Menu
Busca Ter, 24 de novembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Lembranças

Mesmo com dono sumido do lugar, (Bar do Lula) é parada obrigatória para selfie

02 maio 2018 - 10h37Por Alcides Bernal
Ao passar pela avenida Rui Barbosa, no Distrito de Montese, em Itaporã não há direita ou esquerda na hora da selfie em frente ao Bar do Lula. Em meio aos pouco mais de 3 mil habitantes, o lugar pitoresco é simples, de madeira. Ali se vende o que a fachada promete, mas também há de pão a ração de cachorro. A cor verde chega a aparecer um pouco na estrutura, porém o vermelho da fachada e das cadeiras chega forte para combinar com o apelido que deu nome ao bar.

Aquele Lula da fachada está ali há pelo menos seis anos. Ele é e sempre será apelido do saudoso Juraci Dias Ferreiras, 60 anos, que partiu há 3 meses devido a um derrame.A filha, Juciane Alves Ferreira, 35 anos, revela que o apelido do pai surgiu pela semelhança com o ex-presidente. (Todo mundo chamava ele assim há uns 20 anos. Aí quando nos mudamos para cá, ele comprou o bar e não deu outra. O lugar foi batizado como Lula), lembra.


Nesta época, o lugar era todo verde, mas a primeira coisa que Juraci fez foi colocar na fachada a cor do partido do qual também era simpatizante, o vermelho. (Era motivo de orgulho para ele. E assim como o ex-presidente, meu pai também era petista, herança que passou para toda a família. Se tivesse vivo ainda quando Lula foi preso, Ave Maria, o pai teria ficado triste demais), diz.

A filha conta que a preferência política ou o nome do bar nunca foram empecilho aos negócios, pois o Lula do Mato Grosso do Sul já era considerado figura histórica do pequeno lugar, maior que qualquer entreveiro ideológico (Todo mundo adorava ele. Da direita ou da esquerda, aqui sempre foi parada obrigatória para a cervejinha), afirma.Prova disso, foi o banco da praça que o povoado da cidade batizou escrevendo Bar do Lula depois que Juraci partiu.

O lugar ainda se tornou parada obrigatória para turistas, independente da tendência política. Por isso, a família diz que não há chances das portas se fecharem tão cedo.(Vamos tocar o bar, pois foi o que ele nos deixou com muito carinho), afirma a filha, ao se referir ao trabalho que continua graças a mãe, dois irmãos e cinco netos que Lula deixou.
racismo

Deixe seu Comentário

Leia Também

Campo Grande
Comerciantes e consumidores reclamam de multas, sujeira e falta de estacionamento na 14 de julho na capital.
Saúde
Eficácia da CoronaVac será anunciada no início de dezembro, registro é esperado para janeiro
Medicos
Inep disponibiliza cartão de confirmação do Revalida 2020
Corrupção
PF apura desvio de R$ 5,7 milhões em transporte escolar em Manaus
Polícia Federal
PF deflagra mega operação em MS e mais nove Estados
MS
Cena de tortura praticada por PM contra mulher em MS gera revolta nas redes sociais
Líderes do G20 discutem ajuda a nações mais pobres no mundo pós-coronavírus
Amapá
Bolsonaro promete MP isentando consumidores do Amapá de conta de luz
Preconceito racial
Protesto contra morte de João Alberto em SP tem princípio de incêndio
Saúde
Brasil tem 376 novas mortes por Covid-19, total de óbitos chega a 168.989