Menu
Busca Qui, 21 de outubro de 2021
(67) 9.9928-2002
SAÚDE

Santa Casa realiza 2ª cirúrgia da doença de Parkinson

04 maio 2018 - 14h04Por Redação Notícias VIP
Na manhã desta quarta-feira (2), a equipe de neurocirurgia da Santa Casa de Campo Grande realizou o segundo procedimento cirúrgico para o tratamento da doença de Parkinson. A técnica altamente complexa e inovadora foi a mesma da outra vez, conhecida como Deep Brain Estimulation (Estimulação Cerebral Profunda) que consiste na implantação de um eletrodo na região que controla os movimentos do corpo, localizada no núcleo subtalâmico (região profunda do cérebro).

 Atualmente a cirurgia é realizada em pacientes com amis de cinco anos de doença ou nos casos em que a doença é muito incapacitante. As primeiras manifestações, sintomas e sinais da doença de Parkinson costumam ser leves e podem variar de pessoa para pessoa. Eles, normalmente, começam em um lado do corpo e persistem mesmo depois de afetar o outro lado podendo incluir: tremor, rigidez e a bradicinesia (lentidão anormal dos movimentos voluntários).

 O aparelho implantado é semelhante a um marca-passo usado em cirurgias cardíacas, porém, este serve para estimulação cerebral e que permite um alívio a partir da estimulação elétrica no ponto do cérebro em que é instalado. A cirurgia é indicada para reduzir a quantidade de medicamentos aos quais os pacientes são submetidos, e retardar o efeito da doença (não sendo uma substituição), mas reduz as doses e efeitos colaterais no organismo garantindo uma melhor qualidade de vida.

Neste caso, o paciente possui 60 anos e foi diagnosticado há dez com a doença. De acordo com o médico responsável pelo procedimento, Dr. Newton Moreira, o paciente tinha um comprometimento motor bem agressivo. Por conta do tempo transcorrido até fazer a cirurgia, o paciente acabou perdendo muita qualidade de vida por conta das limitações motores que sofria, mas hoje, dois dias após a implantação do eletrodo, a evolução dele já pode ser percebida só pelo efeito lesional do aparelho. O gerador dele será ligado em até 20 dias para dar continuidade no tratamento comenta o médico.  

Durante o procedimento o paciente permaneceu acordado, porém, sob anestesia local, podendo assim responder às perguntas e obedecer aos comandos motores estimulados pela médica neurofisiologista para nortear os caminhos a serem seguidos na implantação do eletrodo no cérebro. Após ser inserido, é possível perceber a melhora nos movimentos e a diminuição da rigidez no momento em que o eletrodo alça o ponto estratégico no núcleo cerebral. Em seguida, o médico fez a implantação de um pequeno gerador de marca-passo na região torácica, gerador este, que irá fornecer a eletricidade para o estimulador implantado no cérebro.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Foto de Eduardo Bolsonaro como 'sheik' em Dubai causa onda de críticas; deputado defende gastos
Saúde
Em evento histórico, primeira vacina contra malária é aprovada pela OMS
Educação
Relatório aponta impacto da pandemia na saúde mental de adolescentes
Direito
Hipertensão: Quem possui essa condição pode requerer o auxílio-doença ou a aposentadoria por invalidez?
Geral
Facebook, Instagram e Whatsapp têm problemas de acesso nesta segunda
Economia
Ministro defende uso de reservas para capitalizar banco do Brics
Saúde
Ministro chega ao Brasil um dia após testar negativo para covid-19
Brasíl
Eleitores voltam às urnas em 19 cidades para escolha de novo prefeito
Campo Grande
Com ventos de 68 Km/h e 145 mil raios, temporal deixou 13 mil pessoas no escuro
Política
Lei que define sobras de voto em eleições proporcionais é sancionada