Menu
Busca Seg, 18 de janeiro de 2021
(67) 9.9928-2002
Economia

Com fuga de clientes, postos na fronteira demitem e chegam a fechar

02 maio 2018 - 17h14Por Alcides Bernal
Com 20 anos no mercado de combustíveis, o empresário Ludimar Godoy Novaes, 44, dono de um posto em Ponta Porã, avalia com segurança: (Já tivemos épocas ruins, mas esta é a pior de todas). Ele se referia à concorrência com Pedro Juan Caballero. Com a alta carga tributária do Brasil e os reajustes seguidos da Petrobras, a gasolina em Ponta Porã é, em média, 50% mais cara que a vizinha do outro lado da fronteira. Resultado: os postos, com margens reduzidas, demitem funcionários e começam a fechar.Conforme a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço médio do litro da gasolina em Ponta Porã está em R$ 4,121, com mínimo de R$ 4,085 e máxima de R$ 4,179. No entanto, em alguns postos, de acordo com fontes do setor, o derivado do petróleo chega a custar R$ 4,20 na cidade. Já em Pedro Juan, há estabelecimentos que vendem o produto por R$ 2,80. Do lado brasileiro, o preço do combustível atinge diferença de 50% na comparação com o valor do outro lado da fronteira.

(E a gasolina aqui está mais barata que em muitos municípios de Mato Grosso do Sul), afirma Ludimar. A observação dele está de acordo com os dados da ANP  segundo a agência, o preço médio de Ponta Porã, de R$ 4,121, é o segundo menor do estado, acima apenas ao de Campo Grande, de R$ 4,031. (Estamos no limite de nossa margem e, mesmo baixando o preço, o consumo está caindo), relata.

Com as margens de lucro reduzidas e vendo muitos consumidores atravessarem a fronteira para abastecer os carros, donos de postos de combustíveis em Ponta Porã estão demitindo e já teve início o processo de fechamento neste ano. (Eu tinha 14 empregados, agora estou com seis), contou Ludimar, referindo a um corte de 57%. Há dois meses fechou um posto e há outros que não vão se segurar e vão fechar também, acrescentou.

O gerente Dilson Torres, que trabalha em outro posto do município, reforça o quadro descrito por Ludimar. (Tem muita gente demitindo. Aqui ainda estamos conseguindo segurar), disse. (Com esses aumentos seguidos da Petrobras ficou muito complicado), queixou-se.


Dilson alerta que não é bom negócio abastecer do outro lado da fronteira. (Lá está mais barato, mas é preferível pagar um pouco mais caro e ter uma gasolina de qualidade. Tem um cliente aqui do posto que contou que preferiu refazer o motor do carro depois de ter abastecido no Paraguai), mencionou.
Altas e impostos ? As pessoas do setor de combustíveis sabem onde se situa grande parte do problema. (Com tanta corrupção, a Petrobras ficou quebrada. Agora precisa aumentar o preço direto. E quem paga o pato? Todos nós), desabafa Ludimar.

Desde o dia 17 de março, a Petrobras praticou 23 reajustes dos preços da gasolina às distribuidoras. Foram nove reduções e 14 aumentos. Nesta quinta-feira (dia 3), o valor cairá depois de a petrolífera realizar a maior alta desde julho do ano passado.

Outro fator, citado pelo empresário, é a alta carga tributária. Os impostos são muito altos. E pra quem está aqui na fronteira, o problema é ainda pior), reclama. De acordo com os números da Petrobras, os tributos incidentes sobre a gasolina representam 45% da composição do preço do produto.

No caso de Mato Grosso do Sul, sem a carga tributária, o preço médio da gasolina, de R$ 4,139 cairia para R$ 2,27. Para encher um tanque de 50 litros, o desembolso total passaria de R$ 206,95 para R$ 113,50. Seriam R$ 93,45 a menos.

Retração  Os consumidores não estão abastecendo menos apenas em Ponta Porã, mas em todo o estado. De acordo com a ANP, as vendas de gasolina no primeiro bimestre deste ano (últimos dados) caiu 6,94% em Mato Grosso do Sul.

Em janeiro e fevereiro, foram vendidos 113,32 milhões de litros de gasolina no estado. Nos mesmos meses de 2017, o volume comercializado foi de 121,78 milhões de litros. São 8,45 milhões de litros a menos.
violência contra a mulher 2

Deixe seu Comentário

Leia Também

Governo federal
Vacinação contra covid-19 começa ainda hoje nos estados, diz Pazuello
Trânsito
DPVAT: Seguro obrigatório não será cobrado em 2021
Covid 19 em MS
Secretário de Saúde do MS anunciou trazer vacinas contra Covid 19
Tempo
Meteorologia prevê semana chuvosa em Mato Grosso do Sul
Vacina
Enfermeira negra é primeira pessoa vacinada contra covid-19 no Brasil
Vacina
Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford
Campo Grande
Briga de trânsito na V. Aimoré termina com agressão a facão
Covid 19 em MS
Ocupação de leitos em UTI Covid continua alta nas cinco macrorregiões do Estado
Campo Grande
Veja exemplos de jovens que evitam aglomerações para impedir contágio do coronavírus
Polícia
Denúncia anônima pelo 181 da PM ajuda no combate de crimes