Menu
Busca Qui, 03 de dezembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Mais tributação

Prefeitura erra recurso, TJ mantém tarifa mínima e Águas pode cobrar retroativo

20 abril 2018 - 09h57Por Alcides Bernal
O Tribunal de Justiça negou o embargo de declaração e manteve a cobrança da tarifa mínima na conta de água, que voltou a ser feita neste mês em Campo Grande. O procurador geral do município, Alexandre Ávalo, errou o tipo de recurso para questionar a decisão que reformou a liminar e suspendeu o decreto do prefeito Marquinhos Trad (PSD), que reduziu a conta em 50% nos meses de janeiro, fevereiro e março.

Com a decisão desta semana, a Águas Guariroba pode retomar o estudo de fazer a cobrança retroativa nas contas de água que tiveram redução no primeiro trimestre deste ano. Ou seja, após o prefeito faturar com a propaganda feita em cima do fim da tarifa mínima, os 300 mil usuários correm o risco de pagar a conta.O desembargador Marcos José de Brito Rodrigues negou o recurso do município na segunda-feira. Ele reforçou de que o prefeito poderia acabar com a taxa mínima por decreto, mas só após garantir o reequilíbrio econômico-financeiro da concessionária, conforme prevê o contrato de concessão firmado há 18 anos.

A Águas Guariroba alega prejuízo mensal de R$ 6,379 milhões com fim da tarifa mínima. Com a redução de dez para cinco litros, neste ano, a empresa solicitou reajuste de 22,83% para compensar a perda de receita.

O fim da cobrança de valor mínimo nas contas de água é reivindicação antiga dos clientes da concessionária. Há 13 anos, o Ministério Público Estadual ingressou com ação civil pública e conseguiu suspender a cobrança. No entanto, a sentença foi revista pelo TJ e pelo Superior Tribunal de Justiça.

A última vitória da empresa ocorreu no ano passado, quando conseguiu arquivar o projeto de lei proposto pelo vereador Ayrton de Araújo (PT), que determinava a cobrança apenas pela água efetivamente consumida.

Quando achou que a vitória estava consagrada, a concessionária foi surpreendida pelo decreto de Marquinhos, que reduziu a tarifa mínima em 50% neste ano e a zera em 2019. Ou seja, a partir do próximo ano, o consumidor só vai pagar pela quantia consumida. Esta foi uma das poucas promessas de campanha cumprida pelo prefeito.

Só que a medida tem impacto na receita da concessionária. Pelo contrato firmado no ano 2000, a empresa tem direito a taxa interna de retorno do investimento de 17,27%. Ou seja, caso o percentual fique abaixo deste índice, fica constatado o desequilíbrio econômico-financeiro e a prefeitura é obrigada a buscar alternativas para recompor o percentual.

A redução na tarifa mínima de 10 para cinco metros cúbicos causou a redução da taxa TIR de 17,27% para 16,134%. A perda de arrecadação mensal é de R$ 6,379 milhões.

A prefeitura alega que só não concedeu o reajuste porque a reunião foi suspensa pelo conselheiro Jerson Domingos, do Tribunal de Contas do Estado. A Agência de Regulação iria propor reajuste de 5%, mais aumento na tarifa de esgoto de 70% para 80% e uma taxa mínima para os imóveis fechados.

Agora, com a manutenção da tarifa mínima pelo Tribunal de Justiça, a empresa poderá cobrar o valor retroativo, conforme informou ao jornal Correio do Estado no início deste mês.

Ou seja, além de ser obrigado a pagar a taxa do lixo, os moradores da Capital ainda vão ser obrigados a pagar a conta retroativa na conta de água graças ao deslize do prefeito, que desejava faturar politicamente com o chapéu alheio.

Não é a primeira vez que o eleitor pode ser punido por, digamos, estratégia política. No ano passado, Marquinhos pensou em cobrar retroativamente a contribuição de iluminação pública, que ficou seis meses suspensa graças a proposta aprovada pelos vereadores.

A medida só não foi implementada porque a Justiça suspendeu a cobrança retroativa a pedido do Ministério Público. Ou seja, é mais uma bomba que pode ressurgir neste ano.

No entanto, como é ano eleitoral, a cobrança retroativa da Cosip pode ser feita em 2019, após as eleições, caso a prefeitura consiga reverter a suspensão na Justiça.
violência contra a mulher 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Morreu na frente de presidio em Campo Grande de onde tinha acabado de sair.
Mundo
PF cumpre cinco mandados de prisão por tráfico de drogas
Judiciário
Bicho e Pantanal Cap sofrem investidas do Gaeco e outras forças policiais por ordem do TJ
Campo Grande
Operação Omertà, fase Black Gay, cumpre mandados no combate ao jogo do bicho e ao Pantanal Cap
Justiça
Ação popular movida por 500 advogados pede anulação das eleições municipais de 2020
Campo Grande
Operação Omertà tem mais uma fase sendo cumprida hoje 2/11/2020
Brasil
Bolsonaro afirma que "Auxílio Emergencial não é eterno, vai acabar".
Brasíl
Mato Grosso do Sul busca parceria do BRB para ampliar linhas de financiamento
Campo Grande
Presidiário executado na calçada da Gameleira, mandou matar, decapitar e queimar ex-esposa e a cunhada
Campo Grande
Homem é executado a tiros na frente de presídio