Menu
Busca Sex, 04 de dezembro de 2020
(67) 9.9928-2002
REPATRIAÇÃO

Brasil bloqueia US$ 1 bilhão em contas no exterior ligadas à Lava Jato

11 abril 2018 - 08h54Por Redação Notícias VIP
O Ministério da Justiça pediu o bloqueio de contas em bancos estrangeiros, principalmente na Suíça e nos Estados Unidos, totalizando US$ 1 bilhão - cerca de R$ 3,4 bilhões. A maior parte deste montante está relacionada a crimes, como lavagem de dinheiro e corrupção, investigados pela Operação Lava Jato.

O inquérito apurou um modus operandi na movimentação das contas, que geralmente migram de países da Ásia para a Suíça e Estados Unidos, principalmente. Após o bloqueio, a Justiça brasileira pode pedir a "repatriação de recursos", ou seja, a devolução dos valores ao país.

A repatriação depende apenas de que os crimes correspondentes a cada conta sejam julgados no Brasil. O processo, como ressalta o UOL, nem sempre é rápido - mas os réus ficam completamente impedidos de quaisquer movimentações nestas contas.

Entre 2015 e 2017, o governo trouxe de volta ao país US$ 135 milhões - desviados em esquemas de corrupção investigados na Lava Jato. Ainda há sob bloqueio da Justiça do Brasil, US$ 1.03 bilhão - espalhadas em contas congeladas em 14 países, desde 2000.
violência contra a mulher

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esporte
Libertadores: Grêmio vence Guaraní e está nas quartas de final
Brasil e Mundo
Governo anuncia operação de combate a crimes contra idosos
Futebol
Vasco perde em São Januário e se despede da Copa Sul-Americana
Futebol
Operário-PR e Avaí empatam na abertura da rodada da Série B
Esporte
Jogos de Tóquio: dois meses após amputação, paratriatleta é prata
Política
Senado aprova PL sobre prioridade de vacinação da covid-19
Esporte
Russell substituirá Hamilton na Mercedes no GP do Sakhir
Alerta
Com avanço da Covid, Mato Grosso do Sul registra média de mil casos por dia
Campo Grande
Prosseguir: Governo volta a registrar municípios em grau de risco extremo
Saúde
Agências do Detran em Ladário e Mundo Novo suspendem atividades por suspeita de Covid-19 entre servidores