Menu
Busca Seg, 16 de setembro de 2019
(67) 9.9928-2002

Aéreas criticam volta de bagagem gratuita; Idec diz que decisão do Congresso é positiva para o consumidor

Proposta que prevê gratuidade para bagagem de até 23 kg em voos domésticos ainda depende de sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro.

23 maio 2019 - 16h30

As empresas aéreas criticaram o trecho da medida provisória (MP) aprovada pelo Congresso Nacional que prevê a volta da gratuidade para o despacho de bagagens. Já associações de defesa do consumidor consideraram a mudança positiva.

O Senado aprovou na véspera medida provisória que autoriza a participação de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras. O texto também prevê gratuidade nos voos domésticos para bagagem de até 23 quilos em aviões com capacidade acima de 31 lugares. A proposta agora depende de sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro. O chefe do Executivo tem a prerrogativa de vetar trechos da proposta.

O trecho sobre a volta da franquia de bagagem não estava no texto original da MP, mas foi sugerido pelo relator da proposta, senador Roberto Rocha (PSDB-MA) e, por meio de um destaque, aprovado pelos deputados durante votação nesta terça-feira (21).

Em nota, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) criticou a mudança e disse que a versão final aprovada pelo Congresso contraria o objetivo inicial da MP de ampliar a competitividade no setor.

"Ao admitir o retorno ao antigo modelo de franquia mínima de bagagem, o texto retira do consumidor a alternativa de escolher a classe tarifária mais acessível, sem despacho de malas, preferida por dois terços dos passageiros desde a sua implementação, a partir de março de 2017, e novamente afasta o Brasil das práticas internacionais", disse a Abear, que reúne as empresas Gol, Latam e Avianca Brasil.

Em nota, a Latam Brasil também se posicionou contra a proibição de cobrança por bagagem. Segundo a empresa, ao impor o retorno da franquia de bagagem, o texto aprovado no Senado "traz de volta um ambiente regulatório restritivo e afeta a competitividade do setor aéreo, impondo novamente um desalinhamento da aviação brasileira em relação ao ambiente internacional e afastando os investimentos".

Procurada pelo G1, a Azul, que não é mais associada à Abear, e a Gol disseram que não irão se manifestar neste momento.

Avianca Brasil não comentaram o assunto até a última atualização desta reportagem.

Despacho de bagagem de mão fora do padrão começa em aeroportos de Guarulhos e Salvador
'Prometida diminuição nos preços não se concretizou', diz Idec
O Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) aprovou o texto aprovado pelo Congresso, avaliando a volta da franquia de bagagem positiva para os consumidores.

"O Idec entende como positiva a mudança aprovada no Congresso, já que a prometida diminuição no preços das passagens aéreas com o fim da franquia de bagagens não se concretizou", disse em nota.
"A insistência da Anac em manter sua posição, o aumento progressivo do preço das passagens e das taxas cobradas pelas companhias aéreas, a diminuição da competitividade percebida pelos consumidores no mercado nacional estimulou deputados e senadores aprovarem a volta da franquia de bagagens, o que notoriamente contou com o apoio da grandíssima maioria dos consumidores brasileiros", acrescentou.

Já a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) disse que não concorda com o modelo que entrou em vigor em 1º de junho de 2017.

"A Proteste não é contra a cobrança por bagagem, só três países no mundo a praticam, mas não somos a favor da maneira como a resolução 400 deixou a total critério das companhias estabelecer peso, preço e centimetragem, criando insegurança jurídica e complexidade desnecessária", afirmou.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), por sua vez, informou que não se pronunciará sobre a aprovação da MP antes da medida ser oficialmente convertida em lei. Com informações, G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Caso raro!
Um redemoinho de fogo assustou produtores rurais na região rural de Santa Helena de Goiás
Economia
Preço do petróleo sobe após ataques na Arábia Saudita
Campo Grande
É o civismo pré-campanha eleitoral dos Vereadores da capital.
Sequestro
Pai pede para segurar bebê e sequestra criança em praça em MS
Interior
Fogo atinge fazenda de Bodoquena e avança em direção à área urbana
50 TIROS
Casal e criança são mortos com cerca de 50 tiros, em Ponta Grossa
Política
Bolsonaro fala sobre julgamento envolvendo autor de facada
Briga causada pelo dinheiro
MS: Homem que matou amigo por causa de moai vai para prisão domiciliar com tornozeleira
Política
Deputado banca bebida alcoólica com dinheiro público
15MIL
Adolescentes fingem ser clientes para roubar R$ 15 mil em joias