Menu
Busca Qui, 03 de dezembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Lama Asfáltica

Investigado assume gerência em Secretaria

23 abril 2018 - 15h35Por Alcides Bernal
A Prefeitura de Campo Grande nomeou na última sexta-feira (20) um servidor investigado na Operação Lama Asfáltica para um cargo de gerência na Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos).

João Parron Maria é réu em diferentes ações na Justiça protocoladas pelo MP-MS (Ministério Público Estadual). Na última sexta-feira, o engenheiro foi designado à função de Gerente de Manutenção de Vias Rurais na Sisep, em edição extra do Diogrande.

Parron foi investigado por suposta participação em um esquema criminoso na operação tapa-buracos, após denúncia feita pela força-tarefa da Lama Asfáltica. Empreiteiras, servidores e ex-prefeitos como Nelsinho Trad (PTB), também estariam no esquema.

Segundo dados do Portal da Transparência, o engenheiro já trabalha na Prefeitura como encarregado governamental. Em março, os rendimentos do servidor chegaram a R$ 11,6 mil, sem descontos.

As denúncias tiveram início em 2016, quando Parron e outros 20 réus, incluindo empreiteiras, tiveram R$ 315 milhões bloqueados pela Justiça. Na ação do MP-MS, o engenheiro era acusado de aprovar serviços da empreiteira Selco, sem a devida qualidade.

Em março deste ano, o engenheiro teve bens bloqueados em uma ação que mira as empresas Santa Cruz Construções e Usina de Asfalto Santa Edwiges. A ação pediu o bloqueio de R$ 12 milhões das empresas e dos supostos envolvidos no esquema.

Em outubro do ano passado, Parron também foi alvo de um bloqueio que atingiu suposto esquema envolvendo a empresa Usimix. Na época, R$ 85 milhões foram bloqueados.

O bloqueio em questão foi suspenso dois meses depois pelo desembargador Marcos José de Brito Rodrigues, que pontuou que não restou demonstrado que a empresa e seus sócios (estivessem em conluio com os demais réus para burlar o sistema de licitação).

Esquema na tapa-buracos
As denúncias da força-tarefa da Lama Asfáltica tiveram início em 2016. Até janeiro daquele ano, o MP-MS apontou que um ?seleto grupo de empresas? teria sido favorecido com R$ 372 milhões em contratos.

O Ministério analisou cerca de 30 contratos firmados pelas empreiteiras entre os anos de 2010 e 2012. Servidores e secretários de obras eram apontados por tentar favorecer as empresas selecionadas no esquema.

Na época, o MP-MS pediu o bloqueio de R$ 315 milhões dos envolvidos. O órgão decidiu (fatiar) as investigações entre as diferentes empreiteiras, e novas ações na Justiça foram protocoladas desde então, como as que envolveram a Usimix e a Santa Cruz.
pedofilia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Morreu na frente de presidio em Campo Grande de onde tinha acabado de sair.
Mundo
PF cumpre cinco mandados de prisão por tráfico de drogas
Judiciário
Bicho e Pantanal Cap sofrem investidas do Gaeco e outras forças policiais por ordem do TJ
Campo Grande
Operação Omertà, fase Black Gay, cumpre mandados no combate ao jogo do bicho e ao Pantanal Cap
Justiça
Ação popular movida por 500 advogados pede anulação das eleições municipais de 2020
Campo Grande
Operação Omertà tem mais uma fase sendo cumprida hoje 2/11/2020
Brasil
Bolsonaro afirma que "Auxílio Emergencial não é eterno, vai acabar".
Brasíl
Mato Grosso do Sul busca parceria do BRB para ampliar linhas de financiamento
Campo Grande
Presidiário executado na calçada da Gameleira, mandou matar, decapitar e queimar ex-esposa e a cunhada
Campo Grande
Homem é executado a tiros na frente de presídio