Menu
Busca Qua, 24 de fevereiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Trânsito

Juiz manda prefeitura indenizar em R$ 95 mil paraplégico que caiu em buraco

04 abril 2018 - 09h13Por Alcides Bernal
A Justiça de Mato Grosso do Sul condenou a Prefeitura de Campo Grande a indenizar Ernando Lopes Maidana, 28 anos, em R$ 95 mil por danos morais e pensão de um salário mínimo (R$ 954) por danos materiais para o resto da vída. O rapaz ficou paraplégico ao cair em um buraco. 

Ernando trabalhava como pintor e deixava o serviço quando caiu com a motocicleta que pilotava em uma cratera na Avenida Guaicurus, região sul da cidade. O acidente foi na noite de 14 de maio de 2011. A vítima sofreu lesão grave no pescoço e foi socorrida pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) à Santa Casa.

O paciente foi submetido a longo período de tratamentos e intervenções cirúrgicas para tentar se recuperar. Porém, não foi possível reverter a situação e ficou paraplégico, apresentando severas limitações que o impossibilitam de exercer qualquer trabalho que exija esforço físico.

A defesa da vítima alega que a responsabilidade pelo acidente é da administração pública, uma vez que o fato aconteceu devido à negligência em não conservar e realizar reparos nas vias municipais. A prefeitura, então, apresentou contestação alegando que não é responsável, pois há falta de elementos para identificar o local, data e horário do acidente por meio dos documentos juntados. Sustenta também que os laudos se referem a data diversa do acidente, havendo a possibilidade de outros eventos terem provocado as alegadas sequelas.

O réu discorda de ter havido conduta ilícita praticada pelo município e que não pode ser condenado em reparar os danos sofridos pelo autor, dizendo ser indevido também o pedido de reparação material por perda da capacidade laboral via pensão mensal. Argumentou que a documentação nos autos não comprovaram que o autor deixou de obter lucro. Pediu assim pela improcedência do pedido.

Em análise dos autos, o juiz Ricardo Galbiati observou que o fato que gerou as fraturas ocorridas nas vértebras da coluna do autor foi comprovado, bem como o nexo de causalidade suficiente para responsabilizar o município pelo ocorrido.

O magistrado observou também que há nexo entre o fato e a impossibilidade para o trabalho do rapaz, o qual comprovou que exercia atividade remunerada, sendo que na ocasião da perícia  foi aposentado por invalidez no regime geral de previdência social. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasília
STJ desmembra processo para acelerar julgamento de Reinaldo por corrupção
Com decisão, os outros 23 denunciados com o governador de Mato Grosso do Sul serão julgados pela Justiça Estadual
Covid 19 em MS
Número de pacientes contaminados pelo novo coronavírus continua crítico
Covid 19 em MS
Com um mês do início da campanha de vacinação contra a Covid-19, idosos comemoram imunização
Agricultura
La Niña pode se estender até a primavera e os efeitos impactam no agro
Assistência Social
‘MS é referência para o país na política de assistência social e direitos humanos’ diz secretária Nacional de Proteção Global
Corrupção
Ex-desembargador é preso no Cocó no caso de venda de sentenças
Segundo a corporação, o magistrado já foi condenado em definitivo pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na Operação Expresso 150, que apura esquema de venda de liminares durante plantões do TJ-CE
Interior
Operação tapa-buraco na MS-040 deve terminar na próxima semana
Interior
Com mais quatro frentes de obras, Estado soma mais de R$ 350 milhões de investimentos na infraestrutura de Dourados
Sangue
Quem já vacinou contra covid-19, pode doar sangue entre dois e sete dias
Mato Grosso do Sul
Sábado com céu de brigadeiro em Mato Grosso do Sul