Menu
Busca Ter, 03 de agosto de 2021
(67) 9.9928-2002
CAPITAL

Salário dos vereadores de Campo Grande é fixado em R$ 22 mil

Reajuste de 46% do salário atual entrará em vigor em 2022

09 janeiro 2019 - 08h30

O salário dos vereadores de Campo Grande para a legislatura 2021 até 2024 foi fixado em R$ 22 mil. A remuneração, que corresponderá a 75% (setenta e cinco por cento) do ganho dos deputados estaduais de Mato Grosso do Sul, foi promulgada ontem pela Câmara Municipal e publicada no Diário Oficial de terça-feira (8). O  aumento em comparação ao rendimento atual é 46%.

Ontem, o  presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, vereador João Rocha (PSD), disse à reportagem do Correio do Estado que, se o prefeito da Capital, Marcos Trad (PSD), vetasse o reajuste salarial dos vereadores, eles derrubariam o veto do prefeito. “Se ele vetasse poderia criar mal estar político e nós poderíamos derrubar o veto e promulgar”, disse Rocha.

O prefeito devolveu o projeto de lei que prevê o reajuste salarial dos vereadores sem manifestar veto ou sanção. Ele optou pelo silêncio. Trad justificou a sua atitude baseada numa decisão, de 2016, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS) indicando a resolução como meio adequado para aprovar o aumento salarial e não em projeto de lei como queria o Ministério Público Estadual (MPE-MS).

Para o presidente da Câmara Municipal, o prefeito “agiu de maneira correta”. “Ele fez a consulta técnica e viu que é constitucional e regular e que não terá impacto (nos cofres públicos), pois o valor será retirado do duodécimo (enviado pela prefeitura à Casa de Leis)”, justificou Rocha.

O imbróglio todo começou com o Ministério Público propondo ação civil pública contra a medida da Câmara Municipal de aprovar reajuste salarial dos vereadores por resolução e não projeto de lei. Com isso, o prefeito Marcos Trad decidiria se haveria, ou não, impacto nas contas públicas.“Não causa impacto”, assegurou o chefe do Executivo.

O prefeito justificou ainda a sua decisão de não sancionar o projeto porque um vereador, eventualmente contra o reajuste, poderia “pedir a revogação da lei por vício administrativo”. Era um risco que não queria correr. Por isso, optou pelo silêncio, devolvendo o projeto à Câmara para decidir pela edição de resolução ou manter a norma aprovada em plenário.

Com informações do Correio do Estado

CORONA 3

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana