Menu
Busca Ter, 10 de dezembro de 2019
(67) 9.9928-2002
Maldade

Justiça suspende 2ª maldade de Marquinhos e manda pagar guardas pelo trabalho à noite

11 abril 2018 - 09h16Por Alcides Bernal
A Justiça suspendeu mais uma ?maldade? do prefeito Marquinhos Trad (PSD), a segunda nos últimos 30 dias. Liminar determina o pagamento de adicional pelo trabalho em horário noturno aos guardas municipais, que estava suspenso desde maio do ano passado.

A antecipação de tutela foi concedida pelo juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, que acatou pedido da Associação da Guarda Municipal de Campo Grande.Além de determinar o pagamento da gratificação, que pode representar acréscimo de 25% no valor da hora trabalhado no período noturno, o magistrado mandou realizar o pagamento retroativo a 1º de maio do ano passado, com o valor sendo corrigido pelo IPCA-E, o índice de inflação usado pelo município para corrigir os salários dos servidores municipais.

A Associação da Guarda Municipal alegou que os agentes tinham direito ao pagamento de adicional de operações especiais, que era previsto na Lei 4.520/2007. No entanto, a Lei Complementar 190/2011, o Estatuto dos Servidores Municipais, passou a incluir a gratificação do trabalho noturno no adicional de operações especiais.

No ano passado, a Lei 5.814, aprovada pelos vereadores e sancionada por Marquinhos, acabou com as duas gratificações. O Sindicato dos Guardas Municipais de Campo Grande (Sindgmcg) e a Associação da Guarda Municipal decidiram recorrer à Justiça para ter direito ao benefício.

A gratificação foi suspensa na toada da administração de Michel Temer (MDB), que vem suspendendo direitos dos trabalhadores no País.

David de Oliveira Gomes Filho considerou procedente o pedido porque o adicional pelo trabalho noturno é previsto no artigo 7º da Constituição Federal. Conforme a lei municipal, o valor da hora para o guarda municipal trabalhar à noite deve ser de 25% superior.

Além de prever a inclusão a partir da próxima folha de salários, o juiz determinou que a prefeitura faça o cálculo e faça o pagamento retroativo ao dia 1º de maio do ano passado.

O prefeito alegou que os guardas municipais incorporaram aos salários o adicional referente às operações especiais. Sobre o pagamento de adicional noturno, o chefe do Executivo alegou que eles não possuem este direito porque a natureza do cargo supõe que os agentes vão cumprir expediente à noite.

A única manifestação do município acatada foi a exclusão do sindicato do polo da ação, porque a entidade não tem o registro no Ministério do Trabalho, necessário para lhe dar legitimidade.

Esta é a segunda derrota de Marquinhos nos esforços de cortar benefícios dos servidores para reduzir os gastos com salários. A Justiça determinou a retomada do pagamento do auxílio-alimentação aos enfermeiros. Eles voltaram a ter direito ao benefício mensal de R$ 230.

Em entrevista ao Campo Grande News, Marquinhos informou que o pagamento do auxílio tem impacto mensal de R$ 180 mil. Apesar de ser irrisório para os cofres municipais, ele anunciou que irá recorrer para derrubar a liminar favorável aos trabalhadores da enfermagem.

As duas decisões são temporárias e a prefeitura vai recorrer para manter os cortes nos salários dos servidores municipais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Brasil quer Lula livre
Estatística
Bolsonaro encerra primeiro ano com índice menor que Dilma
Judiciário
Governo de SP terá que indenizar mãe de vítima, por desaparecimento de roupas da vítima.
Política
Deputado Federal é repreendido no Aeroporto
Brasil
A greve dos caminhoneiros está marcada, para dia 16
Campo Grande
Serviços públicos precários, indignação da população
Polícia
Quadrilha de bandidos foi desarticulada pela polícia
Brasil
Brasileiro em situação de rua.
Interior
Ladrão invade casa, leva moto e mata idoso
Campo Grande
Trad é o prefeito dos dólares da 14 de julho, que ignora o restante município.