Menu
Busca Ter, 27 de outubro de 2020
(67) 9.9928-2002
CAPITAL

Decisão que liberou Giroto foi absurda e ilegal afirma ministro do Supremo

Por Carol Assis
 O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), enxergou uma situação verdadeiramente absurda e ilegal na decisão de 19 de março do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) que liberou o ex-secretário Edson Giroto, o empresário João Alberto Amorim e outros investigados na Operação Lama Asfáltica. Isso porque a 5ª Turma daquele tribunal acabou por ignorar decisão do Supremo expedida 11 dias antes e que levou à detenção dos investigados.

As considerações constam na última manifestação expedida por Moraes no caso, em 4 de maio, que foi cumprida n na  terça-feira (8) e reativou efeitos de decisão de primeira instância que havia determinado a prisão dos réus da Lama Asfáltica. O ministro avaliou reclamação movida pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que recorreu da decisão do TRF-3.

Todo o problema apontado pela procuradora, e destrinchado por Moraes, envolveu a sucessão de liminares e recursos envolvendo a prisão de Giroto, Amorim, do ex-diretor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) Wilson Roberto Mariano e do empresário Fábio Scrocchio (cunhado de Giroto); bem como as prisões domiciliares de Raquel Giroto, Mariana Mariano de Oliveira (filha de Beto Mariano), Elza Cristina dos Santos (secretária de Amorim) e Ana Paula Amorim (filha de Amorim).

Extensão  Ao avaliar o caso, Alexandre de Moraes reconstituiu a linha de decisões que culminou na colisão entre STF e TRF-3. O ministro lembrou que o primeiro pedido de prisão, que partiu da 3ª Vara Federal de Campo Grande, foi liminarmente mantido pelo Tribunal Federal e, depois, pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), até que o ministro Marco Aurélio Mello, em 2016, concedeu liminar liberando os réus.

Depois dessa decisão, novamente o juízo de primeira instância decretou a prisão dos investigados. Esta manifestação foi contestada pela defesa dos acusados no TRF-3 que, desta vez, acolheu o pedido apontando justamente desobediência à decisão de Marco Aurélio Mello, revogando assim a prisão e estabelecendo que as medidas cautelares fossem retomadas.

Foi onde o impasse começou.
 A defesa dos investigados, conforme Moraes, aproveitou a decisão relativa à segunda prisão para, de volta ao TRF-3, pedir a anulação da primeira detenção que ainda não tinha sigo julgada em definitivo pelo Supremo. A ação foi comparada pelo ministro a um círculo vicioso, tendo pretensão de transformar em definitiva a liminar expedida por Mello.

Virada 
 Acontece que, em 6 de março deste ano, a 1ª Turma do Supremo desconsiderou os argumentos de Marco Aurélio Mello ao julgar o mérito da liminar e seguiu o entendimento dissidente de Alexandre de Moraes, restabelecendo a prisão dos investigados.

A decisão de Moraes na reclamação da procuradora destaca que, ao avaliar a segunda liminar em dezembro de 2017, o desembargador federal Paulo Fontes havia negado o pedido da defesa ao TRF. Mesmo assim, em 19 de março, a 5ª Turma daquele tribunal atendeu o pedido da defesa e estendeu ao primeiro pedido de prisão os efeitos da revogação da segunda detenção.

Agravos  Conforme o sistema do STF, após a manifestação de Moraes na reclamação da procuradora-geral da República, dois agravos regimentais foram impetrados pela defesa dos denunciados, a fim de anular a decisão.

Giroto e os demais investigados na Lama Asfáltica que apura um esquema de desvio de recursos públicos por meio de fraudes em licitações e superfaturamento de contratos na gestão estadual até 2014 se apresentaram na terça-feira à Polícia Federal. Todos os alvos de mandados de prisão foram levados para o Instituto Penal, no Complexo Penitenciário de Campo Grande. Raquel Giroto, Mariana, Elza e Ana Paula cumprem prisão domiciliar, sem monitoramento eletrônico.


(Com informações do Campo Grande news)
news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Cresce 60% o número de cidades com mais eleitores que habitantes
Lava Jato
"Tive câncer no estômago", diz João Santana, marqueteiro de Dilma e Lula
Campo Grande
Justiça retira Harfouche da campanha para prefeito de Campo Grande
Polícia
PF prende auditor da Receita que jogou notebooks no lixo em operação contra propinas da Qualicorp e da Rimo
Willians Gonçalves Nogueira foi alvo de buscas da Operação Triuno, assim como os fiscais Roberto Augusto Ribeiro e Eli Guedes da Silva
STF
Tese proposta no STF dificulta contratação de advogados sem licitação, diz OAB
Brasil
CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
Operação Omertà
Ex-guarda municipal é solto, mas com tornozeleira.
Brasília
Embaixadora da Filipina que agredia a empregada doméstica foi obrigada a deixar o Brasil
Campo Grande
Chuva trás velhos problemas da falta de limpeza pública na capital
Campo Grande
Vento forte e princípio de chuva apavora população.