Menu
Busca Dom, 29 de novembro de 2020
(67) 9.9928-2002
Economia

Confira os fatores que devem mexer com o mercado do milho na próxima semana

27 outubro 2020 - 16h00Por Agência Safra

O mercado do milho vive um momento de preços altos, tanto a nível interno, quanto no mercado internacional. O tamanho da colheita nos Estados Unidos deverá chamar atenção dos produtores na próxima semana. No Brasil, o foco passa a ser o andamento do plantio da safra de verão.

Acompanhe abaixo os fatos que deverão merecer a atenção do mercado de milho na próxima semana. As dicas são do analista da Safras Consultoria, Paulo Molinari.

  • O mercado internacional segue acompanhando a fase final de colheita nos Estados Unidos;
  • O milho acima dos US$ 4 por bushel continua sendo um preço muito alto para a atual composição de estoques;
  • China ainda não chegou a comprar 7 milhões de toneladas dos EUA neste ano. O total fica em 6,67 milhões de toneladas, portanto, não há fator China nos preços da CBOT;
  • O trigo com suporte devido aos riscos de clima na Europa, Austrália e Argentina vem colaborando para sustentar os preços do milho;
  •  Exportações semanais dos EUA apenas dentro do normal, ou já esperado, nada de novo no ambiente externo do milho;
  •  Preços são altos neste momento na CBOT;
  • O mercado interno segue com preços muito firmes;
  • O Mato Grosso tem preços acima de R$ 65 a saca, além do recorde demonstra o longo caminho do mercado local até julho de 2021;
  •  Nas demais praças, a grande preocupação é o plantio de verão. Com as chuvas retornando em várias localidades, o plantio foi retomado na última semana;
  • Contudo, já há perdas de produção no Sul do Brasil e a dependência é de chuvas neste fechamento de outubro para amenizar a situação;
  • A tensão climática deverá seguir ainda até fevereiro e depois com a safrinha 2021 plantada mais tardiamente;
  • As exportações do Brasil estão dentro do normal: até agora 25,8 milhões de toneladas comprometidas, com meta de 34 milhões no ano;
  • Não há nenhuma importação de milho programada a chegar ao Brasil nos próximos 90 dias pelo menos, de qualquer origem;
  • Lembrando que milho norte-americano tem dificuldades de entrada no Brasil devido à transgenia;
  • As fixações nas cooperativas e cerealistas continuam baixas, assim como as vendas diretas de produtores, fator que vai sustentando preços regionais;
  • No momento em que os produtores voltarem a vender mais agressivamente, os preços podem se acomodar.
pedofilia

Deixe seu Comentário

Leia Também

Fama
Mike Tyson e Roy Jones Jr, com mais de 50 anos, fazem luta de exibição e viram foco do mundo esportivo.
STF
Moraes, do ST, prorroga por mais 60 dias inquérito que investiga possível interferência de Bolsonaro na PF
Campo Grande
Tiros, facadas e espancamento: Campo Grande tem fim de semana mais violento do mês
Só entre a noite de sábado e a madrugada de domingo, quatro homens foram assassinados na Capital
Fronteira
Preso brasileiro suspeito de assassinato de quatro homens de Fahd Jamil
Campo Grande
Último Autocine deste ano apresenta clássico espírita “Nosso Lar”
Fórmula 1
GP do Barein: Hamilton vence após acidente brutal de Grosjean e capotagem de Stroll
Indigenas
Empresas de SC e RS contratam 5 mil indígenas do Estado para a colheita da maçã
Campo Grande
Covid-19: aumento no número de casos coloca 31 municípios em grau de risco no Prosseguir
Brasíl
Maia: combate ao racismo deve ser agenda prioritária do Parlamento
Fórmula 1
Romain Grosjean sofre acidente assustador com fogo após largada do GP do Barein.