Menu
Busca Qua, 05 de agosto de 2020
(67) 9.9928-2002
Brasíl e Mundo

China para de comprar frango de frigorífico em Dourados

29 julho 2020 - 19h18Por Plantão de notícias

 Administração Geral das Alfândegas da China (GACC, em inglês) suspendeu a habilitação para exportações de carne de frango de uma unidade da BRF de Dourados (MS), em meio a preocupações sobre a Covid-19, informou a companhia em nota à agência Reuters nesta quarta-feira (29).

Com isso, voltam a ser 6 unidades com exportações suspensas para o país asiático. Desde o início da pandemia, 7 frigoríficos foram embargados, mas uma unidade de carne bovina em Mato Grosso teve a autorização restabelecida.

 

 

A BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, disse que não foi notificada oficialmente sobre a suspensão, mas que soube da mesma através de uma publicação no site da agência chinesa.

Procurado pelo G1, o Ministério da Agricultura disse que não houve justificativa apresentada para a suspensão e que, assim como fez com as outras unidades embargadas, vai solicitar aos chineses a liberação das vendas (veja a nota completa no fim do texto).

Os chineses não explicam oficialmente o motivo da suspensão de frigoríficos, mas o que se sabe é que existe uma preocupação do país em relação ao coronavírus e as notícias de casos da doença entre funcionários do setor deixaram a China apreensiva.

 

A dona da Sadia e da Perdigão disse que já está atuando junto às autoridades brasileiras e chinesas para reversão da suspensão no menor prazo possível.

 

A BRF afirma que órgãos chineses já realizaram testes para identificar Covid-19 em 227,9 mil amostras de alimentos de forma aleatória procedentes de diversos países e das mais variadas empresas.

"Nada foi constatado até o momento", disse a BRF à Reuters.

A companhia acrescentou que desde o começo da pandemia adotou protocolos de saúde e segurança e planos de contingência em todas as suas unidades fabris no Brasil e no exterior.

 

6 unidades embargadas

 

 

O governo brasileiro não informa quais unidades foram suspensas. Com a decisão desta segunda-feira, são 6 frigoríficos embargados.

São eles:

 

 

A BRF e as processadoras de carne Marfrig e JBS, que afirmam que o novo coronavírus não pode ser transmitido por alimentos, estão entre as empresas que tiveram exportações de determinadas plantas locais proibidas pelos chineses após surtos no Brasil.

Veja a nota do Ministério da Agricultura:

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirma a informação que a General Administration of Customs People’s Republic of China (GACC) suspendeu a importação de mais um frigorífico brasileiro.

Esse órgão do governo chinês - responsável pela habilitação de estabelecimentos exportadores para China e pelo controle de mercadorias na aduana - não informou os motivos da medida.

Até o momento, seis plantas seguem suspensas. O Mapa já solicitou ao GACC a retirada da suspensão de cinco dos frigoríficos embargados, visando à retomada por parte dessas empresas das exportações para a China. O mesmo procedimento será adotado pelo ministério em relação a nova planta suspensa.

 

O Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa segue prestando todas as informações solicitadas pela GACC.

G1

news

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasíl e Mundo
Mortes por coronavírus passam de 700 mil no mundo, uma pessoa morre a cada 15 segundos em média
Campo Grande
Defensoria Pública ingressou c ação judicial para ter lokdowm na capital.
A tragédia no atendimento hospitalar e o desrespeito às medidas de prevenção do Covid 19
Brasíl e Mundo
Irã pode aumentar consumo de carne de Brasil
Brasíl e Mundo
Gafanhotos: governo da Argentina localiza 5ª nuvem no país
Esporte
Ceará e Bahia decidem o título da Copa do Nordeste 2020
Vacina
Russia estará pronta com vacinação contra Covid 19, em breve.
Campo Grande
Campo Grande é o epicentro da Covid
Política
Onyx confessa caixa 2 e faz acordo com PGR para extinguir investigação Por Ricardo Brito
Economia
CMN publica resoluções de auxílio a produtores rurais
Brasíl e Mundo
Investigação da promotoria de Manhattan sobre Trump aborda mais do que pagamentos a mulheres Por Karen Freifeld