Menu
Busca Sex, 17 de setembro de 2021
(67) 9.9928-2002
Brasíl e Mundo

China para de comprar frango de frigorífico em Dourados

29 julho 2020 - 19h18Por Plantão de notícias

 Administração Geral das Alfândegas da China (GACC, em inglês) suspendeu a habilitação para exportações de carne de frango de uma unidade da BRF de Dourados (MS), em meio a preocupações sobre a Covid-19, informou a companhia em nota à agência Reuters nesta quarta-feira (29).

Com isso, voltam a ser 6 unidades com exportações suspensas para o país asiático. Desde o início da pandemia, 7 frigoríficos foram embargados, mas uma unidade de carne bovina em Mato Grosso teve a autorização restabelecida.

 

 

A BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, disse que não foi notificada oficialmente sobre a suspensão, mas que soube da mesma através de uma publicação no site da agência chinesa.

Procurado pelo G1, o Ministério da Agricultura disse que não houve justificativa apresentada para a suspensão e que, assim como fez com as outras unidades embargadas, vai solicitar aos chineses a liberação das vendas (veja a nota completa no fim do texto).

Os chineses não explicam oficialmente o motivo da suspensão de frigoríficos, mas o que se sabe é que existe uma preocupação do país em relação ao coronavírus e as notícias de casos da doença entre funcionários do setor deixaram a China apreensiva.

 

A dona da Sadia e da Perdigão disse que já está atuando junto às autoridades brasileiras e chinesas para reversão da suspensão no menor prazo possível.

 

A BRF afirma que órgãos chineses já realizaram testes para identificar Covid-19 em 227,9 mil amostras de alimentos de forma aleatória procedentes de diversos países e das mais variadas empresas.

"Nada foi constatado até o momento", disse a BRF à Reuters.

A companhia acrescentou que desde o começo da pandemia adotou protocolos de saúde e segurança e planos de contingência em todas as suas unidades fabris no Brasil e no exterior.

 

6 unidades embargadas

 

 

O governo brasileiro não informa quais unidades foram suspensas. Com a decisão desta segunda-feira, são 6 frigoríficos embargados.

São eles:

 

 

A BRF e as processadoras de carne Marfrig e JBS, que afirmam que o novo coronavírus não pode ser transmitido por alimentos, estão entre as empresas que tiveram exportações de determinadas plantas locais proibidas pelos chineses após surtos no Brasil.

Veja a nota do Ministério da Agricultura:

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirma a informação que a General Administration of Customs People’s Republic of China (GACC) suspendeu a importação de mais um frigorífico brasileiro.

Esse órgão do governo chinês - responsável pela habilitação de estabelecimentos exportadores para China e pelo controle de mercadorias na aduana - não informou os motivos da medida.

Até o momento, seis plantas seguem suspensas. O Mapa já solicitou ao GACC a retirada da suspensão de cinco dos frigoríficos embargados, visando à retomada por parte dessas empresas das exportações para a China. O mesmo procedimento será adotado pelo ministério em relação a nova planta suspensa.

 

O Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa segue prestando todas as informações solicitadas pela GACC.

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

Rio de Janeiro
Apoiadores de Bolsonaro fazem ato em Copacabana, no Rio de Janeiro
São Paulo
Manifestantes fazem ato na Av. Paulista a favor de Bolsonaro
Brasília
PM informa que restabeleceu bloqueio na Esplanada dos Ministérios
Tribunal de Justiça
Fux manda retirar bandeira do Brasil Império hasteada na sede do TJ de Mato Grosso do Sul
Brasília
Esplanada terá esquema especial de segurança para protestos deste feriado
Brasíl
7/9: Moraes bloqueia contas de acusados de organizar atos antidemocráticos
MS já vacinou 50% dos jovens de 12 a 17 anos contra covid com a 1° dose – Feriado
MS
Secretaria de Estado de Saúde confirma três casos da variante Delta em Mato Grosso do Sul
STF
Urgente: Moraes determina prisão de ex-PM que o ameaçou de morte
Meio Ambiente
Ganhou prazo para resolver o problema, sob pena de multa e improbidade do prefeito