Menu
Busca Sb, 14 de dezembro de 2019
(67) 9.9928-2002
Chernobyl

Está aí a vodka “Atomik”, produzida em Chernobyl. E "não é mais radioativa" do que as outras

Um grupo de cientistas britânicos e ucranianos iniciaram um projeto de plantação agrícola na zona de exclusão de Chernobyl. O centeio e água extraídos deram origem à vodka Atomik. E os investigadores garantem que a bebida “não é mais radioativa do que qua

13 agosto 2019 - 17h17

Trata-se do primeiro produto feito a partir dos terrenos circundantes ao centro da explosão nuclear de 1986. Ao longo dos últimos anos, vários especialistas têm trabalhado naquela área com o objetivo de perceber como a terra tem recuperado do acidente, avaliando o processo de contaminação e transferência de radioatividade.

"O nosso plano era [usar o grão de centeio] para fazer uma bebida espirituosa" explica um dos cientistas, citado pela BBC. Acabou por ser uma vodka, uma bebida destilada, com cerca de 40% de teor alcoólico, muito popular na Rússia e na Polónia, mas também noutros países da Europa de Leste. Por enquanto existem poucos exemplares, mas a ideia é multiplica-los e comercializar a bebida, usando as receitas para ajudar as comunidades economicamente afetadas pelo desastre.

Mas a pergunta que se impõe talvez seja: é mesmo seguro beber vodka proveniente de Chernobyl?

Os cientistas dizem que sim. A destilação do centeio “ligeiramente contaminado” e da água garante que a impurezas sejam removidas e, como tal, seja seguro consumir a bebida. "Pedimos a nossos colegas da Universidade de Southampton, que têm um laboratório incrível de análise de rádio, para ver se conseguiam encontrar radioatividade. (…) Eles não conseguiram encontrar nada - tudo estava abaixo do limite de detecção" afirma Jim Smith, da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido.

Gennady Laptev, cientista do Ukrainian Hydormet Institute, em Kiev e membro fundador da recém-criada Chernobyl Spirit Company, explica que “não precisamos abandonar a terra. Podemos usá-la de diversas maneiras e podemos produzir algo que ficará totalmente limpo da radioatividade".

As garrafas de Atomik começarão por ser vendidas em Chernobyl e espera-se que tenham sucesso entre os turistas que todos os anos visitam a cidade.

Com informações, Visão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Vereadores aprovam orçamento de mais de 4,3 bilhões para Campo Grande.
Meio Ambiente
Trad comete improbidade, uma atrás da outra, mas é blindado
Corrupção no Judiciário
Juíza presa contrata advogado especialista em delação
Corguinho
Festa de Som Automotivo terminou na Delegacia de Polícia Civil
Três Lagoas
Chuva e granizo faz estrago em Três Lagoas
Brasil
Sonia Guajajara: Bolsonaro é um perigo para o planeta
Crime
Avô de 85 anos foi preso por estuprar netos de 4 e 6 anos
Ponta Porã
Execução sumária na fronteira.
Brasília
Ministro da Justiça não obteve sucesso na abordagem: ex-juíza teve mandato de senadora cassado
Campo Grande
Surgem as Tradicionais favelas na capital