Menu
Busca Qua, 14 de abril de 2021
(67) 9.9928-2002
Vergonha

Dois anos após operações do Gaeco na Câmara, tá todo mundo livre, leve e solto. Uma vergonha!!!

18 abril 2018 - 09h12Por Alcides Bernal
No dia 19 de maio de 2016, uma operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) culminava com a prisão, em razão de indícios de enriquecimento ilícito, do então homem forte da Câmara de Vereadores de Campo Grande, André Luiz Scaff, ex-secretário municipal de Finanças e procurador jurídico da Câmara de Vereadores da Capital.

Passados quase dois anos, André Scaff, que chegou a ser preso outras vezes devido à essa operação do Gaeco, continua livre, leve e solto, dando a entender que o crime ainda compensa. Para quem já se esqueceu, ele é réu de ação de prática de crimes como corrupção passiva e ativa, além de lavagem de dinheiro, associação criminosa e falsidade documental.

A suspeita é que ele tenha recebido quantias para renovar e auditar contratos com empresas específicas durante a gestão do ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte, entre os anos de 2014 e 2015. Além de André Scaff, também foi presa a mulher dele, Karina Scaff, e, em maio de 2016, quando foi deflagrada a primeira fase da operação Midas, o Gaeco cumpriu mandado de busca e apreensão de documentos na casa do procurador concursado da Câmara, sendo que na ocasião foram encontradas 15 munições de arma de fogo calibre 38.

Na época, a situação do procurador jurídico da Câmara Municipal de Campo Grande era extremamente delicada e poderia resultar em sérias e dramáticas consequências para o servidor público do legislativo municipal, concursado e um dos mais antigos da Casa de Leis, onde começou a trabalhar em 1985.

Porém, eis que apareceu uma grande oportunidade para se enriquecer e ele não pensou duas vezes, ficando durante um ano e cinco meses à frente da Secretaria de Finanças da Capital, comandando a farra nas finanças da cidade.Inferno astral

O inferno astral do Tio Patinhas da Câmara de Vereadores de Campo Grande começou depois da primeira prisão. O advogado e funcionário de carreira da Casa de Leis, André Scaff, que perdeu em 2017 o cargo de procurador jurídico e teve protocolado na Justiça mais uma ação penal por parte do MPE (Ministério Público Estadual).

Agora, André Scaff é acusado de ocultar R$ 860 mil, supostamente provenientes de corrupção, sendo que os promotores de Justiça também denunciaram o dono da Mil Tec Tecnologia da Informação, sucessora da Itel Informática, Ricardo Fernandes Araújo, um economista aposentado e autônomo pelos crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

O (Tio Patinhas) da Câmara já é réu em outra ação penal em que é acusado, juntamente com a mulher Karina Ribeiro Mauro Scaff, de receber R$ 10,8 milhões em propinas entre 2010 e 2015. Como parte do dinheiro foi usada na compra de imóveis, os promotores decidiram investigar as aquisições de Scaff e, ao quebrarem os sigilos bancários dos vendedores dos terrenos, a equipe desvendou os crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Ricardo Araújo pagou R$ 100 mil em cinco terrenos na Chácara dos Poderes, na região norte de Campo Grande, em 2004. Seis anos depois, ele aceitou vender os lotes por R$ 73 mil para André Scaff, conforme escritura feita em cartório. No entanto, na mesma época, foram realizados três depósitos em dinheiro em sua conta bancária, que totalizavam R$ 250 mil.

Apesar de ser proprietário da Mil Tec, que recebe R$ 28 milhões do Governo do Estado, Ricardo informou aos promotores, em depoimento convocado pelo Gaeco, que possui renda mensal de R$ 15 mil e não se lembrava da origem dos R$ 250 mil. No entanto, admitiu que não vendeu outros terrenos na ocasião.

Para o MPE, ficou cristalino que Scaff dissimulou R$ 177 mil obtidos por meio de cobrança de propina. Ricardo foi denunciado porque acobertou o esquema do procurador. Outro caso é mais grave. Em agosto de 2012, André Scaff procurou Leonardo Pfeifer Macedo para comprar o seu lote no Jardim Auxiliadora por R$ 70 mil. Ele ficou surpreso, porque não tinha colocado o imóvel à venda. No entanto, aceitou vendê-lo, mas o ex-secretário municipal de Planejamento registrou a compra por R$ 20 mil.

Além de ocultar o investimento de R$ 50 mil, para o MPE, Scaff cometeu outro crime, serviu-se do cargo para obter informações de uso restrito no município, os nomes e endereços dos donos dos imóveis. Na ocasião, o prefeito era Nelsinho Trad e ele só se tornou secretário na gestão de Gilmar Olarte. Outro denunciado junto com Scaff foi Délcio Sokem, que lhe vendeu um terreno por R$ 80 mil, mas declarou R$ 50 mil. Ele acabou integrando a ação penal porque tentou justificar o depósito a maior em sua conta bancária, ocorrido em 15 de setembro de 2013.

Conforme Sokem, o procurador jurídico do legislativo lhe pagou o extra de R$ 30 mil porque ele manteve o terreno limpo e livre de lixo. Não há prova que trabalha como guarda ou jardineiro?, observaram os promotores. Eles consideram mais estranho ainda que o vendedor tenha aceitado prestar o serviço sem receber um tostão por cinco anos e só cobrar, justamente, ao concluir a venda do terreno.

Outro denunciado foi o economista aposentado Yosichico Tomari, que vendeu outro lote no Jardim Auxiliadora por R$ 30 mil a Scaff. Eles declararam que o imóvel valia R$ 30 mil. No entanto, a quebra do sigilo revelou que ele recebeu R$ 300 mil. O primeiro depósito foi de R$ 200 mil, sem identificar o depositante. O segundo de R$ 100 mil teve o autor identificado, mas não era Scaff. Tomari disse aos promotores que não se lembra da origem do dinheiro.

Outros dois lotes foram comprados no Jardim Auxiliadora. O primeiro custou R$ 240 mil, mas o procurador declarou R$ 80 mil. O último custou R$ 140 mil, mas informou ter custado R$ 20 mil. A ação penal tramite desde o início de dezembro de 2017 na 3ª Vara Criminal e será julgada pela juíza Eucélia Moreira Cassal, que já chegou a decretar a prisão preventiva do procurador na primeira ação, porém, atualmente ele continua em liberdade esperando um desfecho favorável.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasília
Governo simplifica regras para aumento de cobertura de rádios FM
Desemprego
Impacto da pandemia é maior para trabalhadores jovens, diz Ipea
Covid 19 em MS
Após confirmação de 2 variantes em MS, especialista sugere "mais controle"
Estudos apontam que variante P2 veio do Rio de Janeiro, mas é considerada menos letal que a P1, de Manaus
Auxílio emergencial
Auxílio do Estado poderá contemplar quase 20 mil famílias em Dourados
Trânsito
Mudanças no CTB: Nova Lei proíbe o transporte de menores de 10 anos em motocicletas
Motorista
Detran lança e-book e hotsite com todas mudanças do Código de Trânsito Brasileiro
Meteorologia
Quarta de tempo parcialmente nublado e pancadas de chuva no centro-sul do Estado
Brasília
Senador diz ter assinaturas para ampliar investigação da CPI da Covid
Geral
Pandemia aumenta em 20% os acidentes domésticos com crianças
Brasil
Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea