Menu
Busca Sáb, 27 de fevereiro de 2021
(67) 9.9928-2002
CAPITAL

Confira o editorial desta segunda-feira: "Revitalização necessária"

A recuperação do entorno da antiga rodoviária da Capital, no Bairro Amambaí, não é uma necessidade somente dos que habitam a região, mas de toda a cidade

14 janeiro 2019 - 13h00

Há quase uma década, quando a rodoviária de Campo Grande saiu do Bairro Amambaí e foi transferida para a Avenida Gury Marques, saída para São Paulo, uma solução foi oferecida e, com ela, vários outros problemas surgiram. O edifício do Terminal Heitor Eduardo Laburu continuou lá, com seus condôminos, que antes viviam do fluxo ininterrupto de pessoas indo e vindo e agora agonizam com a movimentação – também contínua – de usuários de drogas e praticantes de vários delitos.

Quem sofre com os novos problemas são os que ficaram. Não foi apresentada nenhuma solução concreta para eles quando o terminal foi transferido. Os edifícios no entorno do antigo terminal e até mesmo o asfalto das ruas nas suas imediações proporcionam ao cidadão que (ainda) passa por aquelas redondezas a experiência de viajar no tempo.

As paredes parecem querer contar histórias de um passado glorioso em meio ao presente desolador e um futuro, até o momento, sem nenhuma perspectiva.

É difícil circular pela região da antiga rodoviária, no Bairro Amambaí, e não se lamentar. O descaso entristece. A degradação é latente. Reportagem publicada na edição de sábado/domingo mostrou que os comerciantes do antigo terminal resgataram – pelo menos isso – a esperança.

A perspectiva de liberação de R$ 15,5 milhões de emendas federais para reformar parte da estrutura é uma notícia alentadora em meio ao submundo diuturno proporcionado por muitos dos usuários de droga que habitam a região esquecida.

Não basta, porém, dinheiro e reformas. É preciso limpeza e organização. É indispensável a ação do poder público. Por que a Prefeitura de Campo Grande, por exemplo (tal qual repartições de outras esferas, como Estado e União) não ocupa o prédio, oferecendo serviços públicos? Certamente o custo seria bem menor que a quantia utilizada para pagar aluguel para alguns órgãos administrativos.

A própria Polícia Municipal (ex-Guarda) está por lá. A convivência dela com os usuários de droga é que parece não ser coerente, mas, para isso, aguardamos explicação da própria força de segurança.

Com mais fluxo de pessoas, mais policiamento e mais organização, certamente o entorno da antiga rodoviária renasceria. Basta vontade – e um empurrão – das autoridades para isso. Esperemos que o otimismo dos comerciantes do local contagie outros setores da sociedade. A cidade agradece. 

 

 

 

 

 

fonte:correioestado

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Corumbá
Militares desrespeitam ordem e fazem festa no centro da capital do Pantanal
Campo Grande
Autódromo de Campo Grande tem evento com aglomeracão de pessoas
Pandemia de Covid 19
Brasil tem recorde de mortes por covid-19 pelo terceiro dia seguido
Covid 19 em MS
Capacidade de leitos hospitalares segue em situação crítica e número de casos continua aumentando
STF
STF concede domiciliar a empresário preso em operação contra Crivella
Turismo
Fornatur e ABEAR se reúnem para alinhar informações sobre acordos com empresas aéreas durante pandemia
Oportunidade
Vídeo sobre planejamento financeiro está disponível no canal da PGE/MS
Esporte
Estado faz repasses a clubes para a disputa do Estadual de Futebol 2021
Tempo e temperatura
Previsão do Tempo: Céu claro e altas temperaturas estão previstas para o fim de semana
Oportunidade
Seleção de profissionais para credenciamento na Escolagov segue até dia 31 de março