Menu
Busca Sex, 18 de setembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Cheque em branco

Olarte condenado,deve ser preso a qualquer momento.

26 abril 2018 - 11h13Por Alcides Bernal
A polêmica envolvendo pontos facultativos e feriado de Carnaval atrapalhou a defesa, que perdeu o prazo legal, e o STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou o último recurso que poderia evitar a prisão do ex-prefeito de Campo Grande, Gilmar Antunes Olarte. Pastor evangélico e empresário, ele pode ser preso para cumprir a pena de oito anos e quatro meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.O seguimento do agravo em recurso especial foi negado, no dia 13 deste mês, pela presidente do STJ, ministra Laurita Vaz. Ela considerou que o advogado Renê Siufi, considerado um dos melhores e mais caros criminalistas em atividade no Estado, apresentou o pedido fora do prazo legal de 15 dias.Conforme a magistrada, a segunda-feira de Carnaval, a Quarta-Feira de Cinzas e o ponto facultativo na véspera do Corpus Christi não são considerados dias de feriado. Neste caso, os dias contam para o cálculo do prazo e o recurso em agravo especial foi apresentado fora do prazo.

Com a negativa da presidente do STJ, o ex-prefeito perde mais um recurso que poderia evitar o cumprimento imediato da pena por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Olarte foi condenado em segunda instância por unanimidade em 24 de maio do ano passado.

No entanto, o Tribunal de Justiça não adotou ao ex-prefeito a jurisprudência criada pelo Supremo Tribunal Federal, de que todo condenado em segunda instância deve iniciar, imediatamente, o cumprimento da pena.

A prisão só começa com a determinação da Justiça, que vem postergando a medida graças aos recursos cabíveis.

Após o indeferimento do recurso por Laurita, a defesa de Olarte ingressou com novo recurso, que deverá ser julgado pela 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

O ex-prefeito foi condenado por oferecer vantagens em troca de dinheiro e dar o (golpe do cheque em branco) nos fieis da Assembleia de Deus Nova Aliança, fundada por ele, e que foi tema de reportagem do Fantástico, programa dominical da TV Globo.

Olarte e a esposa, Andréia Olarte, ainda são réus por enriquecimento ilícito e ocultação de bens na 1ª Vara Criminal de Campo Grande. O processo está na fase das alegações finais e a sentença deverá ser emitida em breve pelo juiz Roberto Ferreira Filho.

Na semana passada, o magistrado suspendeu a maior parte das medidas cautelares impostas ao casal. Eles já tinham retirado a tornozeleira no ano passado. Agora, só ficam obrigados a comparecer em juízo a cada dois meses.

Atualmente, a igreja excluiu o (Nova Aliança) da denominação após ação na Justiça da homônima no Mato Grosso e não conta mais com Olarte nos seus quadros. Ele vem realizando cultos com um grupo reduzido de amigos e fieis em sua residência.

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Brasil acumula 4,4 milhões de casos e 135 mil mortes por covid-19
Meio Ambiente
Nuvem de fumaça provocada por queimadas no Pantanal chega ao céu de São Paulo
Brasil
Fumaça do Pantanal faz avião de Bolsonaro arremeter em MT
Três Lagoas
Fogo destrói vegetação, floresta de eucalipto e interdita rodovia em MS
Brasil
Tite convoca a Seleção Brasileira para a estreia nas Eliminatórias
Geral
Do outro lado do balcão De ex-juiz Federal a ex-ministro da Justiça, agora Sergio Moro é o mais "jovem" advogado do Brasil.
Saúde
Uma de 7 infecções de Covid-19 relatadas ocorre em profissionais de saúde, diz OMS
Brasíl
Marco Aurélio suspende inquérito que apura suposta interferência na PF
Brasíl
829 mortos por Covid 19 e 36.330 novos casos de contaminados
STF
COVID NOS PRESÍDIOS Fux renova Recomendação 62 por 6 meses e restringe alcance