Menu
Busca Sex, 30 de julho de 2021
(67) 9.9928-2002
FMI

20% dos jovens de países emergentes não estudam nem trabalham, diz FMI

Nas economias avançadas, apenas 10% estão nessa condição, segundo levantamento do fundo

22 janeiro 2019 - 15h25

Os jovens dos países em desenvolvimento estão enfrentando um ambiente perverso. Cerca de 20% da população de 15 a 24 anos não estuda nem trabalha, segundo um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgado nesta terça-feira (22). A fatia apurada equivale ao dobro do observado nos países avançados.

A ausência de jovens do mercado de trabalho e da escola tem como principal consequência a redução do crescimento potencial dos países e aumento dos conflitos sociais, de acordo com o FMI.

 

Em Davos, FMI pede a líderes que se ocupem de 'insatisfação' social

As economias emergentes costumam se beneficiar da entrada de novas pessoas no mercado de trabalho para acelerar o crescimento. Se essa força de trabalho não é bem utilizada, o avanço econômico dos países acaba limitado.

Envelhecimento dos brasileiros afeta crescimento e pressiona gastos públicos

"A perda potencial implícita para a economia é agravada pela demografia – cerca de um terço da população em idade ativa nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento é composta por uma população jovem, quase o dobro da participação observada nas economias avançadas", escreveu o FMI no relatório.

O estudo também mostrou que, apesar de o desemprego juvenil ter recuado nos anos 2000, ele segue elevado nos países emergentes, em 18%. Nas economias avançadas, é de 12%.

Uma das explicações para os resultados ruins do mercado de trabalho entre jovens se dá pela diferença de condição entre gêneros. Segundo o FMI, a taxa de mulheres que não trabalha nem estuda é de 30% nas economias emergentes. É o dobro do apurado entre homens jovens na mesma posição.

"Essa discrepância pode ser explicada pela consequência econômica de ter filhos", disse o FMI.

Políticas necessárias

 

De acordo com o FMI, várias políticas podem ajudar a melhorar a condição do jovem no mercado de trabalho. A melhora da educação, por exemplo, é fundamental, mas sozinha não deve resolver. Também será preciso, de acordo com o órgão, adotar medidas que tragam a igualdade entre gêneros, melhorar as regulamentações do mercado de trabalho, com a limitação de regras excessivamente rigorosas, e incentivar o empreendedorismo.

 

G1

 
violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Mato Grosso do Sul
Inscrições prorrogadas para a segunda edição do Prêmio Inova
Oportunidade
Estão abertas as inscrições para curso de idiomas na UEMS
Brasília
PP não vai aceitar filiação de Bolsonaro
Dourados
Agesul retira mais de 800 toneladas de lixo das margens da MS-156 em Dourados
Interior
SubsRacial leva Campanha Julho das Pretas a Rochedo, com temas de saúde e educação
Mato Grosso do Sul
Temperaturas voltam a subir e ar seco segue predominando nesta quarta-feira
Mato Grosso do Sul
Governo investe R$ 5,8 milhões na pavimentação da MS-455, criando novo acesso a Capão Seco
Interior
Corpo de Bombeiros monitora incêndios com imagens de satélite e amplia fiscalização em áreas de focos
Campo Grande
Até quando a massa de ar frio polar vai atuar em Mato Grosso do Sul?
Esportes
Hoje é Dia: nota 10 de Comaneci e Dia do Futebol marcam semana