Menu
Busca Seg, 14 de outubro de 2019
(67) 9.9928-2002
Campo Grande

STJ manda processar vereadores por armação criminosa contra Bernal

09 outubro 2019 - 12h30Por Plantão de Polícia

A operação - Após investigação, o Gaeco concluiu que os empresários João Alberto Krampe Amorim do Santos e João Roberto Baird teriam encabeçado a armação contra Bernal e inclusive comprando o voto de vereadores para cassar prefeito, em março de 2014.

Todos os vereadores estão sendo processados na justiça criminal e cível, neste caso o STJ por unanimidade determinou a inclusão dos  vereadores João Rocha, Gilmar da Cruz, e Jamal Salem e Airton Saraiva, que foram gravados pelo Gaeco e PF organizando um grupo para deliberadamente constituir um simulacro criminoso para afastar o prefeito eleito e colocar no cargo de prefeito ao réu condenado a 8 anos e seis meses de cadeia em regime fechado.

As ações ainda estão tramitando, mas a conclusão certamente virá com uma sentença que pode condenar por improbidade administrativa, indenização ao erário e reclusão dos réus.

Além dos empreiteiros que pagaram pela cassação do prefeito, tem o ex-governador André e o ex-prefeito Nelsinho Trad como coordenadores da ação ímproba e criminosa.

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Capital
Homem é morto na frente de casa com seis tiros em bairro de Campo Grande
Internacional
Tufão Hagibis causa dezenas de mortes no Japão
Jogo de ontem
Zagueiro Marquinhos reconhece atuação ruim da seleção em Cingapura
Interior
Ao sair de festa, jovem é abordado por 10 rapazes e esfaqueado em Aquidauana
Polêmica nas redes sociais
Eduardo Bolsonaro ironiza sigla LGBT em camiseta
Caixa das laranjas
Notas fiscais reforçam a suspeita de caixa 2 na campanha do PSL de 2018
Campo Grande - sem efetividade
Trad não consegue evitar aumento de acidentes
Justiça
Justiça determina que governo contenha avanço de óleo em Sergipe
Interior
Três moradores em Guia Lopes são mortos e um é ferido na boca em possível tentativa de latrocínio em Corumbá
Internacional
Mercosul e Prosul apoiam governo do Equador e pedem fim dos protestos