Menu
Busca Seg, 27 de janeiro de 2020
(67) 9.9928-2002
Maldade

Justiça suspende 2ª maldade de Marquinhos e manda pagar guardas pelo trabalho à noite

11 abril 2018 - 09h16Por Alcides Bernal
A Justiça suspendeu mais uma ?maldade? do prefeito Marquinhos Trad (PSD), a segunda nos últimos 30 dias. Liminar determina o pagamento de adicional pelo trabalho em horário noturno aos guardas municipais, que estava suspenso desde maio do ano passado.

A antecipação de tutela foi concedida pelo juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, que acatou pedido da Associação da Guarda Municipal de Campo Grande.Além de determinar o pagamento da gratificação, que pode representar acréscimo de 25% no valor da hora trabalhado no período noturno, o magistrado mandou realizar o pagamento retroativo a 1º de maio do ano passado, com o valor sendo corrigido pelo IPCA-E, o índice de inflação usado pelo município para corrigir os salários dos servidores municipais.

A Associação da Guarda Municipal alegou que os agentes tinham direito ao pagamento de adicional de operações especiais, que era previsto na Lei 4.520/2007. No entanto, a Lei Complementar 190/2011, o Estatuto dos Servidores Municipais, passou a incluir a gratificação do trabalho noturno no adicional de operações especiais.

No ano passado, a Lei 5.814, aprovada pelos vereadores e sancionada por Marquinhos, acabou com as duas gratificações. O Sindicato dos Guardas Municipais de Campo Grande (Sindgmcg) e a Associação da Guarda Municipal decidiram recorrer à Justiça para ter direito ao benefício.

A gratificação foi suspensa na toada da administração de Michel Temer (MDB), que vem suspendendo direitos dos trabalhadores no País.

David de Oliveira Gomes Filho considerou procedente o pedido porque o adicional pelo trabalho noturno é previsto no artigo 7º da Constituição Federal. Conforme a lei municipal, o valor da hora para o guarda municipal trabalhar à noite deve ser de 25% superior.

Além de prever a inclusão a partir da próxima folha de salários, o juiz determinou que a prefeitura faça o cálculo e faça o pagamento retroativo ao dia 1º de maio do ano passado.

O prefeito alegou que os guardas municipais incorporaram aos salários o adicional referente às operações especiais. Sobre o pagamento de adicional noturno, o chefe do Executivo alegou que eles não possuem este direito porque a natureza do cargo supõe que os agentes vão cumprir expediente à noite.

A única manifestação do município acatada foi a exclusão do sindicato do polo da ação, porque a entidade não tem o registro no Ministério do Trabalho, necessário para lhe dar legitimidade.

Esta é a segunda derrota de Marquinhos nos esforços de cortar benefícios dos servidores para reduzir os gastos com salários. A Justiça determinou a retomada do pagamento do auxílio-alimentação aos enfermeiros. Eles voltaram a ter direito ao benefício mensal de R$ 230.

Em entrevista ao Campo Grande News, Marquinhos informou que o pagamento do auxílio tem impacto mensal de R$ 180 mil. Apesar de ser irrisório para os cofres municipais, ele anunciou que irá recorrer para derrubar a liminar favorável aos trabalhadores da enfermagem.

As duas decisões são temporárias e a prefeitura vai recorrer para manter os cortes nos salários dos servidores municipais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Contas externas têm déficit de US$ 50,7 bilhões em 2019
Esse é o pior resultado em quatro anos, de acordo com o Banco Central
Campo Grande
Jovens são esfaqueados em festa
Internacional
Três granadas-foguete atingem embaixada dos EUA no Iraque
Campo Grande
Buracos, lixo e mato na capital dos Trad
Tributos
Dificuldade para aprovar reforma tributária
Economia
Redução do preço da energia solar tem sido vertiginosa, diz EPE
Brasil
Deportado do Paraguai, o líder de contrabando de cigarros
Economia
Pequenos negócios tem até o dia 31 para aderir ao Simples Nacional
Campo Grande
"Trad é uma decepção, como prefeito", disse moradora da capital
Esporte
Arbitras de futebol foram agredidas por jogadores