato Grosso do Sul está confirmado para 2019. Segundo dados da prefeitura local, serão destinados R$ 660 mil para a Liesco (Liga Independente das Escolas de Samba de Corumbá) e R$ 240 mil para a Liblocc (Liga Independente dos Blocos Carnavalescos de Corumbá).

Para a prefeitura, o Carnaval possui um contexto bastante diferente das demais cidades do Estado, mas em Corumbá ele é “muito mais que uma festa popular, significa investimento”. São gerados mais de mil empregos diretos no pré-Carnaval e nos dias de folia na cidade. A rede hoteleira da cidade já está com 100% de reservas e ainda se espera que milhares de bolivianos cruzem a fronteira para curtir a festa brasileira.

Em 2018 foram investidos pela prefeitura de Corumbá, em parceria com o Governo do Estado, R$ 3,5 milhões, valor que será repetido este ano. O Carnaval do ano passado injetou R$ 10.537.863,07 na economia local.

 

Campo Grande

A Prefeitura de Campo Grande já confirmou repasse às escolas de samba da Capital. Ao todo serão investidos R$ 300 mil nas duas noites de desfile. A administração pública não confirmou repasse aos blocos de rua que tomam a Esplanada Ferroviária no período, segundo a assessoria, isso “dependerá dos encaminhamentos da reunião que ocorrerá com o MPMS [Ministério Público de Mato Grosso do Sul]”.

 

Três Lagoas

Depois de dois anos sem realizar a festa, o prefeito de Três Lagoas Angelo Guerreiro decidiu investir no Carna Três Folia, pensando na população. O baile de Carnaval este ano será realizado no pátio da Galpão da N.O.B. no dia 2 de março, já o desfile das escolas de samba será no dia seguinte, na Avenida Rosário Congro.

“Após economizar dois anos seguidos (foram realizados pequenos eventos), em 2019 vamos dar a oportunidade à população de Três Lagoas se confraternizar nos dias de feriado”, disse o prefeito.

 

Bodoquena

Diferente das cidades próximos, Bodoquena já confirmou três dias de folia em março. De acordo com o prefeito Kazuto Horii, a prefeitura não tem condições financeiras para fazer os cinco dias de festa, mas já garantiu parte dele. O restante dependerá de parceria com o Governo do Estado, que será discutida na semana passada.

“Para nossa cidade compensa muito, porque como ela não é tão conhecida como Bonito, esse tipo de evento traz gente de fora e é uma forma de divulgar as belezas naturais no município, além disso o comércio bomba”, declarou o Horii.

 

Paranaíba

Com parcerias com empresas, a prefeitura de Paranaíba conseguiu confirmar o Carnaval para este ano, depois de passar em branco em 2018. Segundo o prefeito Ronaldo Miziara, a administração pública conseguiu patrocinadores, que já garantiram o som e a banda, que será da própria cidade, uma forma de economizar.

“Nós não podemos gastar dinheiro público com esses eventos, estamos passando por dificuldades, mas como fizemos a festa de réveillon aqui e deu bastante gente, nós entendemos que muitos moradores não tem condições de sair da cidade para aproveitar essas festas em outros locais e decidimos buscar parceiros para realizar o Carnaval”, explicou Miziara, que completou lembrando que nenhum dinheiro público será gasto no eventos e que agora eles buscam parceiros para patrocinarem a decoração da avenida onde a folia acontecerá. O prefeito também frisou que não será cobrada a entrada.

 

 

Não farão:

Aquidauana

Passando por uma crise financeira, a cidade de Aquidauana decidiu não fazer o Carnaval neste ano porque não conseguiu pagar o 13º salário dos servidores do hospital da cidade, que passa por uma intervenção.

“Estamos passando por um momento difícil, de queda na arrecadação e não temos clima para fazer festa. Se tivéssemos com a saúde financeira boa, com certeza proporcionaríamos isso para os moradores, mas como não estamos optemos por não fazer”, afirmou o prefeito da cidade, Odilon Ferraz Alves Ribeiro.

Segundo o gestor público, caso fosse realizar a festa, a cidade gastaria em torno de R$ 80 mil. “Não temos esse dinheiro, então é melhor investir em outra área ou cumpri com os compromissos”.

 

Coxim

Sem pagar o salário de dezembro para parte dos servidores, a prefeitura de Coxim também entra na lista das cidades que ficarão de fora do circuito festivo do Carnaval. De acordo com o prefeito Aluízio São José, 18% dos funcionários públicos não receberam.

“Nós apoiamos a cultura e achamos importante, mas não estamos com as finanças em dia, então não vamos fazer. Coxim foi a cidade que mais perdeu alíquota com a redução do ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços], então não temos recursos disponíveis”, contou o prefeito. O último Carnaval feito pela cidade foi em 2014.

 

Chapadão do Sul

Por conta das fortes chuvas que acontecem todo ano na região durante o período de Carnaval, o prefeito de Chapadão do Sul, Carlos Krug, decidiu não fazer mais a festa. Segundo ele, dos cinco dias da festa, costuma chover em três, o que espanta a população. “Ano passado chegamos a fazer uma enquete para ver se a população queria o Carnaval e a maioria decidiu que não. E aqui também não é uma festa que faz parte da cultura, como em outros lugares. Então optamos por gastar em outras áreas”.

Segundo o prefeito, uma festa de Carnaval na cidade não custaria menos que R$ 500 mil.

 

Rio Verde

Pensando em terceirizar a festa, a prefeitura de Rio Verde decidiu que não gastará verba pública no Carnaval, mas fará um chamamento público para que, caso uma empresa se interesse, faça a festa em um espaço público cedido pela administração municipal.

“Vamos disponibilizar o espaço, a segurança, mas não temos dinheiro para arcar com as outras despesas, então vamos ver se alguém se interessa em fazer a festa. Ano passado fizemos, mas o Governo do Estado deu a banda, só que esse ano eles não poderiam ajudar. Como está todo mundo em dificuldade, optamos por não esbanjar”, afirmou Mário Alberto Kruger.

Ainda segundo o prefeito, caso haja o evento terceirizado, poderá haver cobrança da entrega por parte dos organizadores.

 

Anaurilândia

Com o foco na geração de empregos, o prefeito de Anaurilândia, Edson Stefano Takazono, afirmou que não fará o Carnaval este ano para investir a verba na captação de empresas que invistam no município.

“Nossa situação financeira está controlada, mas optamos por utilizar o recurso para trazer empresas que possam movimentar a economia e gerar emprego e renda aos moradores”, afirmou.

Este é o terceiro ano que a administração municipal não realiza a festa.

 

Bonito

Com uma enquete que perguntava à população de Bonito se ela preferia a realização do Carnaval ou a compra de uma viatura, a prefeitura praticamente colocou uma pá de cal em cima da folia, já que a maioria dos moradores optaram pelo investimento na saúde.

Segundo a prefeitura, o turista de Carnaval gasta menos que o ecoturista, perfil que não agrada a administração municipal.

 

Jardim

O prefeito de Jardim Guilherme Alves Monteiro anunciou pelo twitter que não haverá a festa e que o dinheiro será usado para o pagamento de rescisões, fornecedores, kits e uniformes escolares. Nos dias de folia seriam gastos, segundo ele, R$ 95 mil pela cidade.

“Carnaval será realizado pela prefeitura de Jardim? Não! Foi orçado um valor de R$ 95 mil para 3 noites e uma matinê. Porém, usaremos este dinheiro para pagar rescisões de servidores, kits e uniformes escolares, além de fornecedores. Obrigado pela compreensão”, informou.

 

Terenos

Seguindo a onda de anúncios pelas redes sociais, o prefeito de Terenos, o prefeito Sebastião Donizete Barraco afirmou que os recursos que seriam utilizados para o Carnaval, que seriam de fonte 6 (recursos próprios), deverão ser realocados e investidos em saúde e no lazer, atendendo a pedido da população. Ele não revela o valor total.

 

Não sabem:

Dourados e Ribas do Rio Pardo ainda não decidiram se farão ou não a festa de Carnaval, as prefeituras pretendem se reunir na próxima semana para decidir, porém, segundo a assessoria de imprensa de ambos, há grande possibilidade de que a festa não seja realizada nos municípios.

 

Implicação legal

De acordo com o Promotor de Justiça do Patrimônio Público de Campo Grande, Humberto Lapa Ferri, a não realocação de verbas que seriam destinadas para o Carnaval em outro setor não causa problemas para o administrador público, porque geralmente o dinheiro destinado para a realização da festa não é carimbado, ou seja, não tem obrigatoriedade de que seja investido somente nela.

Como é uma festa que acontece todos os anos, apenas em poucos casos, como no Rio de Janeiro, ela vem com destinação certa. “Geralmente são verbas de arrecadação, então o prefeito por fazer alterações de onde pretende investi-las, desde que não seja carimbada, mas isso é bem difícil se tratando do Carnaval em Mato Grosso do Sul, ainda mais no interior”, esclareceu o promotor que é responsável pela 31ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público da Capital. Com informações Midiamax.

 

 

 

 

 

 

 

CORONA 3

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana