Menu
Busca Ter, 27 de outubro de 2020
(67) 9.9928-2002
Vergonha

Dois anos após operações do Gaeco na Câmara, tá todo mundo livre, leve e solto. Uma vergonha!!!

18 abril 2018 - 09h12Por Alcides Bernal
No dia 19 de maio de 2016, uma operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) culminava com a prisão, em razão de indícios de enriquecimento ilícito, do então homem forte da Câmara de Vereadores de Campo Grande, André Luiz Scaff, ex-secretário municipal de Finanças e procurador jurídico da Câmara de Vereadores da Capital.

Passados quase dois anos, André Scaff, que chegou a ser preso outras vezes devido à essa operação do Gaeco, continua livre, leve e solto, dando a entender que o crime ainda compensa. Para quem já se esqueceu, ele é réu de ação de prática de crimes como corrupção passiva e ativa, além de lavagem de dinheiro, associação criminosa e falsidade documental.

A suspeita é que ele tenha recebido quantias para renovar e auditar contratos com empresas específicas durante a gestão do ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, entre os anos de 2014 e 2015. Além de André Scaff, também foi presa a mulher dele, Karina Scaff, e, em maio de 2016, quando foi deflagrada a primeira fase da operação Midas, o Gaeco cumpriu mandado de busca e apreensão de documentos na casa do procurador concursado da Câmara, sendo que na ocasião foram encontradas 15 munições de arma de fogo calibre 38.

Na época, a situação do procurador jurídico da Câmara Municipal de Campo Grande era extremamente delicada e poderia resultar em sérias e dramáticas consequências para o servidor público do legislativo municipal, concursado e um dos mais antigos da Casa de Leis, onde começou a trabalhar em 1985.

Porém, eis que apareceu uma grande oportunidade para se enriquecer e ele não pensou duas vezes, ficando durante um ano e cinco meses à frente da Secretaria de Finanças da Capital, comandando a farra nas finanças da cidade.Inferno astral

O inferno astral do Tio Patinhas da Câmara de Vereadores de Campo Grande começou depois da primeira prisão. O advogado e funcionário de carreira da Casa de Leis, André Scaff, que perdeu em 2017 o cargo de procurador jurídico e teve protocolado na Justiça mais uma ação penal por parte do MPE (Ministério Público Estadual).

Agora, André Scaff é acusado de ocultar R$ 860 mil, supostamente provenientes de corrupção, sendo que os promotores de Justiça também denunciaram o dono da Mil Tec Tecnologia da Informação, sucessora da Itel Informática, Ricardo Fernandes Araújo, um economista aposentado e autônomo pelos crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

O (Tio Patinhas) da Câmara já é réu em outra ação penal em que é acusado, juntamente com a mulher Karina Ribeiro Mauro Scaff, de receber R$ 10,8 milhões em propinas entre 2010 e 2015. Como parte do dinheiro foi usada na compra de imóveis, os promotores decidiram investigar as aquisições de Scaff e, ao quebrarem os sigilos bancários dos vendedores dos terrenos, a equipe desvendou os crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Ricardo Araújo pagou R$ 100 mil em cinco terrenos na Chácara dos Poderes, na região norte de Campo Grande, em 2004. Seis anos depois, ele aceitou vender os lotes por R$ 73 mil para André Scaff, conforme escritura feita em cartório. No entanto, na mesma época, foram realizados três depósitos em dinheiro em sua conta bancária, que totalizavam R$ 250 mil.

Apesar de ser proprietário da Mil Tec, que recebe R$ 28 milhões do Governo do Estado, Ricardo informou aos promotores, em depoimento convocado pelo Gaeco, que possui renda mensal de R$ 15 mil e não se lembrava da origem dos R$ 250 mil. No entanto, admitiu que não vendeu outros terrenos na ocasião.

Para o MPE, ficou cristalino que Scaff dissimulou R$ 177 mil obtidos por meio de cobrança de propina. Ricardo foi denunciado porque acobertou o esquema do procurador. Outro caso é mais grave. Em agosto de 2012, André Scaff procurou Leonardo Pfeifer Macedo para comprar o seu lote no Jardim Auxiliadora por R$ 70 mil. Ele ficou surpreso, porque não tinha colocado o imóvel à venda. No entanto, aceitou vendê-lo, mas o ex-secretário municipal de Planejamento registrou a compra por R$ 20 mil.

Além de ocultar o investimento de R$ 50 mil, para o MPE, Scaff cometeu outro crime, serviu-se do cargo para obter informações de uso restrito no município, os nomes e endereços dos donos dos imóveis. Na ocasião, o prefeito era Nelsinho Trad e ele só se tornou secretário na gestão de Gilmar Olarte. Outro denunciado junto com Scaff foi Délcio Sokem, que lhe vendeu um terreno por R$ 80 mil, mas declarou R$ 50 mil. Ele acabou integrando a ação penal porque tentou justificar o depósito a maior em sua conta bancária, ocorrido em 15 de setembro de 2013.

Conforme Sokem, o procurador jurídico do legislativo lhe pagou o extra de R$ 30 mil porque ele manteve o terreno limpo e livre de lixo. Não há prova que trabalha como guarda ou jardineiro?, observaram os promotores. Eles consideram mais estranho ainda que o vendedor tenha aceitado prestar o serviço sem receber um tostão por cinco anos e só cobrar, justamente, ao concluir a venda do terreno.

Outro denunciado foi o economista aposentado Yosichico Tomari, que vendeu outro lote no Jardim Auxiliadora por R$ 30 mil a Scaff. Eles declararam que o imóvel valia R$ 30 mil. No entanto, a quebra do sigilo revelou que ele recebeu R$ 300 mil. O primeiro depósito foi de R$ 200 mil, sem identificar o depositante. O segundo de R$ 100 mil teve o autor identificado, mas não era Scaff. Tomari disse aos promotores que não se lembra da origem do dinheiro.

Outros dois lotes foram comprados no Jardim Auxiliadora. O primeiro custou R$ 240 mil, mas o procurador declarou R$ 80 mil. O último custou R$ 140 mil, mas informou ter custado R$ 20 mil. A ação penal tramite desde o início de dezembro de 2017 na 3ª Vara Criminal e será julgada pela juíza Eucélia Moreira Cassal, que já chegou a decretar a prisão preventiva do procurador na primeira ação, porém, atualmente ele continua em liberdade esperando um desfecho favorável.
news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fortaleza-CE
PF realiza operação contra suspeito de fraudar Auxílio Emergencial
Brasil
PF combate grupo criminoso que atuava com garimpo ilegal em Pernambuco
Brasil
Apresentador achado em RR teve braços quebrados e amarrados
Brasil
Cresce 60% o número de cidades com mais eleitores que habitantes
Lava Jato
"Tive câncer no estômago", diz João Santana, marqueteiro de Dilma e Lula
Campo Grande
Justiça retira Harfouche da campanha para prefeito de Campo Grande
Polícia
PF prende auditor da Receita que jogou notebooks no lixo em operação contra propinas da Qualicorp e da Rimo
Willians Gonçalves Nogueira foi alvo de buscas da Operação Triuno, assim como os fiscais Roberto Augusto Ribeiro e Eli Guedes da Silva
STF
Tese proposta no STF dificulta contratação de advogados sem licitação, diz OAB
Brasil
CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
Operação Omertà
Ex-guarda municipal é solto, mas com tornozeleira.