Menu
Busca Qua, 02 de dezembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Campo Grande

Infectologista alerta a população para prevenir-se e faz crítica a autoridades por flexibilizar no momento mais grave em que a pandemia sobe no gráfico de infectados e mortos pelo Covid

"Trad não tem jeito", disse servidor público municipal.

31 julho 2020 - 10h10Por G1

Campo Grande teve quinta-feira e sexta (30) uma taxa de ocupação de unidades de terapia intensiva (UTI’s) disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para pacientes com Covid-19, casos suspeitos e outras doenças e enfermidades de 92%, segundo o boletim da secretaria estadual de Saúde (SES).

É o sexto dia consecutivo em que a taxa de ocupação não baixa dos 90%. O médico infectologista, pesquisador da Fiocruz e professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Júlio Croda, apontou que o ideal é de esse índice não fosse superior a 80%.

O médico alertou que se a curva de crescimento da Covid-19 não for reduzida, Campo Grande pode vivenciar já na próxima semana situações que ocorreram em outras capitais, como Manaus. Na capital do Amazonas, ele disse que pessoas morreram sem a assistência de um leito de UTI ou permaneceram entubadas em unidades de pronto atendimento, aguardando por vários dias uma vaga em uma unidade de terapia intensiva.

Croda advertiu que um paciente entubado em uma unidade de pronto atendimento tem três vezes mais risco de morrer do que em se estivesse em um leito de UTI. Em uma UTI é de aproximadamente 30% e em uma unidade de pronto atendimento sobe para 90%.

Ele comentou que a taxa de contagio de Campo Grande é a segunda maior entre as capitais do país, só perdendo para Porto Alegre (RS). Disse ainda que a média móvel de casos tem crescido na capital sul-mato-grossense 25% por semana.

O infectologista avaliou que o mini lockdow adotado em Campo Grande nos últimos fins de semana não teve impacto nenhum para reduzir a taxa de contágio, de crescimento de casos e de ocupação de leitos de UTI e defendeu a utilização de medidas mais duras no município.

Baseado em dados técnicos, ele apontou a necessidade de uma restrição maior visando o isolamento social em Campo Grande e alertou que no atual ritmo da curva de contágio, se a medida fosse adotada imediatamente, somente teria efeitos em duas semanas.

 
Por G1
violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Ação popular movida por 500 advogados pede anulação das eleições municipais de 2020
Campo Grande
Operação Omertà tem mais uma fase sendo cumprida hoje 2/11/2020
Brasil
Bolsonaro afirma que "Auxílio Emergencial não é eterno, vai acabar".
Brasíl
Mato Grosso do Sul busca parceria do BRB para ampliar linhas de financiamento
Campo Grande
Presidiário executado na calçada da Gameleira, mandou matar, decapitar e queimar ex-esposa e a cunhada
Campo Grande
Homem é executado a tiros na frente de presídio
Coronavirus
Secretaria de Estado de Saúde articula ampliação de 60 leitos de UTIs em Mato Grosso do Sul
Interior
Agentes do Detran-MS e PM realizam operações e flagram 40 motoristas embriagados em Miranda
Interior
Dourados vai pela oitava vez na prefeitura com busca e apreensão na saúde e administração
Política
Sergio Moro é contratado por consultoria norte-americana