Menu
Busca Ter, 03 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002
CAMPO GRANDE

Morte de garoto que teve mangueira de lava-jato introduzida no ânus completa 'dois anos de impunidade', diz MP

Os dois suspeitos do crime respondem em liberdade. Segundo o Ministério Público de MS, não há dúvida de que houve intenção de matar. Defesa alega que foi "uma brincadeira".

20 fevereiro 2019 - 15h40

No dia 14 de fevereiro de 2017, morreu em Campo Grande o jovem Wesner Oliveira, de 17 anos, após perder parte do intestino ao ter uma mangueira de ar-comprimido de lava-jato introduzida no ânus. Os suspeitos pelo crime, o dono do lava-jato e um funcionário, respondem em liberdade.

Antes de morrer, o garoto negou que a agressão tenha sido uma brincadeira. De acordo com o Ministério Público de MS, há um impasse em torno da questão se houve ou não intenção de matar: "Entre a Justiça entender se o crime foi culposo ou doloso, há uma família enlutada esperando por esse desfecho", declarou ao G1 o promotor José Arturo Bobadilla nesta segunda-feira (18).

A agressão aconteceu em 3 de fevereiro de 2017. Wesner ficou 11 dias internado, e chegou a gravar um vídeo agradecendo as orações. Além do ferimento no intestino, o rapaz tinha uma lesão no esôfago e sofreu hemorragia, morrendo em decorrência de uma parada cardíaca. O pedido de prisão dos suspeitos foi feito pelo delegado Paulo Sérgio Lauretto, à época na Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) no dia da morte do rapaz, quando saiu o laudo confirmando a lesão corporal grave. Três dias depois, a Justiça negou o pedido de prisão dos suspeitos.

O dono do lava-jato, Thiago Demarco Sena, de 26 anos, e o funcionário Willian Henrique Larrea, de 30, suspeitos de violentar Wesner, nunca foram presos. De acordo com o advogado Francisco Guedes Neto, a defesa segue com o argumento de que foi "uma brincadeira":

"Não se pode buscar uma condenação em uma ação penal injusta para reparar eventual dano ocorrido à família, ou seja, para reparar o luto", afirmou ao G1 nesta segunda-feira (18).

Suspeitos de agredir adolescente com mangueira em lava-jato de MS — Foto: Reprodução/ TV Morena

Suspeitos de agredir adolescente com mangueira em lava-jato de MS — Foto: Reprodução/ TV Morena

 

O promotor Bobadilla explica que o processo está sem andamento desde agosto de 2018. Na penúltima decisão, o juiz entendeu que a dupla não teve intenção de matar e desclassificou o crime de homicídio doloso: "Que os réus respondam por outro crime não doloso à vida", diz a decisão. No dia 14 de agosto do ano passado, a Justiça determinou o pagamento de pensão no valor de R$636 por parte dos réus para a família de Wesner por 47 anos, porém a defesa entrou com recurso. Em 23 de agosto, a 15° Procuradoria de Justiça Criminal deu parecer favorável ao recurso do Ministério Público que afirma tratar-se de crime doloso, com intenção de matar, mas ainda não foi julgado:

"Desde então esse processo está parado. Para o Ministério Público não há dúvidas de que houve intenção no crime, eles seguraram o rapaz, não se pratica uma ação dessas sem a noção de que possa causar dano ou mesmo a morte da vítima", afirma.

 

"Não ia querer essa brincadeira nunca"

A família de Wesner permanece aguardando que os suspeitos respondam pelo crime. A mãe do rapaz, Marisilva Moreira da Silva, relata que William era amigo de seu filho, e que quando Wesner conseguiu o emprego no lava-jato, recomendou que cuidasse do jovem. A mãe do rapaz não se conforma: "Por que fizeram isso com o meu menino?" questiona, emocionada.

Segundo a família de Wesner, quando estava no hospital o rapaz relatou à família o que tinha acontecido e disse que perdoava os agressores.

O G1 teve acesso às oitivas do caso. Elas apontam que a vítima não consentiu e, inclusive, pedia para o patrão e o colega pararem, sem ser atendido. De acordo com os documentos, a vítima teria pedido para Willian, seu colega, comprar um refrigerante para que juntos consumissem, e este passou a "bater" com um pano usado para limpar carros no adolescente.

No relato do caso consta que Wesner pedia para William parar . Sem ser atendido, o adolescente correu, foi perseguido, agarrado e imobilizado por Willian. Na sequência, Thiago (o dono do lava-jato) foi ao encontro da dupla com a mangueira de ar, utilizada para limpeza de veículos no lava-jato, ligando o equipamento e introduzindo no ânus da vítima, que passou mal e vomitou.

O adolescente recebeu atendimento médico em dois hospitais. Foram feitas inúmeras diligências no decorrer do inquérito, com apreensões, fotografias, laudos, exames nas roupas que Wesner usava e outros objetos. Questionado pela polícia, ainda internado, Wesner reafirmou que não foi uma brincadeira e que os colegas sabiam o que estavam fazendo:

"Isso não é brincadeira! Não era brincadeira. Eu não ia querer essa brincadeira nunca....pegaram eu de supresa (...) E o Thiago agarrou minhas duas pernas, segurou. Eu gritei. Mandei parar, mas não pararam. O Thiago que ligou o compressor e colocou a mangueira em mim..."

Segundo o promotor, o Ministério Público agora aguarda o julgamento do parecer juntado ao processo que está no Tribunal de Justiça de MS há 6 meses: "São dois anos de impunidade, de sofrimento para esta família sem que os suspeitos sejam presos ou julgados, e tanto o Ministério Público quanto a sociedade esperam que o poder Judiciário faça o seu papel e se pronuncie, o que não podemos é ficar sem um desfecho para este caso", finaliza. Com informações, G1MS.

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana